Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
09.05.17
ED. 5614

Grupos chineses avançam sobre distribuidoras de gás

O novo alvo dos chineses no mercado brasileiro de energia é a distribuição de gás natural. Executivos da China Gas e da Beijing Gas têm mantido uma rotina de apresentações e contatos com governos estaduais que deverão privatizar suas respectivas concessionárias, como contrapartida ao pacote de ajuda da União. No caso específico da Beijing, há um interesse maior pela gaúcha Sulgás e pela Bahiagás. Não custa lembrar que, no ano passado, o grupo disputou a compra da Gaspetro, mas perdeu o duelo para Mitsui.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.03.17
ED. 5587

Sulgás na mira chinesa

Os chineses da Beijing Gás estão vasculhando com palitinhos os números da estatal gaúcha Sulgás, que deverá ser privatizada até 2018 como contrapartida à ajuda do governo federal ao Rio Grande do Sul. A Beijing, não custa lembrar, tentou fisgar a Gaspetro, mas perdeu o duelo para a Mitsui.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.03.17
ED. 5571

Onipresente

A Mitsui já destacou uma equipe para mergulhar nos números da Sulgás, a distribuidora gaúcha que será privatizada como contrapartida à ajuda do governo federal ao Rio Grande do Sul.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.12.16
ED. 5515

Pré-venda

Número prestes a sair do forno e sob medida para abrir o apetite dos investidores: a Sulgás, uma das estatais que o governo gaúcho quer vender, caminha para fechar o ano com um lucro perto dos R$ 130 milhões, quase o dobro do resultado de 2015.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.08.16
ED. 5428

Sulgás puxa a fila da privatização nos Pampas

 O governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, está decidido a privatizar a Sulgás, no âmbito do programa de renegociação das dívidas estaduais com a União. Por ora, o assunto é cuidadosamente tratado a portas fechadas no Palácio Piratini. Além da negociação com o BNDES, responsável por estruturar a venda das estatais, a operação depende ainda uma articulação política razoavelmente intrincada: a venda da distribuidora de gás precisa ser autorizada pela Assembleia Legislativa. Cálculos preliminares do próprio governo gaúcho indicam que a Sulgás está avaliada em aproximadamente R$ 600 milhões. Significa dizer que o Tesouro gaúcho poderá arrecadar até R$ 300 milhões com a alienação da sua participação de 51% na Sulgás.  José Ivo Sartori sabem muito bem onde o calo fiscal lhe aperta. O Rio Grande do Sul carrega a quarta maior dívida entre as unidades federativas, na casa dos R$ 53 bilhões. Para asfixiar ainda mais as contas públicas, o déficit do estado projetado para 2016 já beira os R$ 7 bilhões. Por isso, Sartori vai usar de todo o seu poder político para garantir o apoio do Legislativo à privatização da Sulgás. O que está em jogo, neste caso, não é apenas a venda da distribuidora de gás. A aprovação da Assembleia deverá abrir as portas para outras privatizações que estão no radar do governo gaúcho, como a da empresa de saneamento Corsan e, sobretudo, a da distribuidora de energia CEEE. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto:  Governo do RS.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.08.15
ED. 5184

Gaspetro investiga escândalo financeiro em diretoria da Sulgás

A Sulgás está no centro de um escândalo que envolve gravíssimas suspeitas de desvio de recursos públicos. Nesta semana, a Gaspetro, subsidiária da Petrobras e dona de 49% da distribuidora, determinou a abertura de uma sindicância para apurar denúncias de superfaturamento em contratos da estatal gaúcha. O alvo específico é a diretoria técnica e comercial, comandada por Flávio Ricardo Soares de Soares. Na Gaspetro, os termos usados para se referir ao episódio são os mais duros possíveis: “malversação”, “roubo” e “pagamento por fora”. Segundo um dos integrantes da comissão instituída pela estatal gaúcha, as primeiras informações apuradas apontam para o favorecimento a pelo menos um fornecedor contratado pela diretoria técnica e operacional. Consultada, a Sulgás confirma a abertura da sindicância e diz, com todas as letras, que “já identificou irregularidades, a ponto de ter expedido notificação extrajudicial ao prestador de serviços, com notícia de cobrança de diferenças.” A companhia não divulgou o nome ou o ramo de atuação do fornecedor, mas o RR apurou que se trata de uma conhecida empresa de engenharia de Porto Alegre. Também procurada, a Gaspetro/ Petrobras não se pronunciou. Ressalte-se que a iniciativa da Gaspetro conta com o apoio do governo gaúcho, acionista controlador da Sulgás. Curiosamente, foi a própria subsidiária da Petrobras quem indicou Flávio Soares para a diretoria da Sulgás. Sua situação, no entanto, tornou-se insustentável. Na distribuidora gaúcha, já se dá como certo seu afastamento do cargo nos próximos dias. Oficialmente, a empresa empurra a questão para a Gaspetro. Diz que a permanência ou não do executivo é uma decisão que cabe à subsidiária da Petrobras, responsável pela sua nomeação. Soares, aliás, é um fenômeno de resistência. Equilibra-se na diretoria técnica e comercial há quase 13 anos. Já sobreviveu a três presidentes da Petrobras e a cinco governadores do Rio Grande do Sul. Ele é tido por seus colegas na Sulgás como um executivo todo-poderoso. Em algumas gestões chegou a mandar mais do que o próprio presidente da estatal, a ponto de grandes fornecedores e clientes da companhia despacharem diretamente em seu gabinete.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.07.15
ED. 5169

Sulgás passa por uma “privatização gasosa”

A Sulgás deverá protagonizar a primeira desestatização de uma distribuidora estadual de gás desde a venda das três concessionárias de São Paulo, há 15 anos. Entre os muros do Palácio Piratini, o governador José Ivo Sartori formata com seus assessores um modelo para a venda de parte das ações da companhia em poder do estado. Na prática, a operação significará uma espécie de privatização gasosa da distribuidora. O novo sócio, é bem verdade, não terá o controle, mas o Tesouro gaúcho, hoje dono de 51%, automaticamente perderá o status de acionista majoritário. Tal situação certamente exigirá um acordo de acionista que garanta ao estado a gestão da companhia. Ressalte-se que os 49% restantes pertencem à  Gaspetro, também na iminência de acolher um forasteiro em seu capital. José Ivo Sartori também tem seu ajuste fiscal para fazer: o estado deve fechar o ano com um déficit próximo dos R$ 6 bilhões. A venda de ações da Sulgás é parte do esforço do governo para gerar receitas extraordinárias. A distribuidora é um ativo razoavelmente cobiçado. A Mitsui e a chinesa CNPC já teriam mantido contatos com o governo gaúcho. Os japoneses, sócios de sete distribuidoras no país, querem fortalecer sua posição no tabuleiro do setor. A CNPC, por sua vez, faria seu début em distribuição de gás no Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.