Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
11.12.18
ED. 6012

Leader é um alento para a Abril

O Natal traz um sopro de esperança para os funcionários da Leader Magazine – e, por extensão, para os trabalhadores da Editora Abril. Ao mesmo tempo em que negocia a compra da empresa dos Civita, o investidor Fabio Carvalho mantém tratativas para a venda de até 49% da rede varejista. De acordo com uma fonte próxima a Carvalho, dois fundos de investimento internacionais especializados nos setor de varejo são candidatos ao negócio. Dono do fundo Legion, Carvalho é um especialista em dar sobrevida a empresas desenganadas. Foi assim com outra rede varejista, a Casa & Vídeo, e tem sido assim na Leader, comprada junto ao BTG há dois anos. A gestão de Carvalho está longe de ter resolvido os males da empresa, mesmo com a sua reconhecida capacidade de encostar credores contra a parede e de ceifar lojas e empregos sem piedade. Em recuperação extrajudicial, a Leader carrega uma dívida em torno de R$ 230 milhões. Os prejuízos nos últimos dois anos teriam superado os R$ 800 milhões. Ainda assim, Carvalho chega ao fim do ano com a possibilidade de colocar um sócio dentro da rede varejista e dar mais fôlego à companhia. Serve de alento para a Editora Abril, também à espera de um milagre de Natal.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.12.18
ED. 6012

Bolsonaro ataca a judicialização do setor elétrico

O governo Bolsonaro pretende atacar, logo na partida, o excessivo grau de judicialização do setor elétrico. A principal proposta discutida na equipe de transição é a publicação, logo nos primeiros 60 dias de gestão, de uma Medida Provisória com o objetivo de revogar parte dos efeitos da MP 579/2012, posteriormente convertida na Lei 12.873/2013, e da Lei 13.203/15. Um dos maiores nós a serem desatados é o chamado risco hidrológico – medido pelo fator GSF, que corresponde à relação entre o volume de energia gerado pelas usinas e a garantia física total delas.

A diferença gera uma conta de compensação que é cobrada às distribuidoras e, na última linha, aos consumidores. Descontentes com os valores recebidos, as geradoras dispararam uma guerra de liminares contra a Aneel e a União. A MP teria como intuito uma repactuação dessas cifras repassadas às hidrelétricas, oferecendo, em contrapartida, uma extensão dos respectivos prazos de concessão. Outro impasse que deságua nos tribunais é a dívida de mais de R$ 60 bilhões referente à RBSE (Rede Básica de Sistemas Existentes) indenização paga a concessionárias de transmissão.

A equipe de transição, com anuência do futuro ministro de Minas e Energia, Almirante Bento Lima Leite, já desenha um modelo de parcelamento do valor. Mais de metade desse montante devido pela União, algo como R$ 35 bilhões, tem como credor a própria Eletrobras. Resolver a judicialização do setor elétrico é um desafio somente comparável à reforma da Previdência, com permissão para o exagero. Michel Temer chegou a tatear a questão, mas deu meia volta quando mediu as dificuldades e o tamanho do barulho. O emaranhado de ações judiciais é considerado condição sine qua non para destravar os investimentos no mercado de energia. Somente o estoque de ações contra a União envolve cerca de R$ 110 bilhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.12.18
ED. 6012

Guarda suíça

O procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, que deixou a força tarefa da Lava Jato em setembro, foi sondado por Sérgio Moro para integrar sua equipe no Ministério da Justiça. Lima era o segundo na hierarquia do “petrolão” no Ministério Público Federal, atrás apenas de Deltan Dallagnol, também cotado para fazer parte desta nova “força-tarefa”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.12.18
ED. 6012

Reserva florestal

A asiática Royal Golden Eagle (RGE), que adquiriu a fabricante de celulose paulista Lwarcel, tem US$ 200 milhões no coldre para comprar florestas no Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.12.18
ED. 6012

“Rock in Rio” intercolegial

Três conceituados colégios do Rio de Janeiro se lançaram neste fim de ano em uma inusitada e onerosa competição: a de organizar a melhor e mais concorrida formatura do ensino médio. Para isso, afortunados pais vão bancar três dos mais altos cachês artísticos do país. Anitta vai cantar para os alunos do Colégio PH. Ludmilla, por sua vez, será a estrela da festa do Santo Agostinho. Já a turma do Santo Inácio terá o DJ Bhaskar, irmão gêmeo de Alok, considerado uma unanimidade no cenário eletrônico brasileiro. Não é programa para qualquer um, a começar pelo funding. Consta que Anitta não cobra menos de R$ 200 mil por apresentação. Roberto Medina poderia assinar a organização. Todos os shows ocorrerão no Riocentro, em datas alternadas, entre os dias 13 e 20 de dezembro. O evento terá a estrutura de um mini Rock in Rio, com ambulâncias, equipes médicas dotadas de aparelhagem de UTI, ônibus para transporte exclusivo e mais de uma centena de seguranças particulares. Em média, o pacote custará R$ 4 mil por aluno, incluindo a hospedagem dos pais em hotel da Zona Oeste antes e depois da comemoração. Já os jovens pernoitarão em outro hotel, nas proximidades.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.12.18
ED. 6012

Um pedido de SOS no Porto de Suape

ONGs têm feito chegar ao Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH), em Brasília, denúncias em relação às condições de trabalho no Porto de Suape, em Pernambuco. Os trabalhadores estariam sendo expostos, por exemplo, a uma emissão de poluentes correspondente a 50 mil toneladas/ano, quatro vezes o volume registrado no polo industrial de Cubatão. Há ainda denúncias de tráfico de drogas e atuação de milícias na região. Os relatórios encaminhados ao CNDH têm como coordenadores a assistente social cearense Cristiane Faustino e o advogado maranhense Guilherme Zagallo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.12.18
ED. 6012

Penhora mineira

No melhor estilo “Cedae“, o governador eleito Romeu Zema já admite usar o controle da Copasa como moeda de troca para renegociar a dívida de Minas Gerais com a União – o passivo é de R$ 78 bilhões. O vice governador eleito, Paulo Brant, foi escalado para conduzir as primeiras negociações com a equipe de transição de Jair Bolsonaro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.12.18
ED. 6012

Descarga elétrica

O fundo norte-americano Darby Overseas, um condomínio que  administra mais de US$ 800 bilhões, está em busca de ativos de energia renovável no Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.12.18
ED. 6012

Itamaraty do B

Eduardo Bolsonaro já desponta como chanceler informal do governo de seu pai. Após a visita aos Estados Unidos, já articula uma viagem à Ásia logo no início de 2019 para uma rodada de encontros com investidores locais.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.12.18
ED. 6012

Fala que eu te escuto

O cerimonial do Palácio do Planalto está quebrando a cabeça para encaixar no protocolo os líderes de mais de uma dezena de igrejas evangélicas que querem se pronunciar no ato ecumênico programado para a posse de Jair Bolsonaro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.12.18
ED. 6012

Ponto final

As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Leader Magazine e RGE.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.