Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos

Relacionados

11.09.18
ED. 5950

Biomm é um soco no pâncreas do BNDES

O BNDES já faz planos de vender a sua participação na Biomm, a fabricante de insulina criada pelo empresário e ex-ministro do governo Lula Walfrido dos Mares Guia. Há conversas preliminares com outros acionistas, como a Vinci Partners. Tudo, no entanto, depende da empresa cumprir a promessa de iniciar a produção e venda nos próximos meses. A fábrica de Nova Lima (MG) está pronta e a licença para o início da operação já foi solicitada à Anvisa. No entanto, tratando-se da Biomm, é melhor esperar pelos primeiros mililitros de insulina na seringa. O projeto tem sido adiado seguidamente. Dono de 12% do capital, o BNDES investiu mais de R$ 100 milhões no empreendimento. Consultado sobre a venda da sua participação, o banco diz “não confirmar a informação”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.02.18
ED. 5813

Insulina da Biomm causa efeitos colaterais no BNDES

O aumento de capital da Biomm, anunciado na última quinta-feira, empurrou o BNDES para uma encruzilhada. Se correr, ou seja, não atender à chamada, o banco terá sua participação diluída e perderá de vista boa parte dos R$ 100 milhões que já alocou na fabricante de insulina; se ficar, terá de colocar mais dinheiro em um projeto que ainda não saiu do papel e já nasceu cercado de suspeições. Para quem não está ligando o nome à pessoa, a Biomm é a fabricante de insulina que tem como um de seus sócios o empresário e ex-ministro Walfrido dos Mares Guia, personagem próximo ao ex-presidente Lula.

Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES, já reafirmou o “compromisso” do banco com o projeto. No entanto, o negócio provoca divisões dentro do BNDES. As maiores resistências viriam da área de Mercado de Capitais, muito em função da excessiva exposição da instituição na Biomm. O BNDES duplo chapéu: é financiador e sócio da companhia. Os atrasos no cronograma também alimentam o coro dos contrários.

A nova fábrica da Biomm em Nova Lima (MG) era prometida para 2016, ficou para 2017 e, garante a empresa, agora está finalmente concluída, aguardando apenas licenças regulatórias. No banco, há dúvidas ainda quanto ao retorno do negócio. O projeto já teria dado mais de R$ 120 milhões em prejuízos. Além das divergências externas, os questionamentos à permanência do BNDES no negócio também vêm de fora para dentro. Auditoria feita pela CGU apontou uma série de irregularidades no empréstimo do banco para a Biomm. O banco não teria respeitado seus próprios limites de exposição a risco de crédito. Teria também utilizado critérios fora do padrão tratando-se de projetos pré-operacionais, caso da Biomm.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.