fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
05.11.19

Pré-sal, governo e Petrobras

Termômetro

Quarta-feira tem tudo para ser o segundo dia consecutivo de noticiário positivo para o governo, agora em função do leilão de cessão onerosa do pré-sal, que promete movimentar até R$ 106 bilhões.

Se tal patamar se confirmar – ou forem atingidos valores próximos a essa projeção – governo conseguirá valorizar planejamento para o setor de petróleo e terá espaço para aventar, inclusive, mudança no modelo de exploração.

O que se somará a conjunto de reformas anunciadas hoje e a outras, a serem anunciadas nos próximos dias, para criar, amanhã, panorama muito favorável, de transformação do estado. Bem na linha indicada – e bem aproveitada – pelo ministro Paulo Guedes. Isso posto, há duas variáveis importantes a serem observadas:

1) Diretor geral da ANP aventou possibilidade de que duas das quatro áreas do leilão (Sépia e Atapu) não sejam arrematadas, o que reduziria arrecadação a R$ 70 milhões. Motivo seriam dúvidas sobre negociações com a Petrobras para ressarcir investimentos já realizados pela empresa nos dois campos.

Independentemente do embasamento, dadas as expectativas já geradas e o fato de que a cifra acima de R$ 100 bilhões foi martelada na mídia, nos últimos meses, impacto seria ruim. Governo e ANP ficariam em posição de justificar contratempo em vez de comemorar resultados. E haveria questionamentos sobre acordos já firmados com estados e municípios, feitos com base em número cheio.

2) Avaliação sobre atuação da Petrobras no leilão. Há forte expectativa de que a estatal arremate, possivelmente como parte de consórcio, os campos de Búzios e Itapu, considerados os mais promissores. Ao mesmo tempo, há certa preocupação com projeção de gastos da empresa.

Ou seja, se não ganhar a disputa pelas áreas, sofrerá, amanhã, questionamentos quanto à política “tímida”, com perda de oportunidades estratégicas. Se ganhar, mas pagar valor muito acima dos R$ 34,6 bilhões, que receberá pelo acordo com o governo, será posto em dúvida compromisso com redução de endividamento. Ainda assim, a primeira hipótese seria mais desgastante, nesta quarta.

Reformas: a vez do Congresso

Após ótima comunicação do Ministério da Economia hoje, capitaneada pelo ministro Guedes, amanhã será o momento de sentir o pulso do Congresso sobre reformas anunciadas. Primeiro momento indicará quais as medidas enfrentarão maior resistência e quais podem ter tramitação mais ágil, tanto por reações de parlamentares quanto por análises da mídia. No foco, desvinculação de gastos obrigatórios; diminuição de jornada – e salários – de servidores; extinção de municípios com menos de 5 mil habitantes; repasse de até R$ 500 bilhões aos estados.

Este último ponto (estados) vem aparecendo muito positivamente, mas há questionamentos sobre contrapartidas. Até agora, o que teve destaque, nesse sentido, foi intenção de proibir que tomem empréstimos com a Caixa, o BNDES e o Banco do Brasil, medida em si polêmica e que terá de ser mais detalhada.

Eletrobras no jogo

Ainda que não faça parte de reformas, proposta de privatização da Eletrobras será posta no bojo do mesmo debate – como parte de medidas polêmicas. Análises na mídia tendem a ser majoritariamente positivas, mas reação no Parlamento deve se mostrar mais matizada. Nesse caso, vale atenção para lideranças do centrão, que devem ser o fiel da balança.

Vale na berlinda

Vale sofrerá desgaste – e provável desvalorização – amanhã em função de relatório da Agência Nacional de Mineração indicando que a empresa omitiu problemas na barragem de Brumadinho, antes de rompimento.

O fator MDB e a PF

A conferir movimentações do MDB, nesta quarta, após convocação dos senadores Renan Calheiros e Eduardo Braga para depor, hoje, pela PF. Também vai gerar repercussão a notícia de que a PF chegou a pedir a prisão da ex-presidente Dilma Rousseff.

Commodities e venda de veículos

Saem amanhã o Índice de Commodities do Banco Central (IC-BR), que vem de alta significativa em setembro (5,23%) e a produção de veículos em outubro (Anfavea), para a qual há expectativa de resultado positivo.

Serviços e produtividade na União Europeia e EUA

No exterior, os principais dados, nesta quarta, serão: PMI de Serviços, para outubro, na Alemanha e na Zona do Euro (previsão de estabilidade, na margem, para ambas); Vendas do Varejo de outubro na Zona do Euro (projeta-se crescimento baixo, de 0,1%, sobre 0,3% de setembro); Prévia da Produtividade do Trabalho Não Agrícola nos EUA no Terceiro Trimestre (estima-se avanço de 0,3%, bem abaixo dos 2,3% do segundo trimestre).

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.10.19

Equatorial

No BNDES, a Equatorial Energia é considerada pule de dez na disputa pela Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA). O modelo de privatização da distribuidora está a cargo do banco e deverá ser anunciado até o fim de novembro. Se não ocorrer um curto-circuito no caminho, o leilão sai no primeiro trimestre de 2020.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.10.19

Risco endêmico?

O RR procurou saber das internas do BNDES. Conseguiu apurar que Gustavo Montezano, ligou batido para o chefe, Paulo Guedes, consultando-o sobre o que fazer em relação ao calote de Marcelo Crivella no banco. A preocupação é que a moratória gere um efeito cascata.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.10.19

BNDES fora da Copel

O BNDES bateu o martelo: vai vender, ainda neste ano, sua participação na Copel. R$ 3,5 bilhões: é a ordem de grandeza do quanto o banco espera arrecadar com a oferta das ações na Bolsa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.09.19

Copasa sobre o balcão

No calendário do governo mineiro e do BNDES, a privatização da estatal de saneamento Copasa sairá até março de 2020.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.09.19

Em busca do waiver da Avenida Chile

O governador Romeu Zema tem feito gestões junto ao presidente do BNDES, Gustavo Montezano, para que o banco prorrogue mais uma vez o vencimento do empréstimo de R$ 933 milhões relativo à construção do parque eólico de Alto Sertão III, na Bahia. O empreendimento pertence à Renova Energia, leia-se Cemig e Light. O financiamento venceria em agosto, mas o banco já concedeu um primeiro waiver e esticou o prazo para 15 de outubro. Não foi o suficiente. O acordo com o BNDES é um dos movimentos necessários para viabilizar a venda de Alto Sertão III à AES Tietê, uma operação da ordem de R$ 400 milhões. Trata-se de um negócio fundamental para a própria sobrevivência da Renova.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.09.19

O diplomata da Klabin

O ex-secretário de Política Econômica e sócio de Armínio Fraga no Gávea, Amaury Bier, tem servido como um algodão entre cristais no Conselho da Klabin, notadamente no que diz respeito às relações entre a família e o BNDES. Recentemente, houve atritos entre o banco e os controladores da empresa devido a royalties pagos ao clã dos Klabin.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.09.19

Privatização à vista

A equipe econômica de Romeu Zema abriu conversações com o BNDES em torno da venda da participação do governo de Minas Gerais na Gasmig. Meta perseguida pelos mineiros: colocar R$ 1,5 bilhão no caixa com a operação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.09.19

O fim da Vale verde e amarela?

Há planos no BNDES de reduzir a participação no capital da Vale. O RR já escutou a mesma coisa na Previ. A ação conjunta levaria a uma definitiva “privatização” da companhia. Hoje, mesmo sendo uma corporation, as duas estatais dão as cartas por lá. É um golpe de morte na estratégia engendrada pelo ex-presidente do BNDES professor Carlos Lessa, para evitar que à época a Vale fosse desnacionalizada. Aliás, exigência de controle nacional parece ter se tornado uma coisa kitsch.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.08.19

Desmatamento

Se depender de Jair Bolsonaro, o BNDES retira as condicionalidades ambientais dos empréstimos do banco. Na visão do Planalto, como já ficou evidente, esse negócio de meio ambiente é coisa do passado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.