fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
22.06.22

Saneamento

Corre no BNDES a informação de que a espanhola Sacyr pretende disputar concessões de saneamento no Brasil. O grupo já tem negócios em infraestrutura rodoviária no país.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.06.22

O bye, bye, Brasil da Vale?

Há na Vale um “manda chuva” que defende a mudança da sede fiscal da companhia para Bruxelas. O assunto é sério. E pode ir ao Conselho. Em seus idos de empresa estatal, a Vale, então conhecida pelas iniciais do seu nome, CVRD, tinha uma cabeça de ponte naquele país, a Rio Doce Europa. A subsidiária era comandada por Eliezer Batista, um mito entre os “valerianos”, o que por si só já justificava ser considerada uma segunda sede.

A partir de Bruxelas, a Vale lançava seus tentáculos pelo mundo, fazendo daquele país um corredor para suas vendas. A sede da Vale só não se foi de vez porque Carlos Lessa, em sua polêmica gestão na presidência do BNDES, comprou ações suficientes da empresa para evitar a medida. De certa forma, guardadas as devidas proporções, é o que acontece com a JBS. A expressiva presença do banco no capital da empresa (cerca de 20%) é um impeditivo ao velho projeto dos irmãos Batista de transferir o centro de decisões da companhia para o exterior.

No caso da Vale, ressalte-se, essa trava não existe mais: em fevereiro do ano passado, o BNDES zerou sua participação societária na mineradora. Consultada pelo RR, a Vale não se manifestou. Um ex-diretor da Vale afirmou ao RR que a ideia é muito difícil, quase impossível, devido a resistências de ordem política. Mas, se fosse para ser implementada, a escolha não deveria ser Bruxelas, mas, sim, Pequim, pois a China é o grande comprador de minério de ferro do Brasil e, portanto, o hub natural para vendas no Oriente.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.06.22

Parecia até o lançamento do Real

A cerimônia de posse do neurocirurgião Paulo Niemeyer na Academia Brasileira de Letras, na última sexta-feira, dia 27, às 21h, demonstrou que os “realistas”, conforme se chama a turma idealizadora do Plano Real, criaram uma verdadeira confraria. Estrela entre os economistas presentes, o ex-ministro da Fazenda, Pedro Malan, ao ver o seu pupilo e ex-presidente do BC, Gustavo Franco, sozinho em um canto, fez gestos enormes para atraí-lo para perto de si. Isto feito, encheu-o de abraços e carinhos sem ter fim. O acadêmico Edmar Bacha, também um “realista” de quatro costados, ex-presidente do BNDES, não pode estar presente. Mas seu nome foi volta e meia citado entre o pequeno grupo. Pequeno só no número. Grande no prestígio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.05.22

Fundo de reconstrução de Guedes é só a ponta do iceberg

O fundo de reconstrução nacional para investimentos em infraestrutura, prometido ontem pelo ministro Paulo Guedes, é o primeiro movimento no tabuleiro após o encaminhamento dos estudos para a privatização da Petrobras. Guedes anunciou que o fundo será constituído das participações que a União detém em diversas companhias. Não especificou em quais. Apenas adiantou que a carteira do BNDES será vendida para geração do funding inicial.

Imagina-se que o fundo de reconstrução não será um segundo BNDESpar e também não terá o mesmo papel de banco de fomento do BNDES. O segundo movimento será a inclusão de outros ativos politicamente mais sensíveis. E o terceiro será adocicar a operação com a venda de uma fração das ações aos funcionários das estatais caso elas realmente venham a ser incluídas no fundo. A título de exemplo, algo similar ao modelo de privatização da Vale, quando o equivalente a 5,1% do capital total foi reservado para os trabalhadores da mineradora. Trata-se de uma engenharia híbrida.

As participações da BNDES-Par em empresas privadas seriam vendidas e os recursos diretamente aportados no fundo. No caso das estatais icônicas, o caminho seria outro: as ações da União nessas empresas seriam transferidas para o fundo. A privatização – seja da Petrobras, do BB ou da Caixa – poderia vir, portanto, por uma via oblíqua, com os devidos cuidados para não parecer uma desestatização lato sensu. Até porque vender uma dessas empresas na atual conjuntura seria um convite ao ingresso em um Vietnã político em plena campanha eleitoral. Curioso é pensar que, de certa forma, Guedes, neoliberal elevado à enésima  potência, está adotando uma ideia de um ícone da esquerda: Ignácio Rangel.

O economista defendia a venda das estatais maduras para a criação de novas estatais ou frentes geradoras de emprego, ao invés do abatimento direto da dívida pública. Como se sabe, investimentos em infraestrutura geram uma enxurrada de postos de trabalho. Verdade seja dita, Paulo Guedes sempre defendeu a criação de um instrumento similar, mas insistia com a tese de que os imóveis da União seriam os ativos aportados no fundo. A ver se o ministro fará todos os movimentos, guardando uma quarta jogada para o xeque-mate: a adoção de uma golden share e uma pílula de veneno, se  realmente o fundo vier a ser securitizado, carregar as estatais “sagradas” e tiver maiores pretensões de buscar dinheiro em mercado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.04.22

Quem manda nas estatais?

O presidente do BNDES, Gustavo Montezano, já foi devidamente enquadrado pela corporação. Como diversos outros  executivos que tentaram comandar o banco como se estivessem na iniciativa privada, Montezano está apanhando do sistema de regras da instituição, que praticamente torna independente suas diversas áreas e departamentos. Algumas dezenas das deliberações de Montezano estão presas dentro da burocracia do BNDES.

José Mauro Ferreira Coelho assumiu a presidência da Petrobras com dois discursos: um, intramuros, para dentro da companhia, e outro para fora, através de entrevistas. Em ambos, faz uma profissão de fé na manutenção da política de preços de combustíveis da estatal. Tem até outubro para garantir que a sua palavra continua valendo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.04.22

Jogando a toalha

O BNDES e o Governo do Rio Grande do Sul cogitam reduzir o lance mínimo para a privatização da CEEE-Geração, inicialmente fixado em R$ 1,25 bilhão. Ao que parece, ouviram os gritos do silêncio do mercado: a primeira tentativa de leilão, em março, foi cancelada por falta de candidatos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.04.22

Presidente da Fiesp movimenta suas peças no tabuleiro eleitoral

O novo presidente da Fiesp, Josué Gomes da Silva, joga em duas posições. Aquela que tem uma ex-posição maior é o distanciamento público do candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, de quem seu pai, José Alencar, foi vice-presidente nos dois mandatos. Josué assumiu a entidade como um reformista, que pretende atrair a nata do setor para colaborar em propostas de política industrial.

O presidente da Fiesp, ao contrário do seu antecessor Paulo Skaf, não quer saber da candidatura à reeleição de Jair Bolsonaro. Se depender dele, Bolsonaro é passado. Mas, a outra posição no tabuleiro de Josué é a discreta colaboração com Lula para construção de uma política industrial “rebelde”, conforme os dizeres de Roberto Mangabeira Unger, que não siga apenas a receita única de incentivos, renúncias fiscais e dinheiro barato. Um dos interlocutores do manda-chuva da entidade é o ex-presidente do BNDES Luciano Coutinho.

Apesar do desgaste dos últimos anos do governo do PT, quando a política de fomento do banco foi associada a práticas pouco ortodoxas de financiamento, Coutinho é um dos maiores, senão o maior, economista industrialista do Brasil, posto que dividia, mano a mano, com os saudosos Arthur Candal e Antônio Barros de Castro. Josué sabe que Lula e Ciro Gomes são os candidatos mais sensíveis ao revigoramento da indústria, que hoje representa cerca de 12% do PIB. Só que a candidatura de Ciro desidratou. Lula é a alternativa, não porque “papai” era colado com ele, mas porque é o único sensível à causa entre os postulantes à Presidência que devem chegar ao segundo turno das eleições. Há muito tempo que a Fiesp é uma bola murcha, para não dizer furada. Cabe a Josué mudar isso. Agora, é aguardar a hora em que ele vai sair do armário.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.04.22

Contagem regressiva

O BNDES corre contra o tempo. O governo de Rondônia quer leiloar ainda neste ano a concessão de saneamento no estado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.04.22

Plano B para CEEE-G

O governo do Rio Grande do Sul e o BNDES discutem uma saída para a CEEE-G depois da frustrada tentativa de privatização da companhia elétrica – o leilão, marcado para março, foi suspenso por falta de candidatos. Uma das hipóteses aventadas é a divisão dos ativos da estatal em blocos – são cinco hidrelétricas, oito pequenas centrais hidrelétricas e duas centrais geradoras hidrelétricas. A venda, no entanto, ficaria para 2023, pela necessidade de reformatação de toda a operação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.04.22

Rio Tâmisa

Circula nos corredores do BNDES que a Thames Water planeja entrar nos próximos leilões de saneamento no Brasil. O grupo inglês é um dos maiores operadores do setor na Europa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.