fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
02.09.21

Irrigação

A Aegea Saneamento estaria mantendo tratativas para obter um empréstimo substancial do BNDES. Só com a outorga dos dois blocos da Cedae arrematados em abril, a empresa terá de desembolsar R$ 15,4 bilhões. Consultados, Aegea e BNDES não quiseram comentar o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.07.21

Divórcio elétrico

O BNDES planeja vender sua participação de 9,9% na AES Brasil. Tomando-se como base o valor em bolsa, a fatia do banco está estimada em torno de R$ 500 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.07.21

As águas vão rolar

A ordem no BNDES é acelerar o passo: o governo da Paraíba pretende licitar a concessão de saneamento em 93 cidades do estado até o primeiro trimestre de 2022.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.07.21

Uma história cada vez mais enrolada

A enroscada saga da Usina São Fernando – ver RR de 25 de junho – teve um novo capítulo. Funcionários da sucroalcooleira vêm fazendo gestões junto ao BNDES e ao Banco do Brasil, os dois maiores credores da empresa, na tentativa de aprovar a venda do controle à Millenium Holdings. Esta última teria se comprometido a contratar parte dos 1,2 mil trabalhadores demitidos da usina. Ocorre que a Millenium venceu o leilão judicial, mas não levou. Foi desclassificada pela Justiça, que aceitou a oferta da segunda colocada, a Energética Santa Helena – pelo que se diz nos bastidores, com o apoio do BNDES e do BB.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.07.21

Duelo no Amapá

No BNDES, Aegea e BRK Ambiental são apontadas como nomes certos no leilão da Caesa, empresa de saneamento do Amapá. A licitação está marcada para 2 de setembro. Procurada, a Aegea diz que “está sempre atenta às novas oportunidades”. A BRK, por sua vez, não se pronunciou.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.06.21

Açúcar meio amargo

A Energética Santa Helena, que arrematou a Usina São Fernando em leilão judicial na semana passada, anda não teria apresentado as garantias para a compra da empresa sucroalcooleira. O valor da operação é de R$ 322 milhões. O assunto passa obrigatoriamente pelo BNDES, maior credor da São Fernando. Para aumentar a tensão, ressalte-se que a própria Santa Helena está em recuperação judicial. Procurados, a empresa e o BNDES não se pronunciaram.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.06.21

Participação sub judice

O que se dizia ontem no BNDES é que a Oliveira Energia, uma das candidatas ao leilão da Companhia de Eletricidade do Amapá, marcado para hoje, ainda não havia conseguido fechar o project finance da operação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.06.21

Há uma estranha fuligem de carvão solta no ar

Parece até uma coincidência provocada pelas energias crepitantes do inferno. Somente no mais profundo dos círculos de Dante estariam conjugados a disposição de senadores de incluir na MP da Eletrobras um financiamento de R$ 2,5 bilhões para “revitalização” da indústria carbonífera, o estímulo de termoeletricidade a carvão para os futuros leilões e uma controversa e eventual do gestão do ministro de Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque, junto ao BNDES para o financiamento de termelétricas à base do combustível poluente. Tudo ao mesmo tempo e agora, junto com as declarações duríssimas do Departamento de Estado norte-americano, de que punirá financeiramente e comercialmente os países com mau comportamento ambiental. A termoeletricidade a carvão é um dos itens mais incandescentes nesse balaio de castigos que os EUA pretendem infringir ao Brasil.

A Europa seguirá a cartilha do governo Biden. Para todos os efeitos, Albuquerque teria o argumento de que vale tudo na crise hídrica. Mas será que cola? Não seria mais adequado ao “zeitgeist ambiental” buscar a cobertura energética apenas através das termelétricas a gás natural, biomassa e recuperação de resíduos? O ministro poderia justificar que a termoeletricidade a carvão é mais barata. Mas, qual o preço de “carbonizar” a matriz energética do país? Tudo indica que, para Albuquerque, esse não seja um dilema relevante. O RR enviou à assessoria do ministro uma série de questões.

Recebeu como resposta que as perguntas somente seriam atendidas na sexta-feira e mesmo assim com a ressalva de que “poderiam tentar”. O BNDES foi bem mais rápido. Informou que “não financia usinas térmicas a carvão e a óleo combustível e não há procedimentos em curso para que isso mude”. Vale lembrar que, em 2019, o assunto esteve em voga nas Minas e Energia. Na ocasião, o secretário de Planejamento da Pasta, Reive Barros, disse publicamente que o Ministério apresentaria um “programa específico de viabilização de termelétricas a carvão no Rio Grande do Sul e Santa Catarina”.

Citou ainda que a ideia era o Ministério de Minas e Energia conversar com o Ministério da Economia para que o BNDES voltasse a financiar essas usinas. O tema submergiu. A queda do nível dos reservatórios parece tê-lo deixado à mostra novamente. O RR considera, contudo, que o almirante Bento Albuquerque é uma autoridade responsável e respeitosa em relação ao meio ambiente. De qualquer maneira, é uma coincidência dos infernos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.05.21

Linha do Equador

No BNDES, a Equatorial Energia é a grande aposta para o leilão de privatização da Companhia de Eletricidade do Amapá.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.04.21

Dor de cotovelo

O BNDES talvez tenha errado o timing. Cerca de um mês após o banco zerar sua participação na Vale, as ações da mineradora subiram quase 8%. A valores de hoje, o BNDES teria amealhado R$ 1,8 bilhão a mais na operação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.