Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
01.08.17
ED. 5673

Dito e (quase) feito

A iminente saída da BHP do Brasil já havia sido garimpada pelo RR, que antecipou a informação na edição de 14 de dezembro de 2015. Àquela altura, a newsletter tratou das negociações entabuladas para a venda da participação da
Samarco e mapeou o passo a passo do desmanche do grupo anglo-australiano no Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.07.16
ED. 5403

Promessa

 A BHP Billiton estuda entrar em óleo e gás no Brasil. As intenções já duram mais de uma década e têm desacreditado as pretensões do grupo. Mas a BHP agora fez chegar à ANP que tudo será diferente. • A seguinte empresa não se pronunciou: BHP Billiton.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.02.16
ED. 5308

Bye, bye, Brazil

  A Glencore está fazendo as malas para deixar o Brasil. A intenção é ver o quanto rendem seus ativos e passá-los à frente. É mais uma que pretende partir do país: já estão na frente da fila a BHP Billiton e a Anglo American .

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.12.15
ED. 5268

BHP Billiton fixa o olhar na porta de saída

  A BHP Billiton estaria analisando sua saída do Brasil. Por enquanto, é uma tese quase cochichada por sócios e altos executivos. Ela envolve mais do que uma decisão estratégica de mercado. A explosiva proposta pode criar a imagem de uma empresa covarde, fujona das suas responsabilidades sociais. O desastre de Mariana, com o rompimento da barreira da Samarco, deixou o comando da empresa anglo-australiano inseguro não somente em relação ao montante do dano ambiental, mas, em particular, quanto às dificuldades políticas que pode enfrentar no país. Ao contrário da Vale, que é nativa, nem sequer pensa em vender sua participação na mineradora e carrega consigo um histórico de “princesa” na área corporativa, a BHP fincou raízes raquíticas nestas plagas. Não é uma decisão simples, nem se pode dizer que é a mais provável. A venda dos seus 50% de participação na Samarco se daria em um momento de dupla depreciação: custo ambiental indefinido e baixa cotação do minério de ferro. A pesar em contrário, o fato de que o real desvalorizado estimularia uma maior disputa pelo ativo. Consultada, a Samarco não retornou até o fechamento da edição.  De qualquer forma, pular fora da mineradora não seria uma decisão puramente econômico-financeira. A despeito do megaproblema ambiental, a BHP tem deslizado aos poucos para fora do Brasil. Ainda em março deste ano, através de uma cisão, repassou todos os seus negócios de alumínio no país para a South 32, empresa que assumiu as operações eclipsadas da BHP. A empresa se desfez de participações de 15% na Mineração Rio do Norte, de 36% na planta de alumínio e de 46% na fábrica de alumina, ambas da Alumar. No mercado internacional, especula-se que a South 32 já estaria buscando comprador para estes ativos. A decisão da BHP, antes de Mariana, era manter a Samarco entre as suas joias da coroa, conforme os seus diversos reports. A extração de ferro foi retirada na primeira hora da lista de mineradoras e metalúrgicas que iriam integrar o portfólio da South 32, não obstante os comunicados da empresa insistirem na disposição de reduzir a diversificação. A tragédia teria sido o divisor de água.  Não é de hoje, contudo, que a BHP está se distanciando do Brasil. As equipes da área de petróleo, que vinham numerosas e constantemente ao país, foram rareando depois da mudança na lei das concessões. Os geólogos que davam plantão no país e os técnicos itinerantes também foram bastante reduzidos. No passado, a Vale demonstrou interesse na aquisição da Samarco. Hoje, provavelmente a resposta estaria na ponta da língua. Mas são outros tempos para todos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.11.15
ED. 5253

Fim de linha?

  A deficitária Alumar caminha rumo ao seu inevitável destino. Nove meses após desativar toda a fundição, o trio Rio Tinto, BHP e Alcoa não consegue enxergar outra saída se não partir para a solução final: fechar a refinaria de alumínio e encerrar definitivamente as atividades da empresa. São 1,5 mil trabalhadores com a cabeça a prêmio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.