Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
08.01.18
ED. 5781

Plantão médico

O Hipolabor está gramando em busca de um comprador. Além do Aché e da Eurofarma (ver RR de 2 de janeiro), o laboratório também foi oferecido à Pfizer. É pouco provável, no entanto, que o gigante farmacêutico norte-americano se aventure em uma nova aquisição no Brasil no curto prazo. A companhia ainda está fechando as feridas da traumática passagem pelo laboratório goiano Teuto. A Pfizer comprou 60% da empresa e tinha a opção de adquirir os 40% restantes. Não só desistiu do negócio como revendeu sua participação para os próprios sócios, a família Melo, com quem vivia às turras.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.01.18
ED. 5777

Drágeas e frascos

Aché e Eurofarma estariam na disputa pela compra do Hipolabor, laboratório farmacêutico com receita anual em torno de R$ 600 milhões. A companhia é protagonista de uma série de denúncias. Nos últimos anos, foi investigada por sonegação fiscal, adulteração de medicamentos e fraudes em licitações. Procurada, a Hipolabor não se pronunciou sobre as negociações, mas ressaltou que seus executivos foram absolvidos de todas as acusações.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

A miríade de empresários – tais como as empreiteiras Potenza e Moalize Construções, novas queridinhas do prefeito, o laboratório Eurofarma e a fabricante de pistolas Glock – que doou recursos à Prefeitura a pedido de João Doria está amedrontada. Todos temem que essa filantropia à lá sanduíche baurulhes custe problemas desagradáveis de imagem no futuro breve. Basta associar um dinheirinho lá com um dinheirinho cá – no caso, a grana da Prefeitura com a da sacola do Lide. No ano eleitoral, caso Doria saia candidato à Presidência, nem se fala. A simples vinculação do nome dos empresários filantropos ao de Doria terá um custo assustador. Vão ter que convencer que financiaram as obras do gabinete e outros gastos de Doria na prefeitura, seus convescotes no Lide, mas ficaram ilibados na campanha. O pior é que já não dependerá mais de investigação. É só o galo cantar em qualquer canto para que os virtuais financiamentos de campanha dessa turma virem verdade verdadeiríssima, de tão benne trovato que são.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.06.17
ED. 5649

Benefício do governo à indústria farmacêutica vira um placebo

Procura-se um remédio para as dores que o governo tem causado na indústria farmacêutica nacional, notadamente as empresas enquadradas nas Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDP), criadas ainda no primeiro mandato de Dilma Rousseff. Na maioria dos casos, a sintomatologia é a mesma: demora na análise dos projetos e atraso na liberação dos recursos, seja pelo cobertor curto do orçamento federal, seja pela burocracia. Os dois maiores símbolos da anemia no programa mantido pelo governo são a Orygen e a Bionovis, os dois superlaboratórios nacionais que surgiram das pipetas e tubos de ensaio do BNDES na época dos cavalos vencedores.

Segundo o RR apurou, a Orygen estaria tentando aprovar há mais de um ano PDPs sob análise no Ministério da Saúde. A situação é kafkiana: sem o carimbo de Brasília, a empresa não consegue liberar recursos de mais de R$ 100 milhões já aprovados pelo próprio BNDES. No ano passado, também por conta da letargia do governo federal, a companhia se viu obrigada a redimensionar sua fábrica em Itapevi (SP), reduzida em aproximadamente 30% em relação ao projeto original.

Menos mal que os acionistas do Orygen – Biolab e Eurofarma – cobriram do próprio bolso o investimento para a construção da unidade de medicamentos biossimilares. O Bionovis também teria projetos encalhados no âmbito do PDP. Assim como no caso da Orygen, coube aos sócios da companhia bancar a instalação da fábrica de Valinhos (SP). Procuradas pelo RR, os dois laboratórios não quiseram comentar o assunto.

Os atrasos nas PDPs têm forte impacto sobre a velocidade da inovação na indústria farmacêutica nacional. As parcerias envolvem, sobretudo, transferência de tecnologia de produtores e detentores de patentes estrangeiros, a produção de matérias-primas e sínteses químicas e a fabricação de biossimilares, praticamente uma cópia de medicamentos cujas licenças expiraram. São remédios sofisticados, na maioria dos casos importados.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.