Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
21.07.17
ED. 5666

Estaleiro à deriva

O governador José Ivo Sartori entrou no circuito na tentativa de convencer a Petrobras a retomar a encomenda de três cascos para plataformas junto à Ecovix, braço de construção naval da Engevix – o pedido foi suspenso no fim do ano passado, segundo a própria estatal confirmou ao RR. Sartori usa como argumento a salvação dos dois mil funcionários que ainda sobrevivem no estaleiro gaúcho. As chances de êxito, no entanto, são diminutas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.04.17
ED. 5607

Mar de sargaço

A Petrobras teria desistido da construção da plataforma P-71, a cargo da Ecovix. Será um duro golpe para o estaleiro gaúcho, em recuperação judicial, e seus mais de dois mil funcionários.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.02.17
ED. 5567

Ecovix lança sua âncora ao mar

A Ecovix vai apresentar seu plano de recuperação judicial até a primeira semana de março. A principal proposta será a venda de parte do capital do estaleiro, controlado pela Engevix. Tudo dependerá da Petrobras e da retomada ou não da encomenda de dois cascos para navios-plataformas, um contrato da ordem de US$ 800 milhões. No ano passado, a estatal suspendeu o pedido devido às graves condições financeiras da Ecovix – ver RR edição de 27 de dezembro. Com R$ 8 bilhões em dívidas, o estaleiro da Engevix já demitiu mais de três mil metalúrgicos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.12.16
ED. 5525

Ecovix aguarda por uma boia de salvação da Petrobras

O futuro de quase 10% dos empregos no setor de construção naval dependerá, em grande parte, da boa vontade da Petrobras. Caberá à estatal o papel de árbitro da sobrevivência ou não da Ecovix, que teve seu pedido de recuperação judicial aprovado pela 2a Vara Federal de Rio Grande na semana passada. O estaleiro tenta convencer a Petrobras a retomar o pedido de três cascos para navios-plataforma, suspenso recentemente. Neste caldeirão entra também a pressão do ambiente psicossocial. Segundo o RR apurou, os metalúrgicos de Rio Grande, sede do estaleiro, preparam uma série de manifestações na tentativa de sensibilizar a Petrobras.

Se a investida der certo, a Ecovix ganha um sopro de vida e um contrato da ordem de US$ 800 milhões, uma garantia de fluxo de caixa pelo menos para os próximos dois anos – prazo estimado para a entrega das estruturas. No entanto, se a Petrobras fizer jogo duro, provavelmente o estaleiro gaúcho afundará de vez, levando consigo mais de 3,5 mil trabalhadores. Haja metalúrgico nas ruas para convencer a Petrobras a retroceder de sua decisão. Os três benditos cascos fazem parte de uma encomenda originalmente de oito unidades, feita em 2010.

Destas, apenas três foram efetivamente entregues. Por decisão da Petrobras, a construção das duas restantes foi transferida para estaleiros da China quando a crise financeira da empresa gaúcha se acentuou. Procurada, a estatal alega que, no passado recente, manteve várias negociações com a Ecovix com o objetivo de concluir o contrato. “Contudo, devido à grave situação financeira enfrentada pela empresa e a situação deficitária dos contratos”, as tratativas resultaram em um “distrato amigável”. Para não dizer que o peso sobre o destino da Ecovix recai apenas sobre a Petrobras, há ainda o Banco do Brasil e a Caixa Econômica, coadjuvantes de luxo deste folhetim naval.

Os dois bancos são considerados o fiel da balança para a renegociação das dívidas bancárias do estaleiro. Ambos concentram cerca de R$ 700 milhões, metade do passivo financeiro da companhia. Se BB e Caixa concordarem com uma expressiva renegociação deste valor, no âmbito da recuperação judicial, o entendimento é que as demais instituições financeiras seguirão o mesmo caminho. Mas até lá a Ecovix precisa continuar com as escotilhas acima do nível do mar.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.01.16
ED. 5282

Ecovix a um passo da recuperação judicial

 A decisão da Mitsubishi Heavy Industries de deixar o capital da Ecovix, anunciada na última segunda-feira, vai precipitar a “solução final”. A subsidiária da Engevix, dona do estaleiro Rio Grande (ERG), deverá formalizar em breve seu pedido de recuperação judicial. Na visão dos acionistas da empresa, trata-se da última linha, a derradeira tentativa de equacionar as dívidas do ERG, atrair um novo sócio e garantir a retomada das operações no complexo naval gaúcho, que emprega cerca de seis mil trabalhadores. Caso se confirme, a recuperação judicial será uma abrupta guinada em relação à nova etapa de reestruturação do estaleiro, iniciada há menos de dois meses com a contratação do Banco Brasil Plural . Sem os japoneses, tudo muda de figura. O trabalho da instituição financeira estava diretamente interligado ao aumento da participação da Mitsubishi no negócio. Procurada, a Ecovix negou que vá entrar com pedido de recuperação judicial.  Dono de 30% da Ecovix, o consórcio de cinco estaleiros japoneses encabeçado pela Mitsubishi vinha negociando o aumento da sua participação desde o ano passado. No entanto, conforme o RR antecipou na edição de 6 de novembro, os asiáticos foram aconselhados por seus advogados no Brasil a não ampliar sua fatia societária por conta do risco de assumir o passivo da Ecovix. A dívida conhecida gira em torno de R$ 100 milhões, mas o valor não inclui os débitos trabalhistas, uma caixa-preta que a Mitsubishi e seus parceiros não quiseram abrir.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.11.15
ED. 5242

Só Miguel Rossetto para salvar os empregos do ERG

 Os empregados da Usiminas criaram jurisprudência. O Sindicato dos Metalúrgicos do Rio Grande do Sul também se mobiliza para reivindicar ao ministro do Trabalho, Miguel Rossetto, a intervenção do governo federal na grave crise do Estaleiro Rio Grande (ERG). O objetivo é estancar a sangria de demissões em curso desde o início do ano e salvar o pescoço dos mais de seis mil trabalhadores da empresa, controlada pela Ecovix – leia-se Engevix. Uma a uma, todas as tentativas de garantir a sobrevivência da empresa e dos postos de trabalho estão fazendo água. No momento, mais uma dessas “soluções” caminha sobre a corda bamba, com poucas chances de se equilibrar lá no alto. As negociações em torno do arrendamento do estaleiro para um consórcio de companhias japonesas liderado pela Mitsubishi Heavy Industries recuaram algumas casas. A operação depende de um complexo acordo entre os asiáticos e os credores da empresa em relação ao passivo do ERG. Do ponto de vista jurídico, as dívidas da companhia se encontram numa zona cinzenta em que ninguém quer pisar. Os bancos, entre eles o China Construction Bank, se opõem ao arrendamento do estaleiro por entender que ele mais dificulta do que facilita o recebimento dos cré- ditos. O temor é que a encalacrada Engevix se aproveite deliberadamente da operação para se esquivar da responsabilidade legal pelas dívidas da empresa, empurrando o caso para uma conveniente – e interminável – batalha jurídica. Os credores do ERG sabem bem com quem estão lidando.  A Mitsubishi também está com os dois pés atrás em relação ao arrendamento do estaleiro. Os japoneses sabem que os credores do ERG esperam apenas a assinatura do contrato para saltar na sua jugular. Segundo o RR apurou, dois renomados escritórios de advocacia contratados pela Mitsubishi desaconselharam o fechamento do negócio. De acordo com o parecer dos advogados, ainda que a operação não contemple a transferência efetiva do controle acionário e, sim, o arrendamento das instala- ções, são grandes as probabilidades de que o pool de investidores japoneses – formado ainda pelos estaleiros Imabari, Namura e Oshima Shipbuilding – seja obrigado pela Justiça a assumir os passivos do ERG. A herança em questão é uma dívida de quase R$ 100 milhões, número que não leva em consideração o passivo trabalhista, por ora uma caixa preta. No caso específico da Mitsubishi, a ameaça é ainda maior pelo fato de o grupo ter uma participação direta de 30% na Ecovix, – os 70% restantes pertencem à Engevix.  Enquanto isso, os empregados do ERG seguem entre o rochedo e o mar. Desde abril, o estaleiro teria demitido mais de 800 funcionários. Boa parte destes trabalhadores ainda não teria recebido integralmente as verbas rescisórias. O desfecho desta história é previsível: no fim das contas são eles, e mais ninguém, que ficarão boiando em alto-mar.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

No momento em que a China Offshore Oil Engineering Corporation (COOEC) negocia um aporte no Estaleiro Rio Grande, a Mitsubishi Heavy Industries prepara-se para desembarcar do negócio. O grupo nipônico vai vender sua participação de 30% na Ecovix, controladora do estaleiro. Parte das ações poderá ser vendida para a própria COOEC.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.