Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
05.07.17
ED. 5654

Passaporte chinês

A BRF busca um sócio asiático para aumentar as calorias da sua operação local. A Cofco, da China, é forte candidato a dividir este prato. Ressalte-se que a BRF tem um pedacinho de uma subsidiária do grupo asiático, a Cofco Meat.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.03.17
ED. 5583

Bilhete de ida

Executivos da chinesa Cofco Agri confirmaram ao ministro Moreira Franco o interesse em participar da licitação da “Ferrogrão”. Orçada em R$ 10 bilhões, a ferrovia ligará o Centro-Oeste ao porto de Mirituba (PA). A Cofco, não custa lembrar, já está investindo cerca de R$ 1,5 bilhão em logística no Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.12.16
ED. 5526

BRF no mundo 2

A propósito: a BRF vai replicar o modelo “subsidiária e sócio local” na China. Ressalte-se que a companhia já tem uma ligação com a Cofco, gigante do agronegócio. Recentemente, comprou uma participação minoritária na Cofco Meat, operação de suínos do grupo chinês.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.12.16
ED. 5520

Os esqueletos da Nidera

A compra da Nidera, uma das maiores empresas de agribusiness do mundo, só tem trazido dor de cabeça para a chinesa Cofco. Os asiáticos contrataram uma auditoria externa para fazer uma devassa na operação brasileira e descobrir a causa do rombo contábil de US$ 150 milhões revelado na semana passada. Além disso, no ano passado, quando ainda pertencia a investidores holandeses, a Nidera contabilizou uma perda de US$ 200 milhões por irregularidades em contratos para a venda de biocombustíveis.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

A China Railway Construction Company e a conterrânea Cofco, uma das maiores tradings agrícolas do mundo, ensaiam uma dobradinha quase imbatível para a licitação da Ferrogrão, uma das concessões incluídas no PPI. O projeto está orçado em aproximadamente R$ 13 bilhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.11.16
ED. 5504

Salto no etanol

A chinesa Cofco Agri , gigante mundial do agronegócio, está semeando um grande projeto para a expansão da sua operação sucroalcooleira no Brasil. A meta é duplicar sua capacidade de moagem no país em até cinco anos, chegando a 30 milhões de toneladas de cana por safra. Nos planos, aquisições e a expansão das quatro usinas que herdou em São Paulo com a compra da Noble Agri.

• As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Cofco Agri.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.11.16
ED. 5490

Negócio da China

• Ao pagar US$ 20 milhões por 2% da Cofco Meat, Abilio Diniz está convicto de que a BRF assegurou o passaporte para a aquisição de frigoríficos no fechado mercado chinês.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Executivos da chinesa Cofco Agri procuraram o secretário de PPI, Moreira Franco, e o ministro dos Transportes, Mauricio Quintella, para manifestar o interesse do grupo em disputar a licitação da “Ferrogrão”. A companhia não virá sozinha. A Cofco terá o apoio do China Development Bank, a maior agência de fomento do país asiático. O comboio deverá incluir ainda a China Railway Construction Corporation (CRCC), que seria o operador da ferrovia. Orçada em mais de R$ 12 bilhões, a “Ferrogrão” será uma espécie de aorta no sistema circulatório da produção nacional de grãos. Com 933 quilômetros de extensão entre as cidades de Sinop (MT) a Miritituba (PA), a nova linha férrea será a maior e mais importante artéria de escoamento de soja e congêneres do Centro-Oeste.  A julgar pelo número e pelo porte dos pretendentes, a “Ferrogrão” tem tudo para ser a locomotiva da primeira leva de concessões do governo Temer. Bunge , ADM e Cargill são tratados em Brasília como nomes certos na licitação. A Amaggi, controlada pela família do ministro Blairo Maggi, também estuda sua participação no leilão. Assim como todos estes grupos, o interesse da Cofco pelo empreendimento caminha pari passu às suas operações na área de grãos no Brasil. Nos próximos dois anos, os chineses deverão investir mais de US$ 1,2 bilhão no país na produção de soja e derivados. O Brasil, aliás, foi escolhido para ser o centro das operações globais da Cofco International, o braço agrícola do conglomerado chinês – ver RR edição de 29 de setembro. A seguintes empresa não retornaram ou não comentaram o assunto: Cofco Agri.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.09.16
ED. 5465

Cofco transforma o Brasil em epicentro da sua operação global

 O mercado brasileiro será o centro das operações da Cofco International, o braço agrícola do grupo chinês que arrematou os ativos da Noble Group e assumiu o controle integral da trading holandesa Nidera. Apesar de a Bovespa estar fora da lista de bolsas que o grupo estuda para abrir o capital da controlada, o Brasil deverá ser a sede mundial da Cofco International e beneficiário de 40% dos investimentos de US$ 3 bilhões previstos para serem feitos até 2017 no mundo. Segundo a fonte do RR, que conhece bem o plano, a maior parte dos recursos será direcionada à instalação de plantas industriais da Cofco. Nada de aquisições. Na ponta do lápis, sai mais barato importar os equipamentos da China do que comprar ativos prontos.  Será construída uma unidade de processamento de soja no Mato Grosso, a segunda no estado, o que aumentará em 60% a capacidade produtiva da companhia no país. Serão 30 milhões de toneladas de grãos por ano, um terço do que o grupo processa no mundo. A Cofco vai ainda ampliar de 15 milhões para 20 milhões de toneladas a moagem de cana de açúcar no mercado brasileiro com a instalação de sua quinta usina sucroalcooleira no estado de São Paulo.  Ainda neste ano, a operação brasileira passará a representar 15% da receita mundial de US$ 40 bilhões da Cofco International. Será um aumento de 40% no faturamento da filial. É o melhor resultado entre os 29 países onde a companhia asiática atua. Por essas e outras que os chineses escolheram Matt Jansen para ser o CEO da Cofco International. O executivo atuou aqui por sete anos e foi o principal defensor da ideia de que o Brasil se tornasse quartel general do grupo chinês. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Cofco.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.07.16
ED. 5419

Chineses espalham seus grãos pelo Brasil

 Mais um grande grupo do agribusiness chinês está desembarcando no Brasil. O nome da vez é a Shunxin Agriculture. Os asiáticos estão negociando a compra de terras no Mato Grosso, mais precisamente na região de Rondonópolis. Estima-se que as operações em curso girem em torno dos US$ 200 milhões. A prioridade é a produção e exportação de grãos, notadamente soja, para o mercado asiático. Segundo o RR apurou, os planos da Shunxin para o Brasil preveem ainda a construção de centros de armazenamento e investimentos na área de logística, leia-se concessões rodoviárias e ferroviárias.  A Shunxin Agriculture é um braço do Beijing Shunxin Holding Group, um sortido conglomerado empresarial com negócios nas áreas de real estate, energia renovável, saneamento e bebidas alcóolicas e faturamento superior a US$ 10 bilhões. A Shunxin Agriculture movimenta por ano cerca de US$ 2 bilhões em commodities agrícolas. Uma das pretensões da companhia é formar parcerias com outros grupos chineses do setor que operam no Brasil, casos notadamente da Cofco e da Hunan Dakang. Esta última comprou, em abril, uma participação de 57% da trading e processadora de grãos Fiagril, sediada no Mato Grosso. Já a Cofco herdou as operações da Noble Grain e da trading holandesa Nidera no país.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.05.16
ED. 5364

Cofco quer ressuscitar os canaviais do Rio

 A chinesa Cofco parece disposta a ressuscitar um Lázaro da indústria sucroalcooleira no Brasil. O grupo estaria negociando a compra das três usinas de açúcar e álcool da família Bezerra de Mello, leia-se Grupo Othon em Campos, no Norte do Rio de Janeiro. Trata-se de uma investida de elevado risco. As unidades são obsoletas, deficitárias e ainda carregam um elevado passivo, notadamente de ordem trabalhista. Os planos da Cofco vão além das usinas dos Bezerra de Mello. Os chineses estariam dispostos a revitalizar a indústria sucroalcooleira da região, um dos maiores polos produtores de açúcar e álcool do país nos anos 80. Além da aposta de risco, outro fato chama a atenção na investida dos asiáticos. A Cofco já tem uma experiência não muito positiva em etanol no Brasil. É sócia da Noble Agri, uma destilaria de prejuízos. Procurada pelo RR, o Othoin não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.12.15
ED. 5269

Credit Suisse prepara o terreno para chineses

  O Credit Suisse, um dos principais credores da Imcopa, vestiu o figurino de adviser e saiu em busca de um comprador para a cooperativa agrícola. Entre os candidatos, está a chinesa Cofco, uma das maiores tradings de grãos da Ásia. A Imcopa, no entanto, é uma lavoura cercada de riscos. A companhia paranaense carrega uma dívida de R$ 1 bilhão. Além disso, está no meio de um rumoroso litígio. Seus credores tentam provar na Justiça que a cervejaria Petrópolis comprou, na calada da noite, uma participação na cooperativa e, por esta razão, é responsável por uma parcela do passivo – ver RR edição de 8 de outubro. O Credit Suisse não retornou nem comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.