fbpx
20.02.19

Ministério da Economia transforma Serpro no “grande irmão” da nação

Sob a égide de Paulo Guedes, o ex-diretor do Instituto Millenium Paulo Uebel caminha para se tornar o comandante-em-chefe de um dos órgãos mais poderosos do aparelho de Estado, seja pelo seu espectro de atuação, seja pelo seu efeito multiplicador sobre a economia. Caberá à Secretaria Geral de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, capitaneada por Uebel, criar as condições para um incremento potencial do PIB da ordem de R$ 370 bilhões por ano, segundo estudos da própria área de Planejamento. O aguardado salto virá da implantação do projeto “Governo Digital”, leia-se a integração em uma única plataforma dos dados e processos da máquina pública federal, do sistema de acesso à informação de ministérios, estatais e autarquias, além de todos os serviços prestados à população.

O Serpro, estatal responsável pelo processamento de dados do governo federal, será uma peça central nessa engrenagem. Sob a área de influência da nova Secretaria, a empresa se tornará uma espécie de “grande irmão” nacional. Uma parcela expressiva do
Brasil está dentro da estatal. Criado no governo militar, em 1964, o Serpro congrega toda a base de CPFs, CNPJs, Carteira Nacional de Habilitação, Renavan, dados da Receita Federal, Programa de Recuperação Fiscal (Refis), entre outros. Ressaltese ainda que a estatal foi responsável pelo desenvolvimento da inteligência central embarcada no novo Documento Nacional de Identificação (DNI).

A partir do Serpro, a Secretaria de Governo Digital conseguirá visualizar no seu radar o ir e vir dos cidadãos brasileiros. Nada mais sintomático, por sinal, que o próprio Paulo Uebel tenha sido o responsável pela indicação presidente da empresa, Caio Mario Paes de Andrade. O “Governo Digital” é um projeto com o objetivo de arrumar a máquina pública tanto para dentro quanto para fora. Herdado do governo Temer, o documento “Estratégia de Governança Digital (EAD)” enfeixa 106 microprojetos de transformação de serviços em 35 órgãos do governo federal. Entre as missões estão a contratação de infraestrutura de processamento em nuvem; a utilização de recursos de inteligência artificial e robôs (Chatbots) para integração de todas as centrais de atendimento da esfera federal; e a criação de um canal de notificações ao cidadão por meio notadamente de SMS e WhatsApp.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.