08.08.16
ED. 5428

Cyrela chega como senhorio na casa da Tecnisa

 Nem tudo é o que parece ser na associação entre Cyrela e Tecnisa, fechada há pouco mais de um mês. Por trás do ingresso da primeira no capital desta última descortina-se uma operação na fronteira do take over. Para todos os efeitos, o fundador da Tecnisa, Meyer Joseph Nigri, permanecerá como o maior acionista individual, com 49%. Na prática, porém, foi como se tivesse entregado as chaves de casa ao concorrente. De acordo com uma fonte familiarizada com as negociações, Elie Horn, dono da Cyrela, terá carta branca na administração da empresa, sobrepondo-se ao próprio Nigri. Segundo o RR apurou, Horn teria exigido plenos poderes para conduzir a reestruturação da Tecnisa em troca dos R$ 100 milhões que está injetando emergencialmente na companhia. O aporte é fundamental para reforçar as pilastras da incorporadora, duramente afetadas pelos mais de cinco mil imóveis devolvidos nos últimos três anos sem a quitação dos contratos. Horn já apresentou seu cartão de visitas. Entre outras medidas, teria determinado uma drástica redução no banco de terrenos da Tecnisa, da ordem de R$ 6,5 bilhões, e a venda de projetos imobiliários em São Paulo.  O destino foi caprichosamente cruel com Meyer Nigri. Em 2007, ele rechaçou uma proposta de fusão com a própria Cyrela. À época, não aceitou trocar o figurino de controlador da Tecnisa pelo de minoritário em uma nova empresa, ainda que a empresa em questão já nascesse como uma das três maiores incorporadoras imobiliárias do país. Quase uma década depois, os caminhos das duas companhias voltaram a se cruzar e, desta vez, Nigri não teve escolha se não abrir a porta da frente e deixar o concorrente entrar, tornando-se um inquilino dentro de sua própria casa. Ao ceder os anéis, entregou também o controle majoritário da Tecnisa – antes do aporte de capital da Cyrela, sua participação era de 62%. Elie Horn, por sua vez, passará a deter 19% da incorporadora. E, ao que tudo indica, só não terá mais para não romper a barreira dos 20% e disparar a pílula de veneno prevista no estatuto da Tecnisa, o que o obrigaria a fazer uma oferta pública pelo restante das ações. Algo desnecessário, ao menos neste momento. Menos de um quinto do capital ordinário já foi o suficiente para alçar o empresário ao andar mais alto da companhia, se não de direito, ao menos de fato. Ainda assim, pessoas próximas a Horn dizem que ele só se sentirá realmente no topo com a reestruturação da Tecnisa e sua posterior incorporação pela própria Cyrela. Mas essa já é uma outra construção. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Tecnisa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.