Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
03.10.17
ED. 5717

Espanhóis deixam vários fios soltos

Depois da Abengoa, é a vez da conterrânea Isolux cair em desgraça na Aneel. Além da ameaça de suspender a empresa de novas licitações por até dois anos, a agência estuda retomar concessões dos espanhóis no país. Na mira, as licenças para a construção de uma rede de 436 quilômetros interligada à usina de Belo Monte e um linhão de mais de 300 quilômetros em Rondônia. Os dois projetos estão atrasados. A Isolux tenta uma solução meio-termo: obter a autorização para transferir o controle das concessões, o que lhe permitiria colocar algum dinheiro no bolso. Por ora, a ideia tem encontrado pouca ou nenhuma simpatia da parte do órgão regulador.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.08.17
ED. 5674

Desmanche

E lá se vai a armada espanhola… Além da Abengoa, a Isolux também busca um comprador para todas as suas linhas de transmissão no Brasil. As dívidas falaram mais alto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.02.17
ED. 5565

Isolux solta faíscas contra a Aneel

O curto-circuito entre a Isolux e o governo federal está apenas começando. Os espanhóis vão entrar na Justiça contra a decisão da Aneel, que cassou duas concessões do grupo na área de transmissão. A agência bateu o martelo porque a Isolux não depositou as garantias necessárias para ficar com as licenças. Por estar em recuperação judicial, o grupo entende que dispõe de um prazo maior para acertar o pagamento dos R$ 121 milhões. Os espanhóis terão de correr: a Aneel promete relicitar as licenças em abril. Procurada, a agência informou que tomará as medidas judiciais cabíveis assim que for comunicada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.08.16
ED. 5431

Rodoanel é uma estrada sem fim para Isolux e Mendes Junior

 A tolerância do governo de São Paulo com a espanhola Isolux e a Mendes Junior chegou ao fim. Segundo o RR apurou, o Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S/A) já está tomando as providências jurídicas necessárias para o rompimento do contrato com as duas empresas, líderes do consórcio responsável pela construção do trecho norte do Rodoanel. Pelo cronograma original, a obra deveria ter sido inaugurada em fevereiro deste ano, mas, até o momento, apenas 54% do projeto estão concluídos. No início do ano, pressionada pelo governo de São Paulo, Isolux e Mendes Junior teriam se comprometido a acelerar as obras e até mesmo buscar parceiros para tocar o empreendimento. Mas não fizeram nem uma coisa nem outra, praticamente enterrando qualquer possibilidade de nova negociação com o governo.  Por se tratar de um dos maiores projetos de infraestrutura no estado, os atrasos na construção do Rodoanel têm gerado um razoável desgaste para o governo de Geraldo Alckmin. Talvez seja por isso que as próprias autoridades estaduais estejam confusas quanto à melhor maneira de tratar o caso publicamente. Procurada pelo RR, a assessoria do governador Alckmin negou os atrasos e o rompimento do contrato com as duas empresas. No entanto, a própria Dersa, um órgão estatal, informou ao RR que discute com a Isolux e a Mendes Junior “divergências relativas às obras do lote 1 do Rodoanel Norte”. A empresa confirmou que “o contrato poderá ser, inclusive, rescindido”.  O contencioso com o governo de São Paulo fragiliza ainda mais a situação tanto da Isolux quanto da Mendes Junior. A empreiteira brasileira foi tragada pela Lava Jato e entrou em recuperação judicial. Ainda que por outros motivos, a Isolux não vive melhor sorte. A grave crise financeira que afeta o grupo na Espanha se espraiou pela operação brasileira. A subsidiária, que entrou em recuperação extrajudicial no início do ano, está se desfazendo de seus ativos na área de transmissão. Os espanhóis esperam anunciar nas próximas semanas a venda de suas participações no setor para a Brookfield, incluindo seu maior projeto: o linhão de Tucuruí ligando Manaus a Macapá. • As seguintes empresas não se pronunciaram ou não comentaram o assunto: Isolux e Mendes Junior.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.07.16
ED. 5414

Crise da Isolux

 Em delicada situação financeira na Espanha, a Isolux deverá se desfazer de ativos no Brasil. O primeiro da lista seria a concessão da linha de transmissão de Taubaté (SP). • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto:  Isolux.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.