Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
05.07.17
ED. 5654

Já passou?

A Camargo Correa jura que a temporada de desmobilização de ativos já passou. Mas, se receber uma oferta pela CCDI, seu braço imobiliário, é capaz de reabri-la rapidinho.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Camargo Corrêa e Queiroz Galvão tentam empurrar o moribundo Estaleiro Atlântico Sul (EAS) e suas dívidas de mais de R$ 2,5 bilhões para a Hyundai. Vale lembrar que a empresa já teve um sócio sul-coreano, a Samsung, que deixou o negócio em 2012, quando o navio começou a adernar.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.06.17
ED. 5647

BNDES paz e amor

O novo presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, tem se mostrado disposto a renegociar a dívida do Estaleiro Atlântico Sul com o banco, de mais de R$ 1,3 bilhão. Camargo Corrêa e Queiroz Galvão agradecem. O acordo funcionaria como uma “carta-finança” que as duas empreiteiras usariam para tentar vender o estaleiro. Consultado, o banco diz que só “se manifesta nos casos em que eventuais renegociações tenham sido de fato concluídas”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.06.17
ED. 5642

CCR pega um metrô em São Paulo

Enquanto o trem do PPI não parte – se é que partirá –, os “maquinistas” da CCR estão debruçados sobre os editais de privatização da linha 5 do Metrô de São Paulo e da chamada Linha 17, o monotrilho de 7,7 quilômetros que ligará Congonhas ao Morumbi. Os leilões serão realizados no dia 4 de julho. A propósito: a CCR é hoje uma espécie de selo indireto de idoneidade de seus dois maiores acionistas, Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez, por ora alijados das licitações públicas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

saneamento-rr-5639
13.06.17
ED. 5639

China Gezhouba deságua no setor de saneamento

O setor de saneamento será a porta de entrada no Brasil de uma das maiores empreiteiras chinesas: a China Gezhouba Group Company (CGGC). Uma hidra com negócios em construção civil, energia e transporte e mais de US$ 30 bilhões em ativos, a CGGC está em conversações com a Prefeitura de Cuiabá para assumir a concessão de saneamento na capital mato-grossense. A operação, pertencente à CAB Ambiental, leia-se Galvão Engenharia, está sob intervenção do município desde o ano passado por descumprimento de contrato.

Nos últimos meses, cresceram as chances de a Prefeitura decretar a caducidade do contrato e realizar nova licitação. A CGGC está na primeira fila. Já teria se comprometido a assumir o plano de investimentos de R$ 1,5 bilhão. Procurada pelo RR, a Prefeitura informou que já exigiu da CAB a comprovação de capacidade técnica e operacional para gerir a concessão. Sobre a CGGC, não se pronunciou. Por ora, a profecia da invasão de empreiteiras chinesas no Brasil no rastro da Lava Jato não se consumou.

O desembarque tem se dado na base do conta-gotas, com interesses ainda razoavelmente restritos. É o caso da CGGC, que está abrindo um escritório em São Paulo e chega de olho em dois segmentos: energia e saneamento. Além de Cuiabá, está em negociações com o governo de São Paulo para assumir a PPP de São Lourenço. Constituída originalmente pela Camargo Corrêa e pela Andrade Gutierrez, a PPP é responsável pela construção do novo sistema para o abastecimento hídrico da capital paulista. Trata-se de um projeto de R$ 900 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.05.17
ED. 5619

Camargo Corrêa e CGU em rota de colisão

Na semana passada, a Camargo Corrêa teria encaminhado ao Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU) uma nova leva de documentos no âmbito das negociações para o acordo de leniência. Fim da novela? Não. Para o Ministério, a empreiteira ainda deve uma série de provas das irregularidades delatadas por seus executivos ao Ministério Público Federal. Com isso, cresce o risco de a CGU declarar a inidoneidade da Camargo Corrêa. Consultado, o Ministério disse que “não se manifesta sobre nomes de empresas e detalhes dos processos administrativos em andamento.”

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

camargocorrea-rr-5587
28.03.17
ED. 5587

Cimento da Camargo

A chinesa Huaxin, sexta maior fabricante de cimento do mundo, entrou na disputa pelos ativos da Camargo Corrêa no setor. Também estão no páreo a mexicana Cemex e a colombiana Argos. Procurada, a Camargo Corrêa afirma que “atualmente não está buscando novas alienações de ativos”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.02.17
ED. 5564

As três Marias

A Camargo Corrêa anda preocupada com o que vai dizer se houver realmente uma segunda chamada das delações. Todo cuidado é pouco para que nenhum acontecimento sequer respingue no “3R”, como são chamadas Regina, Renata e Rosana, acionistas controladoras imaculadas na Lava Jato.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.01.17
ED. 5531

Repeteco

Sai ano, entra ano e a Camargo Corrêa não para de vender ativos. O grupo tenta agora se livrar da CCDI, seu braço de incorporação imobiliária.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

2016-rr-30
30.12.16
ED. 5528

RR escreve certo em um ano de linhas tortas

No dia 4 de julho, o Relatório Reservado foi a primeira publicação a cravar que haveria uma segunda rodada de repatriação de recursos. Na ocasião, quando as estimativas mais otimistas giravam em torno dos R$ 30 bilhões, o RR informou também que Henrique Meirelles trabalhava com uma projeção acima de R$ 50 bilhões para o total arrecadado com a tributação dos recursos trazidos de volta ao país. Dito e feito! Estas foram apenas algumas das inúmeras informações que o assinante do RR soube na frente ao longo de 2016.

Durante o ano, em 247 edições, a newsletter publicou 2.584 notas e matérias. Desse total, 81% das notícias veiculadas se consumaram ou, ao menos, foram alvo de especulação na mídia. As informações que não se confirmaram posteriormente podem ser atribuídas, em grande parte, ao espírito agressivo da publicação e à busca da informação exclusiva na sua gênese, por vezes no limiar entre o fato e a boa especulação. O Relatório Reservado é adepto da máxima de Samuel Beckett: “Tente de novo, erre de novo, erre melhor”. Este foi o ano em que a política obscureceu a economia, o que se refletiu no noticiário do Relatório Reservado. Em 2016, a newsletter acompanhou amiúde o processo de impeachment de Dilma Rousseff, a chegada ao Poder de Michel Temer e de seu governo sub judice, as delações da Lava Jato que fizeram Brasília tremer.

Ainda nas raias da macroeconomia, o RR antecipou uma série de medidas que viriam a ser anunciadas ou, ao menos, estudadas pelo governo, como desonerações fiscais, securitização da dívida ativa, suspensão temporária do pagamento das dívidas das unidades federativas com os bancos públicos federais no âmbito de uma “Lei de Recuperação Judicial” para os estados – esta última tema de reportagem na edição de 5 de dezembro. Na edição de 2 de março, ainda no governo Dilma Rousseff, o RR informou que o Congresso aprovaria o projeto de lei do senador José Serra desobrigando a Petrobras de participar de todas as concessões no pré-sal. A estatal, aliás, foi a companhia mais mencionada na publicação em 2016, com 145 citações.

O RR publicou, com exclusividade, algumas das primeiras medidas adotadas por Pedro Parente na empresa, inclusive com a criação de novos instrumentos de compliance. No dia 16 de junho, a newsletter antecipou que GP Investimentos, Advent e a suíça Vitol haviam apresentado propostas para comprar uma participação minoritária na BR Distribuidora. Menos de uma semana depois, o próprio Parente confirmaria o recebimento das ofertas. Ficou o dito pelo não dito. O modelo de venda da BR foi revisto, o processo, reaberto e, até agora, nem sinal de que a operação vá sair do papel. Em 2016, apesar da abulia generalizada do empresariado, o RR seguiu de perto Jorge Paulo Lemann, Abilio Diniz, Benjamin Steinbruch, Roberto Setubal, entre outros nomes que comandam, do lado privado, a economia nacional. Cobriu no detalhe do detalhe a área de infraestrutura, as concessões e “desconcessões” do setor, o desmonte da indústria da construção pesada e a desmobilização de ativos da Camargo Corrêa.

Em um ano pautado por estratégias defensivas, suspensão de investimentos e seguidos passos para trás, é sintomático que algumas operações de M&A antecipadas pelo Relatório Reservado e posteriormente tratadas pela mídia tenham, ao menos por ora, ficado no quase, casos da venda da participação da OAS na Invepar para a Brookfield e da negociação dos ativos da japonesa Kirin no Brasil. A etapa que se encerra, no entanto, não foi feita apenas de recuos. Pelo menos não no caso do próprio Relatório Reservado. 2016 foi o ano em que o RR intensificou sua presença nas redes sociais, reformulou seu site e lançou um novo layout em sua versão newsletter, agora com duas páginas e mais informações diárias. Que venha 2017!

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

muralha-rr-16
16.12.16
ED. 5518

Muralhas da China

  • A State Grid vai disputar a compra de quatro distribuidoras de energia que serão leiloadas pela Eletrobras na Amazônia. A vontade de aquisição é grande. O plano dos chineses é reunir as concessionárias do Acre, Rondônia, Amazonas e Boa Vista (RR) em uma subholding. A fonte do RR informou que a State Grid prevê gastar em torno de R$ 5 bilhões para raspar o tacho amazônico.

 

  •  A CNOOC já definiu os parceiros para dar sustentação em suas novas incursões na compra de blocos de exploração e produção de petróleo: o Bank of America e o conterrâneo Industrial and Commercial Bank of China (ICBC). O foco será o pré-sal. A boa nova é que a CNOOC decidiu participar das próximas licitações com ou sem a Petrobras, com quem tinha um acordo de investimento.

 

  • A Camargo Corrêa está vendo escorrer entre os dedos o maior interessado na compra da construtora, a China Communications Construction Company (CCCC). O grupo chinês, que adquiriu recentemente a Concremat, teria deixado a mesa de negociações sem dar muitas explicações. Procurada pelo RR, a Camargo Corrêa evitou, de todas as formas, se pronunciar sobre o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.11.16
ED. 5491

Porteira fechada

 A State Grid pretende lançar em janeiro a oferta pública para comprar o restante das ações da CPFL em mercado. O valor deverá ser o mesmo pago à Camargo Corrêa e à Previ: R$ 25 por ação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 A Camargo Corrêa incluiu a Santista, uma das líderes no mercado têxtil da América Latina, na lista de ativos à venda. A companhia já sondou dois bancos, entre eles, o Itaú, para atuarem como advisers. A Santista, com fábricas no Brasil e Argentina, responde por 5% da receita do grupo, de R$ 30 bilhões. •••  Por falar em Camargo Corrêa, a companhia e a Queiroz Galvão deverão fazer um aporte de aproximadamente R$ 300 milhões no Estaleiro Atlântico Sul (EAS). A capitalização é fundamental para o estaleiro cumprir o acordo firmado com a Transpetro para a conclusão de oito petroleiros. O contrato deu ao EAS uma sobrevida de pelo menos dois anos. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Camargo Corrêa e EAS.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 A CCCC tem ido com muita sede ao pote do grupo Camargo Corrêa. Além da compra da construtora, os chineses demonstraram interesse em adquirir a participação de 17% da companhia na CCR, concessionária de rodovias. Mas, nesse caso, a CCCC terá de disputar com a gestora norte-americana Advent, que também procurou a Camargo Corrêa para negociar. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Camargo Corrêa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.09.16
ED. 5449

Triplo acerto

 Na edição de 8 de outubro de 2015, o RR noticiou a decisão da Camargo Corrêa de vender a Alpargatas, a construtora e a sua participação na CPFL . Bingo! Bingo! Bingo!

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

fundição-tupy-rr-5
05.09.16
ED. 5448

Previ espreita a porta de saída na Tupy

 Ou o mercado todo está operando ou, então, está sendo operado. Nos últimos dias, circula pelas mesas de operação a informação de que a Previ vai se desfazer da sua participação na Tupy. A voz corrente é que o fundo de pensão já estaria, inclusive, formatando uma oferta das ações em bolsa. A perspectiva do anúncio tem se refletido na alta do papel: em pouco mais de um mês, a ação da fundição Tupy subiu quase 20%. A Previ detém 26% da companhia. Tomando-se como base apenas o atual valor de mercado da empresa, portanto, sem qualquer ágio, a fatia do fundo de pensão gira em torno dos R$ 515 milhões.  A venda da participação na Fundição Tupy seria motivada pela necessidade da Previ de fazer caixa para amortizar seu déficit atuarial, na casa dos R$ 15 bilhões. Vai pelo mesmo caminho a decisão de aproveitar a venda da sua fatia de 29,5% na CPFL. O fundo de pensão deverá pegar carona na saída da Camargo Corrêa para também negociar o seu quinhão na distribuidora de energia para a State Grid. A área técnica da Previ já recomendou que a fundação aceite a oferta de R$ 25 por ação feita pelos chineses. • As seguintes empresas não se pronunciaram ou não comentaram o assunto: Previ.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

camargo-correa-02-rr
02.09.16
ED. 5447

O quinta coluna da construção pesada

 A saída de Vítor Hallack do comando da Camargo Corrêa não foi motivada somente pela passagem de bastão para a terceira geração do grupo. A presença do executivo tornou-se insustentável devido à sua rejeição unânime por todos os grandes players da construção pesada. Hallack é considerado um traidor da classe, um oportunista que se aproveitou da condição de a Camargo Corrêa ter inaugurado a temporada de delações premiadas para denegrir as demais construtoras no exterior.  Só a Camargo Corrêa tinha o benefício do perdão; a concorrência era morfética perante a Lei, o governo e o mercado. O fato é que a convivência com seus pares, a exemplo da Associação Brasileira da Indústria de Base-Infraestrutura (Abdib) e do Sindicato Nacional da Indústria da Construção Pesada (Sinicon), tornou-se inviável. Hallack, aos olhos dos demais comandantes do setor, era Judas Iscariotes. O cargo de CEO não é compatível com a transformação da parceria histórica do oligopólio das empreiteiras em uma praça de guerra. Estava planejado, sim, que Vitor Hallack deixaria a presidência da Camargo Correa por decisão da família controladora de trazer para o management a prole em ascensão. Mas a destruição da diplomacia empresarial da construtora no seu núcleo duro de articulações certamente precipitou o processo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.08.16
ED. 5439

CPFL

 A venda da CPFL não foi consenso entre os controladores da Camargo Corrêa. Carlos Pires e Luiz Roberto Nascimento tiveram posições divergentes sobre o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Após se desfazer das ações na CPFL, a Camargo Corrêa vai se dedicar a uma operação bem mais complexa: a venda da sua participação no Estaleiro Atlântico Sul . • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Camargo Corrêa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

10.05.16
ED. 5365

Casco rachado

 O rompimento entre a japonesa IHI e os acionistas controladores do Estaleiro Atlântico Sul (EAS) deverá chegar aos tribunais. O grupo nipônico questiona as demonstrações contábeis apresentadas por Camargo Corrêa e Queiroz Galvão. Procurada pelo RR, a Estaleiro Atlântico Sul não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

intercement
03.05.16
ED. 5360

Cimento é a nova mercadoria na prateleira da Camargo Corrêa

 O desmanche da Camargo Corrêa chegou à área cimenteira. Segundo o RR apurou, o grupo abriu conversações com a irlandesa CRH para a venda de até seis das suas 16 fábricas no Brasil, todas penduradas na subholding InterCement. De acordo com uma fonte que participa das negociações, o pacote soma uma produção anual da ordem de quatro milhões de toneladas, ou o equivalente a 25% da capacidade instalada da Camargo Corrêa no Brasil. Entre as unidades colocadas sobre o balcão estariam as de Pernambuco e de Jacareí (SP), com linhas de produção paralisadas desde o início do ano.  Todos os movimentos da operação-desmonte da Camargo Corrêa levam a uma só direção: atendem à estratégia do grupo de se capitalizar e voltar ao seu core business, com base na aposta de que, ao puxar a fila das delações premiadas e dos acordos de leniência, a companhia terá uma posição privilegiada na construção pesada – ver RR edição de 31 de março. Inicialmente, a Camargo Corrêa chegou a avaliar a venda integral da InterCement. No entanto, a falta de candidatos e a possibilidade de a operação esbarrar no Cade levaram a companhia a optar por uma negociação fatiada. A divisão cimenteira é hoje uma das áreas mais problemáticas do grupo, a começar pelo seu endividamento. A InterCement é responsável por aproximadamente 40% do passivo total do conglomerado, na casa dos R$ 16 bilhões. O setor vive seu pior momento em mais de uma década. No ano passado, as vendas caíram 10%. Para este ano, as projeções mais conservadoras apontam para uma retração de 12% a 15% na demanda do setor. Em janeiro, além de interromper unidades de moagem em Pernambuco e em Jacareí, a Camargo Corrêa reduziu a produção em outras fábricas.  Procurada pelo RR, a Camargo Corrêa não quis se pronunciar. A CRH, por sua vez, negou as negociações. Não custa lembrar, no entanto, que a cimenteira irlandesa já anunciou a disposição de expandir sua presença no Brasil depois de herdar cinco fábricas com a compra de um pacote de ativos da Lafarge/Holcim.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.03.16
ED. 5338

Camargo Corrêa desfruta com júbilo do elogio da traição

 O presidente do Conselho de Administração da Camargo Corrêa, Victor Hallack, se considera o grande vencedor entre todos os dirigentes da construção pesada envolvidos na Lava Jato. Segundo fonte do RR, em petit comité Hallack não só descarta os planos de venda da empreiteira do grupo, que, chegaram a ser publicamente cogitados, como confidencia que as operações de Sergio Moro deverão resultar em um grande crescimento da companhia no setor. O raciocínio do executivo é o de um fino estrategista. Ele acredita que a delação e o acordo de leniência de primeira hora higienizaram a Camargo Corrêa, distinguindo-a das demais empreiteiras no quesito “reputação”. Palavras textuais de Hallack: “A Camargo Corrêa passou a ter uma posição privilegiada e a sociedade já percebeu isso”.  O segundo round é a aposta de que o governo não deixará a engenharia nacional ser soterrada. Em algum momento – e Hallack está convicto de que ele não deverá tardar –, será necessária uma temporada de consolidação de um setor que se encontra praticamente quebrado. Não é difícil prever que o biotônico financeiro vai favorecer a Camargo Corrêa. A primazia nesse processo é o dote pela traição de seus pares. A deduragem inaugural permitirá que a companhia seja a primeira da fila para receber os pagamentos de obras públicas em conclusão. A Camargo Corrêa também poderá se apresentar em novas licitações.  Hallack fez tudo de caso pensado. Separou as sócias do grupo do imbróglio e instruiu os principais executivos a abrirem o bico, livrando-se, ele próprio, da ameaça de outras delações – afinal, quem fala primeiro se protege das maldades do segundo. Ao mesmo tempo, criou condições para o fortalecimento da companhia, vendendo ativos que não pertenciam ao core business e blefando ao dizer que passaria à frente a construtora. Com todas essas manobras, trouxe para si a prerrogativa de desqualificar as demais empresas do setor, inclusive ressaltando que elas não têm credibilidade para assinar novos contratos no exterior. Na visão da concorrência, Hallack agiu como Joaquim Silvério dos Reis, usando de um expediente traiçoeiro para fechar o mercado a todas as grandes congêneres. A Camargo Corrêa é uma empresa de grande tradição na engenharia nacional. Tem um portfólio de obras que a qualifica e uma gestão reputada entre as melhores do setor. Não precisava se tornar vencedora aproveitandose do expediente da aleivosia para tripudiar sobre as demais. É uma história de sucesso desavergonhado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.03.16
ED. 5320

Pátria da delação

 A suposta delação-bomba de Delcídio do Amaral, desconfirmada pelo próprio ontem, está preocupando os entusiastas de que a Lava Jato vá atropelar Lula e Dilma. Mesmo que não tenha feito a delação, não será a primeira vez que Delcídio desmente o que disse, vide o caso Esteves.  Por falar no assunto, a escola de deduragem da Camargo Corrêa ainda não emplacou. Só dois funcionários aderiram ao Programa Interno de Incentivo à Colaboração, implantado pelo grupo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.02.16
ED. 5316

Caixa de Pandora

 O que se diz nos corredores da Lava Jato é que, depois da Valec, a próxima vítima do acordo de leniência da Camargo Corrêa será o DNIT, há tempos uma espécie de sesmaria do PP. A conferir.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.02.16
ED. 5315

Liquidação

A Camargo Corrêa teria contratado o Banco Itaú para conduzir a venda de seus ativos na área têxtil, leia-se a Tavex. Procurada pelo RR, a Camargo Corrêa não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 O grupo Camargo Corrêa incluiu na lista de desmobilização de ativos a Santista, fabricante de denim e presente em mais de 50 países. A negociação mais avançada seria com o grupo cearense Santana Textiles, um dos líderes de mercado e com fábricas no Brasil e Argentina. Procurada, a Santana Textiles negou a transação. A Camargo Corrêa não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.12.15
ED. 5267

Jet wash

 As irmãs Regina de Camargo Pires Oliveira Dias e Rosana Camargo de Arruda Botelho, duas das controladoras da Camargo Corrêa, estariam de partida para morar definitivamente em Londres. Na bagagem, falta apenas a importação de alguns serviçais. Quem ficar no Brasil que resolva o que tem de ser resolvido. A Camargo Corrêa não retornou o nosso contato.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.11.15
ED. 5252

O Silvério dos Reis da construção pesada

 As entrevistas casadas do presidente do Conselho de Administração da Camargo Corrêa, Vítor Hallack, à Folha de S. Paulo e ao Valor Econômico racharam de vez o top five da construção pesada. Hallack foi às páginas para louvar suas delações e acordos e dizer que “passa a ter posição privilegiada e a sociedade já percebeu isso”.  Hallack vem sendo chamado de “traidor”, “sujo” e “Calabar”, somente para citar alguns epítetos, porque as demais empreiteiras descobriram que a Camargo Corrêa está trabalhando essas informações na mídia no exterior. A ideia é fechar os mercados no estrangeiro para as demais empresas brasileiras, propalando que todas se encontram sem capital reputacional para disputar as concorrências públicas. Se houver nova delação premiada, é bom que a Camargo Corrêa se cuide.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

10.11.15
ED. 5244

CPFL é uma luz que pisca no painel da Votorantim

 Essa é uma história que poderia ser contada em uma mansão em Londres, na Egerton Street, em South Kensington, ou no Metropolitan Office, localizado na Rua Amauri, em plena capital paulista. Por enquanto, uma cortina pesada impede a mensuração do quantum de desejo que distorce o delineamento da realidade. Mas o enredo ultrapassou com sobras a tênue fronteira com a ficção. De um lado, três herdeiras, praticamente anglófilas, empenhadas em se desvencilhar da crueza dos fatos e preservar o mundo encantado em que vivem, nem que isso custe o desmantelamento de um dos maiores conglomerados empresariais do país; do outro, um clã bandeirante, amante da atividade fabril, sem nenhum rapapé, que se vê diante do desafio de reinventar um potentado da indústria nacional. Os caminhos das acionistas da Camargo Corrêa – as irmãs Renata de Camargo Nascimento, Regina Camargo Pires Oliveira Dias e Rosana Camargo de Arruda Botelho – e dos Ermírio de Moraes parecem fadados a se cruzar mais uma vez. O ponto de encontro é o provável retorno da Votorantim à CPFL , de onde saiu em 2009.  As hipóteses discutidas passam pela venda de parte ou mesmo da totalidade das ações da Camargo Corrêa, dona de 23,6% da CPFL. Tomando-se como base o valor de mercado da empresa, em torno de R$ 15,8 bilhões, esta fatia do capital estaria precificada em R$ 3,7 bilhões – cifra que não leva em consideração um eventual prêmio de controle. Em junho, a posição de caixa da Votorantim Industrial era de R$ 7,5 bilhões. Consultada, a Camargo Corrêa negou a venda da CPFL. Já a Votorantim não quis se pronunciar. O retorno à CPFL daria uma nova configuração à Votorantim, que se tornaria a maior empresa privada de geração do país, superando a Tractebel . Os Ermírio de Moraes teriam praticamente sua própria Belo Monte. A dobradinha CPFL/ Votorantim soma uma capacidade superior a 9,5 mil MW, não muito distante dos 11 mil MW da maior hidrelétrica da Amazônia. A dupla reúne mais de 30 hidrelétricas, 50 PCHs, 33 parques eólicos, além de usinas de biomassa e térmicas, isso contabilizando-se apenas os projetos já em operação.  Um negócio que começou movido pela necessidade da Votorantim de suprir suas próprias plantas industriais transformouse em um dos mais rentáveis do conglomerado. Neste ano, a participação da Votorantim Energia no Ebitda do grupo subiu de 6% para 10%. Em 2013, a empresa tinha apenas 24 contratos de venda de energia para terceiros. Hoje, são mais de 200. Caso a compra da CPFL se concretize, a área de energia passará a ser a maior operação da Votorantim, deixando para trás a emblemática divisão de cimento. Para efeito de comparação, no ano passado a CPFL teve receita de R$ 17 bilhões. Já o braço cimenteiro da Votorantim faturou R$ 13 bilhões.  E as distintas senhoras da Camargo Corrêa? Para as herdeiras de Sebastião Camargo, a alienação da CPFL seria apenas um passo a mais no processo de desmanche do grupo. A Alpargatas está à venda, a empreiteira, assim como os elefantes, caminha lentamente para o vale da morte, e nem mesmo a atividade cimenteira estaria de todo livre. No limite, as três irmãs fecham mais esta porta e qualquer outra que leve a cômodos indesejados. A prioridade é uma só: esquecer o passado e deixar que o crepúsculo da vida avance amena e mansamente. Uma das dádivas da aristocracia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.11.15
ED. 5241

Atalho

 No QG da Lava Jato, a Camargo Corrêa é vista como um atalho entre Curitiba e São Bernardo do Campo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

O iminente avanço de empreiteiras chinesas no Brasil é parte de uma operação ainda mais abrangente. A grande marcha sobre o setor de construção pesada prevê também o desembarque no país de algumas das maiores cimenteiras do mundo – no âmbito dos acordos bilaterais assinados entre os governos Dilma Rousseff e Li Keqiang em maio deste ano. A ponta de lança deste projeto é a Citic, braço de investimentos do governo chinês, um potentado com mais de US$ 700 bilhões em ativos. Discretamente, o grupo já montou um pequeno cluster na indústria cimenteira no Brasil. Uniu-se à paranaense Companhia Vale do Ribeira para a construção de uma fábrica na cidade de Adrianópolis, um investimento da ordem de US$ 150 milhões. Trata-se apenas de um embrião, a proxy de um projeto de ocupação do mercado brasileiro que se consumaria com a associação entre a Citic e grandes fabricantes de cimento chineses para a compra de ativos no país. A fila seria puxada pela China National Building Material (CNBM). Até o ano passado, o grupo era o maior produtor mundial do insumo, com 350 milhões de toneladas por ano, mas perdeu o posto após a fusão entre a Holcim e a Lafarge. Outro nome dado como certo é o da Anhui Conch, quarto lugar no ranking global do setor, com capacidade instalada de 215 milhões de toneladas. O momento não poderia ser mais propício para a investida dos asiáticos – noves fora as recentes ranhuras diplomáticas entre os dois países por conta da demora do governo brasileiro em reconhecer a China como economia de mercado. Sobram atrativos para as cimenteiras chinesas: o Brasil está baratinho; todos os segmentos ligados à área de construção no país enfrentam um momento extremamente complicado, seja por aspectos jurídicos, regulatórios ou mesmo pela conjuntura econômica; e, para completar, o que não falta na prateleira é ativo. No caso da indústria cimenteira, o Cade é o principal responsável pela superoferta. Para que sua fusão fosse aprovada no país, a dobradinha Lafarge/Holcim comprometeu-se a vender quase um terço de sua capacidade instalada – algo em torno de 3,6 milhões de toneladas. Por sua vez, Votorantim, Camargo Corrêa, Cimpor, Itabira e Itambé , todas condenadas pelo órgão antitruste por formação de cartel, terão de se desfazer de até 20% da sua produção. No caso da Camargo Corrêa, a decisão do Cade nem seria necessária. A disposição vendedora dos herdeiros de Sebastião Camargo vai muito além do percentual imposto pelo conselho de defesa da concorrência. O grupo já iniciou o processo de venda de ativos na área de concreto. Dependendo da oferta, a Camargo Corrêa entrega o controle da InterCement porteira fechada. Seria uma oportunidade de ouro para um grande grupo chinês desembarcar no Brasil assumindo, logo na partida, a segunda posição no ranking do setor, com uma produção de quase 13 milhões de toneladas por ano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.10.15
ED. 5226

Liquidação

A Camargo Corrêa quer aproveitar a venda da Alpargatas para embrulhar no mesmo pacote suas fábricas de tecido Denim no Brasil e na Argentina, penduradas na subsidiária Tavex. Era melhor, então, nem ter se dado ao trabalho de descruzar os ativos em calçados e vestuário, operação concluída no início do ano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.10.15
ED. 5223

Rachaduras no concreto

A Camargo Corrêa vai terminar. Ou quase. Com a disposição anunciada de passar à frente a Alpargatas e a construtora, além da vontade velada de vender a CPFL, sobraria só a empresa de cimento. Mas para ela também não falta comprador – aliás, a desmobilização já começou, com o lançamento de um plano de venda dos ativos de concreto. Tudo indica que o papel de delator premiado foi demais para as acionistas da Camargo Corrêa. Melhor colocar uma dúzia de bilhões no bolso e se esconder em outro país.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.09.15
ED. 5206

Camargo Corrêa

A primeira opção da Camargo Corrêa ainda é a venda de parte da InterCement. Mas a direção da empreiteira já discute um Plano B: a negociação ou mesmo o fechamento de fábricas deficitárias, a começar por unidades na Argentina. * A InterCement não nos retornou.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.09.15
ED. 5202

Ódio

As relações entre Camargo Corrêa e Odebrecht chegaram às raias do ódio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.09.15
ED. 5199

Crise do Orçamento trava até soluções para as empreiteiras

As idas e vindas do Orçamento da União não emperram apenas o equacionamento das contas públicas. Seus efeitos se alastram por outras questões prioritárias para a retomada da atividade econômica, a começar pelo destravamento da construção pesada. O bate-cabeças do governo em torno da proposta orçamentária paralisou os trabalhos do grupo montado no Ministério da Fazenda – por meio da portaria nº 640 publicada no dia 11 de agosto – com o objetivo de discutir medidas capazes de melhorar o ambiente de negócios no Brasil. Entre outras atribuições, uma das missões precípuas deste comitê é apresentar soluções que permitam às grandes empreiteiras sair do estado de congelamento em que foram lançadas pela Lava Jato, retornar ao mercado e participar de concessões e PPPs. O grupo tem aproximadamente 45 dias para concluir os trabalhos e apresentar suas propostas, prazo que, segundo a portaria, poderá ser estendido por igual período. Mas há quem acredite que nem mesmo o tempo extra será suficiente tamanho o grau de letargia em que as discussões se encontram. O atraso não se deve apenas à notória falta de energia do governo para tratar de questões centrais. Não há unicidade dentro da Abdib, que representa o setor privado junto ao grupo de trabalho na Fazenda. A falta de consenso entre as próprias empreiteiras tem resultado no surgimento de ideias despropositadas. Um exemplo diz respeito ao custo da idoneidade para o setor, leia-se as multas que as maiores empreiteiras do país terão de quitar para purgar o passado e receber autorização para participar de licitações públicas – há estimativas de que este valor poderá chegar a R$ 17 bilhões. Em vez do pagamento direto dos recursos, as empresas repassariam ativos à Petrobras e à União como ressarcimento de prejuízos eventualmente causados pelo desvio de recursos públicos. Estas últimas colocariam os respectivos ativos em leilão. Parece uma daquelas soluções de quem quer complicar e não resolver. O atraso nas discussões breca também a possibilidade de ingresso do capital estrangeiro no setor, visto que os grandes players internacionais somente participarão de consórcios ou de parcela do capital das empreiteiras sob risco de declaração de inidoneidade se elas forem higienizadas. Investidores chineses, alemães e sul-africanos, entre outros, demonstram interesse em entrar no Brasil – consta que a Camargo Corrêa já está entabulando conversações neste sentido. Mas, no atual ambiente de insegurança jurídica, é pouco provável que alguma negociação avance. Que grupo estrangeiro correrá o risco de se unir a uma empreiteira que, a qualquer momento, poderá ser considerada inidônea?  Enquanto isso, a construção pesada elimina quase 30 mil postos de trabalho por mês.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.08.15
ED. 5191

Camarguianas

  A Camargo Corrêa decidiu vender sua participação na CPFL. Com 23,6%, a empreiteira é a segunda maior acionista da empresa, atrás da Previ (29,4%). *** Por falar em Camargo Corrêa, Carlos Pires Oliveira Dias, casado com Regina Camargo Pires Oliveira Dias, uma das herdeiras de Sebastião Camargo, não apenas deixou o Conselho de Administração do grupo como faz questão de se manter distante do negócio. Pires tem passado cada vez mais tempo na quinta de sua propriedade, em Portugal. Antes, havia tentado obter a cidadania inglesa, mas sem sucesso. * A Camargo Corrêa preferiu não comentar sobre o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Além da Camargo Corrêa, a Setal Engenharia, de Augusto Mendonça, também estaria negociando um acordo de leniência com a Justiça no âmbito da Lava Jato. * A Setal Engenharia não retornou nosso contato.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

27.07.15
ED. 5171

Les petites filles modèles da Camargo Corrêa

As reuniões de fim de semana com familiares e amigos na Fazenda Guariroba continuam a ser sagradas, assim como os passeios, ao cair da tarde, pelas vitrines da Rue du Faubourg Saint Honoré, programa obrigatório nas revigorantes temporadas em Paris, entremeadas por um ou outro jantar beneficente. Mas, na maior parte do tempo, as distintas Renata de Camargo Nascimento, Regina Camargo Pires Oliveira Dias e Rosana Camargo de Arruda Botelho habitam território inacessível, tal como uma tela de Renoir ou um romance da Condessa de Ségur. Não há Lava Jato, Ministério Público ou Polícia Federal capaz de trincar a redoma mágica erguida em torno das controladoras da Camargo Corrêa. Até o momento, diferentemente do que vem ocorrendo com alguns de seus pares no setor, as herdeiras de Sebastião Camargo têm sido poupadas do maior escândalo de corrupção da história do país. É como se delatores, procuradores, forças policiais e a imprensa tivessem se irmanado num pacto amnésico. Mesmo você, caro leitor, responda rápido se leu ou ouviu falar sobre alguma delas. A Camargo Corrêa está no núcleo do “petrolão” – como esteve também, como protagonista absoluta, no epicentro da Operação Castelo de Areia. Mesmo assim, Renata, Regina e Rosana seguem intocadas, como as vestais do templo das empreiteiras. Os ex-executivos da companhia Dalton Avancini, Eduardo Leite e João Ricardo Auler foram os primeiros dirigentes do setor condenados na Lava Jato. E, mais uma vez, nada respingou nas túnicas brancas das três empresárias. Os leais Avancini e Leite dispararam suas delações premiadas para o lado, para baixo, na diagonal, mas não apontaram sequer um dedo indicador para o andar de cima. E por que se omitem os inquisidores da Justiça? Como podem os executivos manejar R$ 50 milhões para o pagamento de propinas – valor que será ressarcido à  Petrobras – sem que os donos da empresa, uma referência no compliance corporativo, sequer suspeitem do passeio deste numerário? Será que a Camargo Corrêa é um organismo sem sistema nervoso central, no qual cada braço dita seu movimento, ou o domínio do fato, como o inferno de Sartre, são os outros? Apesar de sua extensão e ousadia, a Lava Jato segue com os olhos vendados para as sucessoras de Sebastião Camargo, tanto quanto as sucessoras de Sebastião Camargo querem agora ficar longe de algumas heranças que lhes couberam. Se, ainda jovens, Renata, Regina e Rosana foram preservadas da crueza da vida real pelo próprio pai, quando mulheres escudaram-se atrás dos maridos – matrimônios estes que parecem ter sido milimetricamente conduzidos por um head hunter. Os respectivos príncipes consortes – Luiz Roberto Ortiz Nascimento, Carlos Pires Oliveira Dias e Fernando de Arruda Botelho, já falecido – se ocuparam de cargos de mando na Camargo Corrêa, permitindo que as meninas de Sebastião Camargo se mantivessem distantes do campo de batalha. A Lava Jato estourou, e à  medida que as investigações avançaram, providencialmente chegaram ao noticiário relatos da preocupação de Renata, Regina e Rosana com os princípios e valores que deixarão para seus filhos, sugerindo a disposição de até mesmo deixar de vez a construção pesada. Surgiram em cena exatamente para serem esquecidas pela plateia. Por ora, tem dado certo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.07.15
ED. 5168

Saída Sete

As negociações para um aporte do China Development Bank (CDB) na Sete Brasil se estendem também ao Estaleiro Atlântico Sul (EAS). No rastro da operação, a chinesa Cosco deverá se associar ao estaleiro controlado por Camargo Corrêa e Queiroz Galvão. Uma coisa está ligada à  outra: o EAS depende do soerguimento da Sete Brasil, com a qual tem contratos para a construção de sete sondas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.07.15
ED. 5156

Lava Jato do B

Sergio Moro quer ouvir novamente os ex-executivos da Camargo Corrêa Dalton Avancini e Eduardo Leite. Está convicto de que a dupla dinâmica tem muito mais a dizer, especialmente sobre os contratos da empreiteira no setor elétrico.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.07.15
ED. 5155

Empreiteiras precisam de garantia para as concessões

As maiores empresas de construção pesada do país estariam se articulando para levar ao governo uma reivindicação que pode ser decisiva para o êxito ou não do novo programa de concessões. Segundo fonte de uma das empreiteiras, é necessário um instrumento legal e definitivo capaz de separar as companhias da interdição de seus controladores e gestores, medida que revogaria os óbices para a participação nos próximos leilões de infraestrutura. A alegação é que a falta de uma garantia firme praticamente inviabilizará sua presença nas licitações. Nas atuais circunstâncias, as empresas de construção pesada terão notórias dificuldades para obter financiamento e atrair investidores para os consórcios. Afinal, quem vai apostar em um cavalo sub judice ou com o risco de ser alvejado por alguma delação? Ainda não há uma definição da figura jurídica que poderá fundamentar tal decisão. O certo é que se trata de uma negociação complexa, tanto do ponto de vista político quanto legal, que terá de passar por diversas esferas, como Poder Executivo, notadamente o Ministério da Justiça e a Casa Civil, Ministério Público e Judiciário. Imagina-se que o próprio governo tenha o maior interesse na matéria. Difícil que o novo programa de concessões saia do chão sem a participação de Odebrecht, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão e de boa parte das 300 grandes e médias empresas de construção pesada no Brasil. Onde o governo vai encontrar investidores dispostos a desembolsar quase R$ 200 bilhões em 15 concessões rodoviárias, 11 aeroportos, cinco ferrovias e 45 terminais portuários? As empreiteiras estão num voo a s cegas. Até o momento, sua participação no programa de concessões tem sido objeto de declarações assimétricas ou mesmo dúbias. Recentemente, o juiz Sergio Moro disse que as empreiteiras citadas no escândalo não estão proibidas de firmar contratos com a administração pública, mas – sublinhe-se o “mas” – falou também que o futuro plano de concessões pode ser uma nova fonte de corrupção para as construtoras reincidirem em crimes. Uma frase como esta não passa despercebida a bancos, agências de fomento, empresas de classificação de risco ou investidores internacionais. Quando confrontado com as declarações de Moro, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, limitou-se a dizer, com certa timidez, que era “descabido” lançar suspeitas sobre o plano de concessões. Pouco, muito pouco. Mesmo porque, segundo notícias na mídia, o próprio Moro chegou a considerar que, no caso da Odebrecht, o ideal seria a suspensão de todos os contratos e atividades da construtora. O risco é que a declaração indique o embrião de uma jurisprudência. Qualquer restrição a  presença das grandes e médias empreiteiras nos próximos leilões é interferir diretamente no futuro destas companhias. Investir em infraestrutura é um processo em cadeia: novos projetos aumentam a curva de retorno dos empreendimentos já em curso graças a  captura de sinergias. Portanto, caso as construtoras venham a ser impedidas de entrar nos novos leilões, tal restrição terá impacto na performance de concessões das quais elas já participam. Ou seja: cassar o porvir das empresas de construção pesada também significa alijar o seu presente e o seu passado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.06.15
ED. 5152

Mitsui é o curto-circuito da vez na hidrelétrica de Jirau

Com a Lava Jato a triscar nos seus calcanhares e em meio a um contencioso com a Aneel, o consórcio responsável pela construção da hidrelétrica de Jirau tem mais um fio desencapado pelo caminho. Dois anos após embarcar no negócio, a Mitsui quer vender sua participação de 20% na Energia Sustentável do Brasil (ESBR) – holding que abriga ainda Engie, antiga GDF Suez, Camargo Corrêa, Eletrosul e Chesf. A coabitação entre espécies corporativas tão distintas e com interesses tão díspares não deu liga. Os demais acionistas da ESBR teriam instaurado um apartheid societário, alijando a trading de praticamente todas as decisões estratégicas. Não foi para virar uma mera passageira sentada no banco de trás do consórcio que a Mitsui pagou quase US$ 530 milhões e ingressou na usina. A julgar pelo desprezo da Engie, da Camargo Corrêa e das duas estatais em relação aos japoneses, a decisão da Mitsui poderia soar até como uma boa notícia. No entanto, a iminente saída da trading do consórcio traz um problema a reboque: periga os demais integrantes da ESBR terem de colocar a mão no bolso para recomprar a participação nipônica. Afinal, quem se habilita a entrar num negócio marcado por sucessivos atrasos nas obras, riscos ambientais e declaradamente na alça de mira da Lava Jato? As relações entre a Mitsui e seus sócios em Jirau se deterioraram, sobretudo, neste ano. Recentemente, a trading não teria participado das gestões com o Ministério de Minas e Energia em torno do possível aumento da capacidade de geração em 420 MW durante os meses de estiagem – negociação que envolve também o governo da Bolívia. O mesmo ocorreu quando da decisão da ESBR de abrir um contencioso contra a Aneel. O consórcio conseguiu uma liminar contra a determinação da agência reguladora, segundo a qual as grandes usinas em construção na Amazônia não poderiam mais evocar problemas como greves, revoltas trabalhistas e dificuldades de obtenção de licenças ambientais para se eximir de atrasos nos cronogramas dos projetos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.06.15
ED. 5151

Lava Jato resfria o programa nuclear brasileiro

A Lava Jato empobreceu também o urânio brasileiro. O desenfreado cerco a s grandes empreiteiras praticamente paralisou o programa nuclear nacional. Que o diga a russa Rosatom, virtual parceira do governo brasileiro para a instalação de novas usinas atômicas. Nem mesmo as boas relações entre Dilma Rousseff e Vladimir Putin e os seguidos acordos bilaterais entre os dois países resistiram ao juiz Sergio Moro. A aliança entre a Rosatom e a Camargo Corrêa, que já haviam assinado um memorando de entendimentos para investimentos na área nuclear, desintegrou- se. Forçada pelas circunstâncias, a construtora cancelou qualquer novo projeto no setor. Desde então, os russos seguem em busca de um nome para ocupar o vazio deixado pela Camargo Corrêa, de preferência também uma grande empreiteira – afinal, que outro setor no Brasil tem tamanha familiaridade com o negócio? Praticamente todas as construtoras do primeiro time criaram uma área de defesa e segurança: a Odebrecht, por exemplo, participa do projeto de montagem do primeiro submarino nuclear brasileiro. Neste momento, no entanto, é mais fácil os russos acharem cé sio 137 sob o asfalto da Rua das Flores, em Curitiba, do que encontrar uma grande construtora que não tenha sido atingida pela radioatividade do petrolão. Uma coisa puxa a outra. Nos últimos meses, as conversações entre a Rosatom e o governo brasileiro esfriaram consideravelmente. Havia a expectativa de que a própria presidente Dilma Rousseff fizesse uma viagem a  Rússia no mês de maio, quando se encontraria com Vladimir Putin para dar continuidade ao projeto. No entanto, a visita não se confirmou. Ruim para a Rosatom, que apostou um monte de fichas no programa nuclear brasileiro. A companhia instalou uma subsidiária no país, a Rusatom Overseas Network, montou uma representação no Rio de Janeiro e designou um de seus mais promissores executivos para comandar os sete funcionários locais, Ivan Dybov. Muito barulho por nada. Por ora, a Rosatom fechou apenas um contrato com a Comissão Nacional de Energia Nuclear para o fornecimento de molibdênio-99, usado na medicina nuclear.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.06.15
ED. 5148

Camargo Corrêa

Mesmo com Lava Jato, delação premiada de executivos, denúncias envolvendo doações para o Instituto Lula, a vida tem de continuar… A Camargo Corrêa estaria negociando com a espanhola Enagás a montagem de um consórcio para disputar a construção de um gasoduto de 200 km no Peru, um negócio de US$ 4 bilhões. Formalmente, a empreiteira nega o acordo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.06.15
ED. 5143

Trilho chinês

A China Railway Construction Corporation (CRCC) é forte candidata a  concessão dos dois novos trechos da Ferrovia Norte-Sul. A busca por parceiros já começou. Há alguns meses, a CRCC chegou a entabular um acordo com a Camargo Corrêa, mas a Lava Jato mudou o trilho de direção.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.06.15
ED. 5141

Garage sale

Quem quiser comprar um guindaste em boas condições, uma perfuratriz seminova ou um trator de segunda mão, favor procurar a Camargo Corrêa. Enquanto a divisão cimenteira do grupo tenta captar R$ 1 bilhão no mercado, a construtora realiza um leilão de equipamentos. Em tempo: os lances podem ser dados até amanhã, dia 16.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.05.15
ED. 5127

Lava Jato

Os delatores premiados da Camargo Corrêa não param de atirar. Já bate nas duas dezenas o número de obras supostamente superfaturadas na Petrobras que constam dos depoimentos dos executivos Dalton Avancini e Eduardo Leite.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.05.15
ED. 5124

Fundo norueguês

 Entre a Lava Jato e um mercado imobiliário em crise, o fundo soberano da Noruega nem pensa duas vezes. Nos últimos dias, o Government Pension Fund Global se desfez de um expressivo lote de ações da Alpargatas, leia-se Camargo Corrêa. Em contrapartida, tem disparado sucessivas ordens de compra de papéis da Gafisa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.05.15
ED. 5120

A Camargo Corrêa e a Queiroz Galvão

A Camargo Corrêa e a Queiroz Galvão procuram na China um sócio para o Estaleiro Atlântico Sul.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

06.05.15
ED. 5114

Aldemir Bendine é o artilheiro dos sonhos da Camargo Corrêa

 Aldemir Bendine pode muito bem ficar na Petrobras – na avaliação do Planalto, sua performance na divulgação do balanço foi impecável. Pode também ir para o BNDES, intenção inicial da presidente Dilma Rousseff, conforme informou o RR. Mas, talvez, o porvir de Bendine não esteja nem de um lado nem de outro da Avenida Chile e muito menos no próprio governo. O executivo do momento teria uma proposta da iniciativa privada para um ponto futuro: Bendine iria para a Camargo Corrêa com a tarefa de comandar a reconstrução de um dos maiores grupos empresariais do país. Guardadas as devidas proporções, após conduzir o processo de higienização da Petrobras, ele replicaria a missão na outra face da Lava Jato, dedicando- se a  reestruturação de uma das empreiteiras protagonistas do escândalo.  Aldemir Bendine é um craque sob os mais diversos aspectos. Em quase cinco anos na presidência do Banco do Brasil, enfrentou dois episódios espinhosos que poderiam ter lhe custado o cargo. Em 2010, Bendine foi questionado pela aquisição de um imóvel no interior de São Paulo, no valor de R$ 150 mil, pagos em dinheiro vivo. No ano passado, num caso ainda mais rumoroso, veio a  tona o empréstimo de R$ 2,7 milhões do BB a  socialite e empresária Val Marchiori, amiga pessoal do executivo. Em ambos os casos, Bendine mostrou ter o corpo fechado. O placar de momento na Petrobras marca dois a zero a favor de Bendine. Em apenas um bimestre a  frente da estatal, o executivo conseguiu fechar o valor da baixa contábil decorrente dos episódios de corrupção e apresentar o balanço de 2014. O artilheiro Bendine já prepara o próximo chute, leia-se o anúncio de um programa de investimentos mais enxuto, adequado a s circunstâncias e ao próprio processo de desmobilização de ativos da estatal. Sai de cena a versão anterior, marcada por cifras demasiadamente anabolizadas e inexequíveis, e surge, em seu lugar, um plano de negócios factível, em linha com a realidade e com o choque de gestão em curso na estatal. Trata-se de mais um movimento que tem tudo para cair no gosto do mercado. E, no placar da Petrobras, lá estará: três a zero para Bendine. Não é a  toa que a Camargo Corrêa teria uma camisa a  sua espera.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.04.15
ED. 5110

Camargo Corrêa se especializa em demolições

Os pares da Camargo Corrêa não estão reconhecendo a postura excessivamente colaborativa da empresa com as investigações da Lava Jato. Para todos os efeitos, a delação está personificada nas figuras de Dalton Avancini e Eduardo Leite, presidente e vice-presidente da empreiteira. Mas a informação que circula é de que os dois dirigentes têm trocado figurinhas com a companhia. Tudo bem que a Camargo Corrêa e a dupla de executivos estão encalacrados e precisam se safar. Mas o afã de delatar gregos e troianos, incluindo episódios que não estão necessariamente vinculados ao caso – alguns deles envolvendo procedimentos legítimos, porém relatados como se fossem crime – tem surpreendido até os próprios inquisidores. A empreiteira fundada por Sebastião Camargo, vulgo “China”, era a companhia líder do corporativismo que reinava no setor até pouco mais da metade desta década. Com o escândalo da Petrobras, tornou-se a maior colaboradora do Ministério Público e da Polícia Federal nos quesitos “novos e velhos nomes”, “fatos comprobatórios” e “casos que nunca vieram a  tona”. Em tempo: a Camargo Corrêa está dividindo sua governança entre a que olha para o futuro e a que toureia o passado cada vez mais presente. O recado das entranhas da empreiteira é de que “perdeu, perdeu”. Acabou a condescendência. Quem dedura na frente e com intensidade leva a vantagem da primeira versão, principalmente se a denúncia for fresquinha.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.04.15
ED. 5092

Petrobras é sinônimo de ficha suja para estaleiros

Foi-se o tempo em que a Petrobras era uma boa companhia que fique bem entendido o jogo de palavras da afirmação. Se, ao longo da história, ter uma relação comercial com a petroleira sempre foi uma demonstração de prestígio e um atestado de proficiência, hoje há um claro receio dos prestadores de serviço em aparecer na mesma foto em que a estatal. Aos poucos, estes fornecedores ensaiam um processo de descolamento da companhia. É o caso da QGI Brasil, a antiga Quip, controlada pela Queiroz Galvão (80%) e pela Iesa a“leo e Gás (20%) e dona do estaleiro Honório Bicalho, na cidade de Rio Grande (RS). No melhor estilo “Toma que o filho é teu”, a empresa está devolvendo a  Petrobras o contrato para a construção de duas plataformas, a P-75 e a P- 77. Os equipamentos deveriam ser entregues ainda neste ano, mas, até o momento, apenas 30% do processo de montagem estão concluídos. A QGI ganhou a licitação para o fornecimento das duas plataformas em 2013, ao preço de US$ 800 milhões cada uma. A dobradinha OSX/Mendes Junior vai pelo mesmo caminho da QGI e também se mexe para se desgrudar da Petrobras. Neste caso, a dupla parece ter encontrado uma “solução de mercado”. Com a concordância da própria estatal, está repassando a um grupo chinês o contrato para a integração dos módulos e montagem de dois FPSO (embarcações para o armazenamento e transferência de óleo), cuja licitação ocorreu em 2012. Ao todo, o projeto está orçado em aproximadamente US$ 900 milhões. Ao contrário do que as circunstâncias possam sugerir, o descolamento da Petrobras não é motivado (apenas) pela inadimplência da companhia. O que move os prestadores de serviço é, notadamente, o risco de crédito. Ter contrato com a estatal virou um estigma. Hoje, o fato de uma empresa carregar em sua carteira contratos futuros e performados da Petrobras tornou- se, por si só, um óbice para a obtenção de recursos. Nem é necessário ser um ficha suja. Vide o caso da própria QGI. A empresa cometeu o “pecado” de ter tido entre seus sócios a UTC Engenharia e a Camargo Corrêa, encalacradas até o pescoço com a Lava Jato. Ambas já deixaram o negócio: a primeira em julho de 2013; a segunda, sete meses depois. No entanto, o estaleiro paga o preço pelo malfeito alheio. Ou seja: a maldição do “petrolão” inverteu a ordem natural das coisas: hoje, um fornecedor da Petrobras precisa provar, de antemão, que não tem culpa no cartório. Há ainda outro fator que estimula a devolução dos contratos. Os prestadores de serviço sabem que, na atual conjuntura, pleitos absolutamente dentro das regras do jogo como ampliação dos prazos de entrega e aditivos para cobrir aumento de custos do projeto não serão aceitos pela Petrobras. Sendo assim, melhor passar o bastão para outro corredor. A questão é que a bola de neve não para de crescer: empreiteiras, estaleiros, bancos… Aos poucos, os mais diversos setores têm sido carregados pela avalanche da Lava Jato, o que só aumenta a necessidade de uma emergencial freada de arrumação neste processo. Se não houver uma pronta intervenção por parte do governo, crescem consideravelmente as chances de uma debandada em massa dos fornecedores de capital nacional, deixando a porta escancarada para a chegada de forasteiros. É tudo o que a gringolândia mais deseja.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.03.15
ED. 5079

Há fendas no cimento do Grupo João Santos

Das duas uma: ou os herdeiros do industrial pernambucano João Santos deixam suas veleidades de lado e selam um pragmático armistício ou correm o risco de brigar até o último de seus dias por um punhado de farelo de calcário. Enquanto os filhos e netos do saudoso empresário se estapeiam pelo controle dos negócios, o Grupo João Santos mergulha num lento, gradual e nada seguro processo de erosão. O que está em jogo é o futuro de uma das maiores sagas empresariais do Nordeste e, mais especificamente, da sua operação de cimento, leia-se a Itabira Agro Industrial, responsável por quase 60% do faturamento do conglomerado – em torno de R$ 3 bilhões. Nos últimos dois anos, a companhia, fabricante do cimento Nassau, teria perdido algo perto de dois pontos de market share, em grande parte devido a atrasos na execução de investimentos e projetos de expansão – efeitos colaterais das disputas societárias travadas desde 2009, ano da morte do patriarca. Os pilares do Grupo João Santos são sólidos, não há dúvida alguma. No entanto, a situação da empresa no mercado tende a se complicar nos próximos meses com a esperada dança das cadeiras na indústria cimenteira nacional, uma coreografia executada sob a trilha sonora do Cade. Os herdeiros de João Santos estão ameaçados de acabar o baile sem lugar para sentar e com os pés pisoteados. Além da condenação por formação de cartel e da obrigatoriedade de vender ativos, o grupo foi abalroado pela fusão entre Lafarge e Holcim. A operação representou uma dupla derrota para os pernambucanos. A primeira delas veio com o próprio anúncio da associação: a dobradinha franco-suíça tomou o terceiro lugar no ranking do setor, empurrando a Itabira Agro Industrial para fora do pódio. O segundo revés veio com a decisão do Cade, que condicionou a fusão entre Lafarge e Holcim a  venda de 30% da capacidade instalada das duas empresas. Quem comprar estes ativos passará a ter aproximadamente 6% do mercado. Na hipótese de que um novo competidor entre em cena, fala-se na mexicana Cemex, ele já chegará triscando nos calcanhares do Grupo João Santos, detentor de 9% de market share – número este que cairá para menos de 8% quando a empresa se desfizer de ativos para atender a  punição imposta pelo Cade. O RR fez diversos contatos com o Grupo João Santos, mas a companhia não retornou até o fechamento da edição. Se, no front externo, as condições de mercado são cada vez mais hostis ao Grupo João Santos, dos muros para dentro os conflitos se acirram. O embate entre os acionistas seria protagonizado por Fernando Santos, filho mais novo e sucessor de João Santos na presidência das empresas, e sua irmã Ana Maria. Consta que a terceira geração da família defende a venda da operação do cimento do grupo, temendo uma depreciação dos ativos no médio prazo. Ocorre que as condições atuais do setor não favorecem o negócio. Além das amarras impostas pelo Cade para que os grandes grupos façam novas aquisições – o próprio Grupo João Santos também é um dos penalizados -, as vendas de cimento têm caído sucessivamente. No passado recente, quando as circunstâncias eram mais oportunas, Camargo Corrêa e a própria Cemex chegaram a manifestar interesse na Itabira (ver RR nº 4.493). Teriam esbarrado numa parede de concreto chamada Fernando Santos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.01.15
ED. 5052

Camargo Corrêa

A Camargo Corrêa está doida para pular fora do Estaleiro Atlântico Sul. Já teria, inclusive, ofertado sua participação a  Ishikawajima- Harima Heavy, sócia do empreendimento.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.01.15
ED. 5048

Roupa da moda

Mesmo com Lava-Jato, a vida não para. A Camargo Corrêa busca ativos na área de moda. O grupo considera que a Enjoy cabe perfeitamente nos planos de crescimento da Alpargatas, seu braço neste segmento. A grife carioca tem 40 lojas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.01.15
ED. 5037

A Camargo Corrêa

A Camargo Corrêa gostaria de abandonar a área de obras públicas para ser sócia, assim, por exemplo, da Vale.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.