Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
09.06.17
ED. 5637

Milhagem extra

Além dos benefícios fiscais, outro fator foi preponderante para a Gol alterar a estrutura societária do Smiles, agora incorporado pela Webjet. Na ponta do lápis, a nova configuração deverá garantir à família Constantino um dividendo adicional em torno de R$ 100 milhões nos próximos dois anos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.05.17
ED. 5612

Mandante

A Justiça do DF vai retomar no próximo dia 8 o julgamento de Nenê Constantino, fundador da Gol. O empresário é acusado de ser mandante de um assassinato.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.02.17
ED. 5553

Delta acumula milhagem na Gol

Dona de 9,5% da Gol, a Delta Airlines vai ajudar a empresa a alongar sua dívida de curto prazo. A contribuição virá sob a forma de um empréstimo de US$ 50 milhões. A Gol pretende ainda captar mais US$ 60 milhões com uma emissão de commercial papers. Procurada, a companhia confirma as duas operações. Tudo muito bom, tudo muito bem, mas o que a Delta quer saber mesmo é quando o governo Temer vai liberar de vez o controle de companhias aéreas pelo capital estrangeiro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.01.17
ED. 5550

Gol deixa seus aviões pelo caminho

A Gol bateu o martelo: vai vender mais cinco aeronaves ao longo deste ano. Procurada, a empresa confirma a decisão. Cortar na própria fuselagem é uma das maneiras encontradas pelos Constantino para ceifar os custos financeiros e reduzir o grau de alavancagem da companhia. Em 2011, a frota da Gol era de 147 aviões. Até o fim do ano, serão 117. Ainda assim, a empresa carrega sobre suas asas um endividamento de R$ 6 bilhões para um patrimônio líquido negativo de R$ 3 bilhões. A relação dívida líquida/ebitda, por sua vez, segue muitos pés acima da “velocidade de cruzeiro”: oito para um.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.11.16
ED. 5492

Trem de pouso

 Paulo Sergio Kakinoff estaria cumprindo suas últimas milhas na presidência da Gol. Procurada, a empresa nega a saída de Kakinoff. A ver.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.10.16
ED. 5485

Calendário

 Coincidência que não quer calar: Constantino de Oliveira Junior saiu da presidência executiva da Gol em 2012. Ou seja: deixou de ser diretor estatutário exatamente no ano em que, segundo a Lava Jato, a companhia aérea começou a fazer pagamentos para empresas ligadas a Eduardo Cunha.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.08.16
ED. 5423

Esquadrilha

 Além do lote de 20 aeronaves anunciado em março, a Gol estuda a devolução de outros 20 aviões até 2017. A medida é guardada a sete chaves no alto comando da companhia. Procurada, a Gol nega a devolução. Está feito o registro. A fonte do RR, ressalte-se, é ligada a uma das empresas de leasing parceiras da Gol.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.06.16
ED. 5385

Capital estrangeiro

 Paulo Kakinoff, presidente da Gol, tem gasto mais tempo fazendo lobby pelo aumento do capital estrangeiro nas aéreas do que à frente da gestão da empresa. A Gol tem uma turbina pinada que só muito dinheiro de fora pode resolver.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.03.16
ED. 5319

Gol contra

 A família Constantino, dona da Gol, deve ter reagido com os piores impropérios à assinatura pela presidente Dilma Rousseff da medida provisória aumentando de 20% para 49% o limite do capital estrangeiro nas empresas aéreas. Os “caminhoneiros do ar”, conforme são chamados os Constantino, fizeram forte lobby para que a participação chegasse a 100%.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.02.16
ED. 5314

Rating da Gol

 Ontem, as mesas de operação do mercado davam como certo um novo rebaixamento da nota de crédito da Gol nos próximos dias. Na semana passada, a Moody´s reduziu o rating da empresa para “Caa1”, três degraus acima do nível de “calote”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.02.16
ED. 5313

Voo baixo

 Com uma dívida de R$ 6 bilhões e um prejuízo mensal da ordem de R$ 300 milhões, a Gol segue perdendo altitude. A companhia estuda encerrar suas operações para Assunção, no Paraguai, e reduzir o número de rotas para Mendoza, na Argentina. Consultada, a Gol nega alterações em sua malha. Cabe lembrar, no entanto, que a empresa anunciou recentemente a suspensão de voos para os Estados Unidos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.01.16
ED. 5298

Camarada

  A relação fraternal de David Barioni com João Doria Jr. custou uma grana alta tanto para a TAM quanto para a Gol. Enquanto Barioni presidiu as duas companhias aéreas jorrou dinheiro para o LIDE de Doria.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.09.15
ED. 5210

Upgrade

Há uma dança das poltronas em curso no capital da Gol que poderá empurrar a Delta Airlines mais algumas fileiras à frente. O fundo Wellington Management teria oferecido sua participação para os norte-americanos. Com isso, a Delta pularia de 9% para 12% do capital total. Consultada, a Gol nega as mudanças.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.09.15
ED. 5206

Bilhete azul

Paulo Sergio Kakinoff estaria deixando a presidência da Gol. A saída seria motivada por divergências mercadológicas com os acionistas e erros em operações de hedge cambial. A companhia garante a permanência de Kakinoff.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

24.01.14
ED. 4824

Gol daria um bom reclame comercial para a Azul

 David Neeleman, que adora uma moda, bem poderia pegar uma carona na ideia da Air France de comprar – sabe-se lá para que – 1,5% do capital da Gol. Marqueteiro que só ele, Neeleman poderia adquirir, por exemplo, 0,0999 ação da companhia pelo valor de R$ 999 mil. Mas para que essa prova dos nove? Ora, para publicizar o cabalístico preço de R$ 999, alardeado pela Azul como o teto para suas tarifas durante a Copa do Mundo. Fica a sugestão. Quem sabe, assim, o público esquece que a promoção da companhia é fake, já que o valor propagandeado corresponde apenas a uma perna da viagem. A outra perna? Tomara que não seja a da rasteira no consumidor.  A Gol, por sua vez, pode prosseguir na operação de capitalização no modelo caça-níquel, constituindo uma espécie de cédula pignoratícia de empresas aéreas, onde grandes grupos do setor vão depositar um dinheirinho no cofrinho em troca de um pedacinho. Não se trata de caçoar a companhia, pois a maioria democrática também constrói fortunas. Com umas 500 empresas de aviação como sócias e picotando o capital, quem sabe a Gol consegue decolar.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.