06.03.18
ED. 5819

“Mestre Ilan” medita sobre a insustentável leveza do câmbio

O presidente do BC, Ilan Goldfajn, é considerado um “cavaleiro Jedi” pelos seus pares na diretoria da autoridade monetária. Para quem não assistiu a nenhum filme da saga Guerra nas Estrelas, os “Jedi” são uma casta de guerreiros superdotados. “Mestre Ilan”, segundo a fonte do RR, estaria de olho no câmbio. Sim, justamente no câmbio para o qual ninguém anda dando muita pelota.

Até porque, o Brasil tem reservas cambiais de US$ 380 bilhões, superávit recorde na balança comercial de R$ 60 bilhões (2017) e um déficit de conta corrente coberto mais que três vezes pelos investimentos diretos estrangeiros. “Mestre Ilan”, contudo, é notório por sua percuciência. Em sua primeira batalha, manteve a Selic nas alturas mesmo com o índice de inflação apontando para regiões abissais, provocando uma brutal recessão.

Segundo os Jedi, a medida foi somente por cautela e garantia da ancoragem dos preços. Agora, “Mestre Ilan” estaria matutando eventuais ações de proteção ao câmbio que poderiam ser feitas com a devida sutileza, para não chamar a atenção do mercado. A estratégia é refinada porque os juros, a priori, não deveriam subir neste ano político. Ilan estaria atento a distúrbios sérios na liquidez global na esteira da elevação na esteira dos juros nos EUA, novas diatribes de Trump na linha da taxação das importações norte-americanas de aço e alumínio, além do cenário eleitoral – a população tende a rejeitar mais reformas -, novas redução na nota do Brasil pelas agências de rating e maior desconforto com os números fiscais.

O mercado poderia ficar subitamente pessimista, apostando contra o real, baixando a bolsa e cobrando juro alto. Ilan flertaria com uma cunha fiscal na saída de dólares. Motivos para a medida não faltariam. Agora mesmo, passando a vigorar curiosamente em um sábado (3 de março), o BC aumentou o IOF nas operações de remessa de recursos de uma conta bancária no país para outra conta no exterior. A alíquota, de 0,38%, foi corrigida para 1,10%. O cavaleiro Jedi tem como mantra a máxima de Mario Henrique Simonsen: “A inflação aleija, mas o câmbio mata”. O aforismo já estaria se tornando um clichê vulgar, não fosse sua exatidão. Quando se trata de câmbio, “Mestre Ilan” prefere pecar pelo excesso.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.