02.05.18
ED. 5858

Queiroz Galvão busca a alforria da CGU

A Queiroz Galvão estaria em negociações com o Ministério da Transparência (CGU) para firmar um acordo de leniência no âmbito da Lava Jato. As tratativas giram em torno das acusações de pagamento de propina para a obtenção de contratos com a Petrobras – no período de 2005 a 2014, entre serviços diretos e indiretos, a empreiteira firmou mais de R$ 9,7 bilhões em acordos com a estatal. Segundo a fonte do RR, a Queiroz Galvão já estaria fazendo caixa para honrar as eventuais multas fixadas pela CGU. A venda da participação de 10% da Queiroz Galvão Exploração e Produção (QGEP) no campo de Carcará teria sido motivada exatamente por esta necessidade. O negócio com a Statoil renderá à QGEP cerca de US$ 380 milhões. Não custa lembrar que, em março, o Conselho de Administração da petroleira propôs a distribuição excepcional de R$ 400 milhões em dividendos – por equivalência patrimonial, 63% desse montante irão para a holding. Procurada pelo RR, a CGU informou que, devido ao “sigilo imposto pela Lei Anticorrupção, não se manifesta sobre nomes de empresas, possíveis termos, existência ou não de acordos, bem como detalhes de eventuais negociações em curso.” A Queiroz Galvão também não quis se pronunciar.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.