Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
19.10.17
ED. 5728

Passando a chave

A Queiroz Galvão planeja passar adiante a QGDI, seu braço de investimentos imobiliários.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.09.17
ED. 5701

Contencioso com a CRT é o novo solavanco no caminho do PPI

Invepar, Queiroz Galvão e Carioca Engenharia surgem como um quebra-molas a mais na acidentada estrada do Programa de Parcerias para Investimentos (PPI). Na semana passada, segundo o RR apurou, a 8ª Vara Federal de Brasília deferiu o pedido de revisão de contrato da Concessionária Rio-Teresópolis (CRT), controlada pelo referido trio. A CRT é uma das concessões incluídas no PPI.

Ao menos, por enquanto. A ANTT tem até o fim de outubro para apresentar uma proposta de reequilíbrio contratual capaz de compensar distorções econômico-financeiras na concessão – procurada, a agência disse ainda não ter sido intimada sobre o caso. A decisão, no entanto, acendeu um sinal de alerta no governo: o receio é que os acionistas da CRT aproveitem a brecha para tentar evitar judicialmente a relicitação antecipada da concessão e brigar pela extensão do contrato.

O governo, ao que parece, terá de passar por ziguezagues nos tribunais para deslanchar o PPI. O caso CRT pode se transformar em perigosa jurisprudência e abrir brecha para que outras concessionárias em condições similares também questionem a licitação antecipada. O contrato da CRT expira apenas em 2021. Mas, na ânsia de catar de tudo que é lado concessões para engordar o PPI e adiantar receitas, o governo decidiu ofertar a autorização ao mercado de imediato.

Também se enquadra nesta situação uma das maiores operações rodoviárias do país, a Nova Dutra, da CCR. Sua licença vence igualmente em 2021, mas a concessão já foi jogada no balaio do PPI. O mesmo se aplica à Concer, da Triunfo Participações. Ao menos no caso da CRT, o temor do governo não é infundado: a petição impetrada pela companhia na 8ª Vara Federal, à qual o RR teve acesso, levanta a hipótese de prorrogação do prazo da licença da CRT como ressarcimento de perdas sofridas pela operadora. O documento cita prejuízos causados por questões variadas, do fechamento de praças de pedágio a reajustes de tarifas represados.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.08.17
ED. 5682

A vez de Queiroz Galvão

A delação dos executivos da Queiroz Galvão já está na mesa de Rodrigo Janot. Segundo o RR apurou, vai sair faísca de tudo que é lado pelo setor elétrico, incluindo a própria Eletronuclear – estatal que já teve um presidente condenado e preso, o Almirante Othon Pinheiro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

08.08.17
ED. 5678

Family office

Mais do que petróleo, os Queiroz Galvão descobriram uma camada de dividendos no pré-sal. A Queiroz Galvão Exploração e Produção (QGEP) vende ativos, segura investimentos, hesita em relação à próxima rodada da ANP e, com isso, engorda o caixa e garante a remuneração de seus acionistas controladores. Estima-se que apenas a venda dos 10% no campo de Carcará para a Statoil, por US$ 379 milhões, aumentará os dividendos programados para este ano em mais de 60%.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.07.17
ED. 5653

Águas de julho

A Itochu quer assumir o controle da Águas do Brasil. Os japoneses, que já compraram parte da fatia societária da Queiroz Galvão, articulam a compra do restante das ações da empreiteira. Avançam também sobre as participações da Cowan e da Carioca Engenharia. Com 14 concessões de saneamento, a Águas do Brasil fatura cerca de R$ 1,5 bilhão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Camargo Corrêa e Queiroz Galvão tentam empurrar o moribundo Estaleiro Atlântico Sul (EAS) e suas dívidas de mais de R$ 2,5 bilhões para a Hyundai. Vale lembrar que a empresa já teve um sócio sul-coreano, a Samsung, que deixou o negócio em 2012, quando o navio começou a adernar.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.06.17
ED. 5649

Marca (quase) indelével

A Queiroz Galvão vai entrar com recurso no TCU contra a decisão proferida pelo órgão em março, declarando a inidoneidade da construtora. Será a segunda tentativa da companhia de apagar o carimbo de má reputação. Em abril, a Queiroz Galvão entrou com embargo de declaração, mas o instrumento foi recusado pelo TCU.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

26.06.17
ED. 5647

BNDES paz e amor

O novo presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, tem se mostrado disposto a renegociar a dívida do Estaleiro Atlântico Sul com o banco, de mais de R$ 1,3 bilhão. Camargo Corrêa e Queiroz Galvão agradecem. O acordo funcionaria como uma “carta-finança” que as duas empreiteiras usariam para tentar vender o estaleiro. Consultado, o banco diz que só “se manifesta nos casos em que eventuais renegociações tenham sido de fato concluídas”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.06.17
ED. 5640

Barril seco

A OGX tenta empurrar sua participação de 40% no campo de Atlanta para a Queiroz Galvão Exploração e Produção (QGEP), sócia do projeto. Difícil colar. A QGEP está mais preocupada em reduzir sua carteira de ativos do que engordá-la.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

04.05.17
ED. 5611

Pombo-correio

Um pombo-correio da Lava Jato informa: a delação de Idelfonso Colares, da Queiroz Galvão, traz fatos ainda mais atômicos sobre o esquema de corrupção na Eletronuclear.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.04.17
ED. 5603

Um comprador para a QGDI

Com uma dívida de curto prazo da ordem de R$ 1 bilhão, a Queiroz Galvão busca um comprador para a QGDI, sua incorporadora imobiliária.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.03.17
ED. 5588

A dona de Carcará

A Statoil está faminta para aumentar sua participação no campo de Carcará, hoje de 66%. Resta saber quem vai ser diluído entre Petrobras, Queiroz Galvão, Barra Energia e a portuguesa Galp.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.03.17
ED. 5587

Velha estrada

Mesmo com a Lava Jato nos seus calcanhares, o presidente nacional do PP, Ciro Nogueira, tem se empenhado em indicar nomes para a diretoria do DNIT. Não custa lembrar que, entre as acusações que pesam sobre o partido, está o repasse de recursos ilegais da autarquia por meio de um contrato com a Queiroz Galvão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.03.17
ED. 5584

Queiroz Galvão promove sua “venda de garagem”

Em meio à entressafra da construção pesada, a empreiteira Queiroz Galvão colocou à venda, em seu próprio site, um lote de máquinas e equipamentos com 50 itens. O bazar vai de um conjunto de soldas da marca Bambozzi, que custa módicos R$ 5 mil, a um guindaste Peiner, de 710 toneladas, ao preço de R$ 700 mil. Se conseguir vender toda a parafernália pelo valor que está pedindo, o que é pouco provável, a Queiroz Galvão embolsará pouco mais de R$ 8 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.02.17
ED. 5567

Os sócios que contaminam a Águas do Brasil

Sócias da Águas do Brasil, Cowan e New Water temem que a empresa não seja autorizada a disputar as novas concessões da área de saneamento. O motivo são os outros dois acionistas da companhia: Queiroz Galvão e Carioca Engenharia, ambas encalacradas com a Lava Jato. Esta última, inclusive, está no meio de um acordo de leniência. Procurada, a Águas do Brasil informou que tem participado de processos licitatórios e é absolutamente independente de seus sócios.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.01.17
ED. 5550

E ainda tem a Queiroz Galvão…

Enquanto todos os holofotes se voltam de maneira justificada para a Odebrecht, a Queiroz Galvão está na bica de fechar seu acordo de delação. O depoimento com maior potencial destrutivo é o do ex-presidente da construtora Ildefonso Colares Filho, que promete espalhar as brasas da Lava Jato pelo setor elétrico. As fagulhas atingiriam até o governo FHC.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

11.01.17
ED. 5536

Grandes construtoras querem distância do “Risco PDG”

Como se não bastassem os credores, que cobram uma dívida superior a R$ 7,5 bilhões, a PDG enfrenta um “motim” entre seus principais parceiros comerciais. Cyrela, Gafisa, Queiroz Galvão, entre outras construtoras, exigem o rompimento das Sociedades de Propósito Específico (SPEs) criadas em conjunto com a combalida companhia. A preocupação destas empresas é evitar que a crise financeira da PDG e um eventual pedido de recuperação judicial contaminem não só os projetos em comum, mas, por extensão, seus próprios negócios.

A porta para esta diáspora societária já está entreaberta. No fim do ano passado, a PDG e a HM1 – leia-se a Hemisfério Sul Investimentos e a gestora norte-americana Farallon – firmaram o descruzamento de suas participações em 18 SPEs. O “Risco PDG” é considerável. Uma recuperação judicial e a consequente suspensão dos pagamentos da incorporadora atingiriam em cheio os empreendimentos pendurados nas SPEs. Cyrela, Gafisa, Queiroz Galvão e cia. temem pelo pior: o gradativo colapso dessas sociedades.

Até porque, na luta pela sobrevivência, a tendência natural é que a PDG dê prioridade aos projetos que controla integralmente. A questão é como descosturar em tempo hábil a teia societária à qual a PDG está amarrada. A companhia está em mais de 700 SPEs, boa parte delas com a presença de terceiros. O distrato de cada uma dessas sociedades passa por complexas negociações de compra e venda das respectivas participações, a exemplo do que foi feito com a HM1.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.01.17
ED. 5530

UTC vende seus anéis

Além da participação no aeroporto de Viracopos, a UTC Engenharia tenta se desfazer da sua fatia no Move São Paulo, o consórcio responsável pela Linha 6 do Metrô paulista. Já teriam ocorrido conversações com a Mitsui. Os demais sócios da UTC na operação são a Odebrecht e a Queiroz Galvão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.12.16
ED. 5515

O petróleo é deles

Os chineses avançam sobre o petróleo brasileiro. Sinopec e Sinochem estaria em conversações para a compra de parte das ações da Queiroz Galvão Exploração e Produção (QGEP) em dois blocos na Bacia Sergipe-Alagoas e outros dois na Bacia Pará-Maranhão. A QGEP tem 100% das quatro áreas. Quer ficar, no máximo, com 30%.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.11.16
ED. 5501

Dívida eletrocuta Queiroz Galvão Energia

 Deu curto-circuito no processo de reestruturação do passivo da Queiroz Galvão Energia, braço do grupo na área de geração. Os credores teriam recusado a proposta apresentada pela companhia para a troca do passivo de curto prazo por debêntures não conversíveis com vencimento em três anos. Bancos e grandes fornecedores, entre os quais a General Electric, pressionam a Queiroz Galvão a vender ativos para cobrir suas dívidas. Os compromissos da empresa para os próximos 12 meses somam cerca de R$ 600 milhões. O grupo teria suspendido pagamentos devido às dificuldades de se refinanciar no mercado após a Lava Jato. O caso da própria GE é um dos mais delicados. A Galvão Queiroz Energia comprou mais de R$ 400 milhões em turbinas eólicas da empresa norte-americana.

 A Queiroz Galvão Energia controla quatro hidrelétricas, cinco usinas eólicas e outras duas de biomassa. Seus ativos estão avaliados em R$ 4 bilhões. Dá e sobra para cobrir a dívida total, mas comprador que é bom não aparece. A intenção do grupo é vender integralmente a subsidiária de energia, mas, na falta de candidato, é provável que a Queiroz Galvão seja obrigada a aceitar propostas avulsas pelas suas usinas. Os credores agradecem.

• Procuradas, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Queiroz Galvão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.11.16
ED. 5500

Queiroz Galvão

 As negociações com a força-tarefa da Lava Jato para a delação de Ildefonso Colares e Othon Zanoide de Moraes Filho, ex-Queiroz Galvão, envolveriam principalmente a usina de Belo Monte. Os dois carregam um baú de boas histórias sobre o projeto. Procurada, a Queiroz Galvão afirma “desconhecer qualquer acordo de delação.”

•••

 Recordar é viver: em suas famosas gravações, o ex-presidente da Transpetro Sergio Machado já alertava sobre a catástrofe que a Queiroz Galvão poderia provocar no PMDB.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 A Queiroz Galvão Exploração e Produção (QGEP) costura a entrada da Statoil no Campo de Atlanta. No melhor dos mundos, os noruegueses comprariam toda a participação da encalacrada OGPar, dona de 40% do consórcio. Operadora do campo, a QGEP tem 30% do negócio. Os outros 30% pertencem à Barra Energia. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: QGEP, OGPar e Statoil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 A Camargo Corrêa incluiu a Santista, uma das líderes no mercado têxtil da América Latina, na lista de ativos à venda. A companhia já sondou dois bancos, entre eles, o Itaú, para atuarem como advisers. A Santista, com fábricas no Brasil e Argentina, responde por 5% da receita do grupo, de R$ 30 bilhões. •••  Por falar em Camargo Corrêa, a companhia e a Queiroz Galvão deverão fazer um aporte de aproximadamente R$ 300 milhões no Estaleiro Atlântico Sul (EAS). A capitalização é fundamental para o estaleiro cumprir o acordo firmado com a Transpetro para a conclusão de oito petroleiros. O contrato deu ao EAS uma sobrevida de pelo menos dois anos. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Camargo Corrêa e EAS.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.09.16
ED. 5452

Itochu sobre as águas brasileiras

 A Itochu quer comprar os 51% restantes da Queiroz Galvão na holding Águas do Brasil. Os nipônicos, donos de 49% do negócio, pretendem consolidar o capital integral da empresa. Além dessa aquisição, a Itochu estuda fazer uma oferta pela OAS Soluções Ambientais. Essa animação toda reflete o baixo preço dos ativos no Brasil, decorrente da valorização cambial e da Lava-Jato. Caso feche as duas transações, a Itochu chegará ao segundo lugar do ranking entre os grupos privados da área de saneamento, atrás apenas da Odebrecht Ambiental . • As seguintes empresas não se pronunciaram ou não comentaram o assunto: Itochu e Queiroz Galvão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

05.09.16
ED. 5448

Ao lado

 O presidente da Queiroz Galvão Exploração e Produção (QGEP), Lincoln Guardado, jogou uma isca na direção da Statoil ao afirmar que a empresa disputará a concessão das áreas adjacentes ao Campo de Carcará, na Bacia de Santos. A QGEP pretende fisgar os noruegueses e chegar de braços com eles no leilão, previsto para o início de 2017. E quem não quer estar ao lado da Statoil? O grupo acaba de investir mais de US$ 2,5 bilhões na compra da participação da Petrobras em Carcará, do qual a própria QGEP é sócia, com 10%.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

19.08.16
ED. 5437

O medo e a união

 A prisão do executivo Othon Zanoide, da Queiroz Galvão, estreitou os laços entre os senadores Renan Calheiros e Valdir Raupp.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 Na Brasilcap, já se dá como certo o fim do reinado de Marcio Lobão, presidente da companhia há quase uma década. Procurada, a empresa nega sua saída. O que não dá para negar é o desgaste dele. Filho do ex-ministro Edison Lobão, está citado na delação premiada de Sergio Machado. Segundo o ex-presidente da Transpetro, Marcio Lobão recebia propinas de R$ 300 mil mensais em nome do pai.  Por falar na família Lobão, o que se diz nos bastidores da Lava Jato é que a ofensiva sobre a Queiroz Galvão vai complicar de vez a situação do ex-ministro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.06.16
ED. 5386

Escalada

 A Queiroz Galvão pensava em vender um pedacinho da sua operação de energia. Depois, admitiu negociar uma participação majoritária. Agora, quem chegar disposto a ficar com 100% da Queiroz Galvão Energia provavelmente leva.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

10.05.16
ED. 5365

Casco rachado

 O rompimento entre a japonesa IHI e os acionistas controladores do Estaleiro Atlântico Sul (EAS) deverá chegar aos tribunais. O grupo nipônico questiona as demonstrações contábeis apresentadas por Camargo Corrêa e Queiroz Galvão. Procurada pelo RR, a Estaleiro Atlântico Sul não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 A Águas do Brasil – controlada por figurinhas carimbadas da Lava Jato, como Queiroz Galvão e Carioca – furou o bloqueio da estatal mineira Copasa. Fechou um contrato de concessão com a prefeitura de Pará de Minas e negocia acordos com mais cinco municípios do estado. Procurada pelo RR, a Águas do Brasil não comentou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

 A Queiroz Galvão tem dado a entender que a Itochu, maior debenturista da Saneamento Águas do Brasil, vai converter todos os seus papéis em ações. Com isso, os japoneses ficariam com aproximadamente 30% do braço de saneamento da empreiteira.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.02.16
ED. 5308

Raspa do tacho

 A Queiroz Galvão está sendo pressionada por interessados no negócio a vender a QGDI, seu braço imobiliário, a preço de banana. Chega a ser quase uma extorsão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

  Poucos investidores internacionais têm levado tão a sério a tese de que é uma boa hora para se comprar ativos no Brasil quanto a Brookfield. Além da iminente entrada no capital da Invepar e do suposto interesse na participação da Petrobras na Braskem, especulado no noticiário nos últimos dias, o RR apurou que a companhia canadense está envolvida em outras duas operações no Brasil, nas áreas de logística ferroviária e saneamento. De um lado, mantém tratativas com o empresário Rubens Ometto para se associar à Rumo ALL; do outro, já teria aberto conversações para a compra de uma participação da Águas do Brasil , holding pertencente às construtoras Queiroz Galvão, Cowan e Carioca Engenharia e Acquapar. Procurada, a empresa de saneamento nega a operação.  A Brookfield está se aproveitando da combinação “perfeita” de momento – câmbio favorável, crise econômica e depreciação dos ativos – para acelerar seu projeto de ocupação e consolidação de setores como energia elétrica, petróleo, concessões de infraestrutura e real estate. O Brasil é a bola da vez no mapa de negócios da companhia. Nos últimos dois anos, para cada quatro dólares desembolsados pelos canadenses na América Latina, três dólares foram direcionados à compra de empresas brasileiras. Nesse período, a Brookfield aportou R$ 5 bilhões no país. Fontes próximas à empresa afirmam que os canadenses reservaram o equivalente a R$ 4 bilhões para novas aquisições ao longo deste ano.  A Brookfield enxerga um aspecto em comum na Águas do Brasil e na Rumo ALL: ambas podem servir como ponto de partida para a montagem de um colar de participações nas áreas de saneamento e de logística ferroviária. As duas empresas guardam também outra semelhança, esta não meritória: fragilizadas pelas circunstâncias, têm encontrado dificuldades para avançar com as próprias pernas. A Águas do Brasil estaria em busca de um sócio há mais de um ano. Já a Rumo ALL prepara um programa de desmobilização de ativos para conseguir honrar os investimentos obrigatórios em suas concessões – ver RR edição de 9 de outubro de 2015. As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Brookfield e Rumo ALL.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.01.16
ED. 5289

Galp coloca seus blocos na gôndola ao lado da Petrobras

 No momento em que os bancos de investimento povoam o mercado com soturnos relatórios e já projetam o brent abaixo dos US$ 20, a Galp Energia decidiu seguir os passos da Petrobras. Seguir os passos, neste caso, não é mera força de expressão. Os portugueses pretendem pegar carona no plano de desmobilização de ativos da estatal para vender participações em blocos de óleo e gás de braços dados com a companhia. O comensalismo também é visto com bons olhos na Petrobras: a expectativa é que a operação casada permita à dupla fechar acordos em condições um pouco mais favoráveis. Para a Galp, o foco principal é o campo de Carcará (BM-S-8), na Bacia de Santos. Dona de 14% do consórcio, a companhia já teria oferecido uma parcela de suas ações à Sinopec e à PetroChina, que vêm mantendo conversações para a compra de uma fatia da participação da Petrobras – a estatal é sócia majoritária, com 66%. A intenção dos portugueses é ficar com menos de 10% e reduzir seu risco em um dos projetos do pré-sal mais promissores e, ao mesmo tempo, mais afetados pela crise do setor e pela arritmia financeira de seu maior acionista e operador. A Petrobras suspendeu todos os investimentos no campo de Carcará, sendo seguida pela Galp e os demais sócios – Queiroz Galvão e Barra Energia.  Em outro front, a Galp quer reduzir sua presença no bloco BM-S-24, atualmente de 20%. É mais um ativo no pré-sal para o qual a Petrobras, detentora dos 80% restantes, busca comprador. Segundo informações filtradas junto à companhia, a indiana Videocon Industries manifestou interesse em assumir parte das ações. Sócio da própria estatal em blocos no Sergipe, o grupo controlado pelo empresário Venugopal Dhoot já anunciou a disposição de investir US$ 2,5 bilhões no Brasil, aproveitando-se da depreciação dos ativos de exploração e produção. No vácuo da Petrobras, a Galp também espera tomar o caminho das Índias.  Não obstante as circunstâncias serem extremamente adversas para a venda de ativos de E&P, a Galp vem sofrendo pressão de seus acionistas para reduzir a exposure no Brasil. O grupo não vive um momento dos mais auspiciosos do ponto de vista da sua liquidez. Enfrenta ainda um período de turbulência institucional, agravado por conflitos trabalhistas em Portugal. Na semana passada, inclusive, funcionários da empresa chegaram a convocar uma paralisação, acusando a Galp de descumprir acordos firmados com sindicatos locais. A empresa Galp não retornou o assunto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.11.15
ED. 5239

Terra encantada

  A norte-americana Hines tem interesse no mega terreno na Barra da Tijuca, no Rio, onde um dia funcionou o parque temático Terra Encantada. A propriedade pertence à Queiroz Galvão Desenvolvimento Imobiliário (QGDI). A ideia da Hines é construir um mix de hotel, prédios residenciais e salas comerciais no local.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

21.10.15
ED. 5231

Área limpa

 Devido aos problemas financeiros da OGPar, a Queiroz Galvão e a Barra Energia estariam negociando com a sócia a compra dos 40% que tem no campo de Atlanta, na Bacia de Santos. O acerto é importante para destravar investimentos no campo, que começará a produzir em 2016. Consultada, a OGPar disse que a informação não procede.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.09.15
ED. 5217

Renúncia coletiva

A Petrobras vai ter mesmo de buscar em mercado um comprador para a sua participação no campo de Carcará. Além da Queiroz Galvão, a dupla Barra Energia e Galp, dona de 24% do consórcio, não tem intenção de exercer sua opção de compra. Não com o Brent abaixo dos US$ 50.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.07.15
ED. 5173

Praça do pedágio

A espanhola Arteris estaria negociando a compra da concessionária BR-153, um dos ativos colocados à  venda pelo Grupo Galvão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

22.07.15
ED. 5168

Saída Sete

As negociações para um aporte do China Development Bank (CDB) na Sete Brasil se estendem também ao Estaleiro Atlântico Sul (EAS). No rastro da operação, a chinesa Cosco deverá se associar ao estaleiro controlado por Camargo Corrêa e Queiroz Galvão. Uma coisa está ligada à  outra: o EAS depende do soerguimento da Sete Brasil, com a qual tem contratos para a construção de sete sondas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.07.15
ED. 5159

Petrobras chama os chineses e avisa: Carcará pega, mata e come

O programa de desmobilização de ativos da Petrobras começa a sair do papel. Após a venda da fatia de 20% no Campo de Polvo e o anúncio da abertura de capital da BR Distribuidora, a estatal negocia sua participação no bloco BM-S-8, localizado na Bacia de Santos. Do outro lado da mesa estão as chinesas Sinopec e Sinochem, que já têm investimentos no pré-sal brasileiro. As conversas passam pela transferência de parte ou até mesmo da totalidade das ações em poder da estatal. Além de operadora do BM-S-8, a Petrobras é também a maior acionista do consórcio, com 66% – os demais sócios são Queiroz Galvão Exploração e Produção (QGEP), a portuguesa Galp e Barra Energia, do ex-Repsol João Carlos de Luca. A negociação é fundamental para os planos da petroleira de levantar US$ 58 bilhões nos próximos quatro anos com a venda de ativos. Ao lado do BM-S-24, também em Santos, e do BM-C-33, na Bacia de Campos, o BM-S-8 forma a trinca de blocos no présal que já teriam sido colocados a  venda pela Petrobras. Todas estas concessões têm um ponto em comum: foram incorporadas a  carteira da companhia antes da promulgação da lei que a obriga a ter participações societárias e ser a operadora única de todos os campos no pré-sal. A venda da participação da Petrobras no BM-S-8 resolverá um problema para a própria companhia e seus sócios no campo. Certamente nenhum dirigente da QGEP, da Galp ou da Barra Energia admitirá publicamente tal desejo, mas todos querem a estatal longe do negócio. O estado de paralisia da Petrobras nos últimos meses afetou duramente a operação. Os aportes da estatal rarearam e, com isso, o cronograma das atividades de exploração e produção já estaria comprometido em quase dois anos. Os atrasos envolvem desde os estudos e testes geológicos até a contratação de equipamentos e prestadores de serviço. Tudo está fora dos trilhos no BM-S-8. A situação chegou a tal ponto que, segundo fontes próximas a  própria Galp, o grupo português chegou a cogitar sua saída do negócio. Coube aos demais sócios colocar panos quentes. A maior preocupação da Galp, QGEP e Barra Energia – donas, respectivamente, de 14%, 10% e 10% do consórcio – é o projeto Carcará. Trata-se da joia da coroa da carteira de participações das três petroleiras e uma das grandes promessas do pré-sal brasileiro. Os estudos feitos até o momento indicam um potencial de produção no local em torno de 3,2 milhões de barris diários em 2018 – para efeito de comparação, a projeção para o megacampo de Libra é de 4,2 milhões de barris/dia em 2020.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.07.15
ED. 5155

Empreiteiras precisam de garantia para as concessões

As maiores empresas de construção pesada do país estariam se articulando para levar ao governo uma reivindicação que pode ser decisiva para o êxito ou não do novo programa de concessões. Segundo fonte de uma das empreiteiras, é necessário um instrumento legal e definitivo capaz de separar as companhias da interdição de seus controladores e gestores, medida que revogaria os óbices para a participação nos próximos leilões de infraestrutura. A alegação é que a falta de uma garantia firme praticamente inviabilizará sua presença nas licitações. Nas atuais circunstâncias, as empresas de construção pesada terão notórias dificuldades para obter financiamento e atrair investidores para os consórcios. Afinal, quem vai apostar em um cavalo sub judice ou com o risco de ser alvejado por alguma delação? Ainda não há uma definição da figura jurídica que poderá fundamentar tal decisão. O certo é que se trata de uma negociação complexa, tanto do ponto de vista político quanto legal, que terá de passar por diversas esferas, como Poder Executivo, notadamente o Ministério da Justiça e a Casa Civil, Ministério Público e Judiciário. Imagina-se que o próprio governo tenha o maior interesse na matéria. Difícil que o novo programa de concessões saia do chão sem a participação de Odebrecht, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão e de boa parte das 300 grandes e médias empresas de construção pesada no Brasil. Onde o governo vai encontrar investidores dispostos a desembolsar quase R$ 200 bilhões em 15 concessões rodoviárias, 11 aeroportos, cinco ferrovias e 45 terminais portuários? As empreiteiras estão num voo a s cegas. Até o momento, sua participação no programa de concessões tem sido objeto de declarações assimétricas ou mesmo dúbias. Recentemente, o juiz Sergio Moro disse que as empreiteiras citadas no escândalo não estão proibidas de firmar contratos com a administração pública, mas – sublinhe-se o “mas” – falou também que o futuro plano de concessões pode ser uma nova fonte de corrupção para as construtoras reincidirem em crimes. Uma frase como esta não passa despercebida a bancos, agências de fomento, empresas de classificação de risco ou investidores internacionais. Quando confrontado com as declarações de Moro, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, limitou-se a dizer, com certa timidez, que era “descabido” lançar suspeitas sobre o plano de concessões. Pouco, muito pouco. Mesmo porque, segundo notícias na mídia, o próprio Moro chegou a considerar que, no caso da Odebrecht, o ideal seria a suspensão de todos os contratos e atividades da construtora. O risco é que a declaração indique o embrião de uma jurisprudência. Qualquer restrição a  presença das grandes e médias empreiteiras nos próximos leilões é interferir diretamente no futuro destas companhias. Investir em infraestrutura é um processo em cadeia: novos projetos aumentam a curva de retorno dos empreendimentos já em curso graças a  captura de sinergias. Portanto, caso as construtoras venham a ser impedidas de entrar nos novos leilões, tal restrição terá impacto na performance de concessões das quais elas já participam. Ou seja: cassar o porvir das empresas de construção pesada também significa alijar o seu presente e o seu passado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.06.15
ED. 5152

Mudança de rota

Há uma revolução em curso na Accor. Depois de quase duas décadas no cargo, Roland Bonadona deixa amanhã o comando do grupo hoteleiro no Brasil. Junto com ele sai a estratégia de expansão das bandeiras de padrão econômico, como o Ibis. A prioridade agora é a rede Sofitel. Procurada, a Accor confirmou tanto a troca de comando quanto a mudança de estratégia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

23.06.15
ED. 5147

Mudança de rota

A Queiroz Galvão Desenvolvimento Imobiliário (QGDI) estuda reduzir sua participação no empreendimento que será construído no terreno do antigo parque Terra Encantada, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. Oficialmente, a empresa nega a operação. No entanto, segundo fontes próximas a  QGDI, a necessidade de abater sua dívida pode acabar falando mais alto.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

02.06.15
ED. 5133

Queiroz Galvão

A Queiroz Galvão está revendo sua participação na construção da hidrelétrica de Tumarín, na Nicarágua, orçada em pouco mais de US$ 1 bilhão. Em tempos de Lava Jato, uma boa dose de prudência não faz mal a ninguém. O controverso projeto da Eletrobras tem sido duramente questionado pelos minoritários da empresa. Ainda assim, a estatal segue no empreendimento.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.05.15
ED. 5122

Tal lá como cá

A Queiroz Galvão está cortando um dobrado para receber o pagamento por obras em Angola.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

14.05.15
ED. 5120

A Camargo Corrêa e a Queiroz Galvão

A Camargo Corrêa e a Queiroz Galvão procuram na China um sócio para o Estaleiro Atlântico Sul.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.04.15
ED. 5101

Queiroz Galvão

A Queiroz Galvão estaria demitindo cerca de 30 profissionais no Rio e em São Paulo. Dessa vez, o mordomo da história não é o “petrolão”, mas a retração no mercado imobiliário. Os degolados pertencem a  Queiroz Galvão Desenvolvimento Imobiliário.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

01.04.15
ED. 5092

Petrobras é sinônimo de ficha suja para estaleiros

Foi-se o tempo em que a Petrobras era uma boa companhia que fique bem entendido o jogo de palavras da afirmação. Se, ao longo da história, ter uma relação comercial com a petroleira sempre foi uma demonstração de prestígio e um atestado de proficiência, hoje há um claro receio dos prestadores de serviço em aparecer na mesma foto em que a estatal. Aos poucos, estes fornecedores ensaiam um processo de descolamento da companhia. É o caso da QGI Brasil, a antiga Quip, controlada pela Queiroz Galvão (80%) e pela Iesa a“leo e Gás (20%) e dona do estaleiro Honório Bicalho, na cidade de Rio Grande (RS). No melhor estilo “Toma que o filho é teu”, a empresa está devolvendo a  Petrobras o contrato para a construção de duas plataformas, a P-75 e a P- 77. Os equipamentos deveriam ser entregues ainda neste ano, mas, até o momento, apenas 30% do processo de montagem estão concluídos. A QGI ganhou a licitação para o fornecimento das duas plataformas em 2013, ao preço de US$ 800 milhões cada uma. A dobradinha OSX/Mendes Junior vai pelo mesmo caminho da QGI e também se mexe para se desgrudar da Petrobras. Neste caso, a dupla parece ter encontrado uma “solução de mercado”. Com a concordância da própria estatal, está repassando a um grupo chinês o contrato para a integração dos módulos e montagem de dois FPSO (embarcações para o armazenamento e transferência de óleo), cuja licitação ocorreu em 2012. Ao todo, o projeto está orçado em aproximadamente US$ 900 milhões. Ao contrário do que as circunstâncias possam sugerir, o descolamento da Petrobras não é motivado (apenas) pela inadimplência da companhia. O que move os prestadores de serviço é, notadamente, o risco de crédito. Ter contrato com a estatal virou um estigma. Hoje, o fato de uma empresa carregar em sua carteira contratos futuros e performados da Petrobras tornou- se, por si só, um óbice para a obtenção de recursos. Nem é necessário ser um ficha suja. Vide o caso da própria QGI. A empresa cometeu o “pecado” de ter tido entre seus sócios a UTC Engenharia e a Camargo Corrêa, encalacradas até o pescoço com a Lava Jato. Ambas já deixaram o negócio: a primeira em julho de 2013; a segunda, sete meses depois. No entanto, o estaleiro paga o preço pelo malfeito alheio. Ou seja: a maldição do “petrolão” inverteu a ordem natural das coisas: hoje, um fornecedor da Petrobras precisa provar, de antemão, que não tem culpa no cartório. Há ainda outro fator que estimula a devolução dos contratos. Os prestadores de serviço sabem que, na atual conjuntura, pleitos absolutamente dentro das regras do jogo como ampliação dos prazos de entrega e aditivos para cobrir aumento de custos do projeto não serão aceitos pela Petrobras. Sendo assim, melhor passar o bastão para outro corredor. A questão é que a bola de neve não para de crescer: empreiteiras, estaleiros, bancos… Aos poucos, os mais diversos setores têm sido carregados pela avalanche da Lava Jato, o que só aumenta a necessidade de uma emergencial freada de arrumação neste processo. Se não houver uma pronta intervenção por parte do governo, crescem consideravelmente as chances de uma debandada em massa dos fornecedores de capital nacional, deixando a porta escancarada para a chegada de forasteiros. É tudo o que a gringolândia mais deseja.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.