fbpx

Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

planos
27.07.22

Antes tarde do que nunca

Mais de dois anos após o início da pandemia, o Ministério da Saúde pretende ampliar o escopo de notificações de registros de Covid. Esse mapeamento do número de casos é fundamental para direcionar a distribuição de vacinas e o repasse de recursos. A principal mudança será a possiblidade de pessoas infectadas informarem diretamente à Pasta por meio da plataforma ConecteSUS. Bastará a apresentação do teste de farmácia. Hoje essa alimentação é feita exclusivamente pela rede de saúde, pública.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.03.22

Queda de braço na saúde

As despesas do SUS com o atendimento de refugiados venezuelanos seguem causando atrito entre o Ministério da Saúde e o governo de Roraima. O STF determinou que a União deve ressarcir a Secretaria Estadual de Saúde, cobrindo metade dos gastos. No entanto, o Ministério ainda não repassou os valores – em torno de R$ 70 milhões referentes a 2021. Nos bastidores, o governo federal questiona o volume de despesas apresentadas pelo estado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

13.12.21

Estava escrito nas estrelas e no RR

Não é de hoje que o TCU vem alertando sobre a fragilidade da plataforma Conecta SUS, do Ministério da Saúde, alvo de um ataque hacker na última sexta-feira. O assinante do RR sabe bem da gravidade do assunto: na edição de 8 de outubro, a newsletter informou sobre a realização de uma nova auditoria nos sistemas da Pasta pelo Tribunal de Contas. Em uma averiguação anterior, a Corte identificou 24 “riscos significativos” na proteção de dados do SUS. Ou seja: a invasão de sexta-feira era pedra mais do que cantada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.11.20

Governadores cobram “mini orçamento de guerra” para a saúde

O RR apurou com exclusividade: está em formação uma frente de governadores que vai pressionar o governo Bolsonaro a manter em 2021 uma espécie de “mini orçamento de guerra” – ainda que não com os R$ 35 bilhões a mais injetados no SUS neste ano. A proposta orçamentária ordinária projetada para 2021 é menor até mesmo do que a cifra fixada para este ano antes da pandemia: R$ 127 bilhões contra R$ 134 bilhões. Essa cifra é considerada curta demais para cobrir a demanda reprimida da rede pública, que cobrará seu preço em 2021. Mais de 60% dos procedimentos cirúrgicos e exames que seriam realizados em 2020 foram suspensos e empurrados para o próximo ano

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.10.20

Uma vez Paulo Guedes, sempre Paulo Guedes

Paulo Guedes quer fritar os bancos comerciais e privatizar o SUS. Em relação aos grandes bancos, é possível que o ministro tenha criado algum trauma – diz-se que era um apostador contumaz no mercado de ações, o que o teria levado a perder uma pequena fortuna. O fato é que Guedes se empapuçou de ganhar dinheiro em um desses bancos – o Pactual, hoje chamado de BTG – que, segundo ele, “enganam 200 milhões de trouxas”. Agora se sente à vontade de escarnecer com a antiga casa e moradias vizinhas. Quanto ao SUS, Paulo Guedes nunca foi e nem irá mesmo. By the way: a Febraban pode usar sua milionária tropa de choque – Nizan Guanaes, Ana Tavares e Antonio Lavareda – para enfrentar a falta de limites de Paulo Guedes.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

28.06.19

As rugas de um país

Tem faltado toxina botulínica, o popular “Botox”, nos hospitais da rede pública de diversos estados, notadamente no Nordeste. A substância é usada, sobretudo, no tratamento de alterações musculares decorrentes de lesões neurológicas. Enquanto isso, mais de cinco mil clínicas particulares do país vendem Botox a balde para fins estéticos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.