07.05.18
ED. 5861

Minoritários em guerra com a CSN

O RR apurou que um grupo de minoritários da CSN, capitaneado por uma importante gestora de recursos, vai entrar na Justiça contra a companhia. O objetivo é garantir a indicação de um representante para o Conselho Fiscal. Os insurretos, que, juntos, chegam a aproximadamente 8% do capital ordinário, acusam a siderúrgica de Benjamin Steinbruch de fazer seguidas manobras para barrar a nomeação. A gota d´água foi o adiamento da assembleia de acionistas marcada para o último dia 27 de abril, quando a indicação seria selada. Esta, ressalte-se, não é a única contenda entre a CSN e minoritários. Outro grupo de acionistas busca desde o ano passado indicar um nome para o Conselho de Administração. Mas esbarra em um paredão. A última tentativa se deu no mês passado. A CSN, no entanto, impediu a inclusão de um candidato ao board no boletim de voto a distância da assembleia que ocorreria no dia 27, alegando que a renovação do Conselho só se dará em 2019. Procurada pelo RR, a CSN informou que o adiamento da assembleia teve como objetivo “conferir tratamento equânime a todos os acionistas” para a indicação de nomes ao Conselho Fiscal. Sobre o contencioso com os minoritários, a empresa não quis se manifestar.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.