18.10.17
ED. 5727

Um acordo que vale mil postos de trabalho

Há uma negociação aberta entre a Ecovix e a Petrobras para o equacionamento de um impasse que se arrasta desde o ano passado e inviabiliza as atividades no estaleiro gaúcho. No dia 10 de outubro, o diretor-presidente da empresa, Christiano Bastos Morales, enviou carta ao diretor executivo de Desenvolvimento de Produção e Tecnologia da estatal, Roberto Moro – à qual o RR teve acesso –, com propostas para o aproveitamento econômico das estruturas já construídas da P-71. No fim de 2016, a Petrobras suspendeu o contrato de montagem da plataforma.

O cancelamento da encomenda deixou a companhia com um problema financeiro e outro físico, que, somados, praticamente impedem a utilização do estaleiro: são mais de 38 mil toneladas de blocos já executados da P-71 espalhados pelo dique seco e áreas adjacentes da empresa. Por força de contrato, cabe à Petrobras arcar com as despesas referentes ao descarte da plataforma. Estima-se que o custo total seja da ordem de R$ 124 milhões incluindo o pagamento de tributos e o sucateamento da estrutura.

A Ecovix, braço de construção naval da Nova Engevix, se propõe a utilizar R$ 112 milhões desse valor para concluir a solda dos blocos já construídos e regularizar a P-71 junto à Receita Federal. Os R$ 12 milhões de diferença seriam devolvidos à própria estatal, que, assim, reduziria parte das perdas decorrentes de suas obrigações contratuais. Em contrapartida, a Ecovix passaria a ser a proprietária da plataforma, podendo vender a estrutura a terceiros.

Além de liberar o espaço físico no estaleiro, a empresa, hoje em recuperação judicial, ganharia fôlego para disputar contratos na esteira dos novos leilões do pré-sal, programados para o fim do mês. Isso para não falar que o acordo com a Petrobras levaria à contratação imediata de aproximadamente mil trabalhadores pelo prazo de 13 meses, tempo estimado para a conclusão da P-71. Não é pouca gente.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.