fbpx
29.04.20

Protagonismo do Congresso no debate sobre auxílio emergencial deve incomodar Bolsonaro

Termômetro

INSTITUCIONAL

Protagonismo do Congresso no debate sobre auxílio emergencial deve incomodar Bolsonaro

A expectativa amanhã é para o texto de auxílio a estados e municípios que começa a tramitar no Congresso e tem previsão para ser votado neste sábado em caráter de urgência. O documento vai detalhar como a ajuda da União será distribuída para o combate ao coronavírus e quais serão as contrapartidas dos entes da Federação.  Os últimos números do Ministério da Saúde mostram 6.276 novos casos e 449 óbitos em apenas 24 horas.

Com a apresentação do projeto, cuja coautoria foi reivindicada por Paulo Guedes na coletiva da Saúde de hoje, o governo espera dividir com os estados e com o Congresso o protagonismo no combate à pandemia.  Hoje Rodrigo Maia, presidente da Câmara, disse que pretende promover um grande debate técnico para ajudar a definir políticas públicas que minimizem os impactos do coronavírus no sistema de saúde e na economia dos estados e municípios.

As atenções também estarão voltadas para a escolha do novo diretor-geral da Polícia Federal. Alexandre Ramagem foi devolvido à direção da Abin, depois que o ministro Alexandre de Moraes, do STF, barrou a sua nomeação, levando o presidente a amargar um dia de derrota e a questionar a independência dos três poderes.

Bolsonaro, no entanto, não desistiu totalmente da indicação do amigo. Uma das missões do novo advogado geral da União, José Levi, e do novo Ministro da Justiça, André Mendonça, é encontrar uma brecha jurídica que garanta Ramagem no comando da PF sem que isso incorra no desvio de finalidade apontado pelo STF. Pode haver novidades já amanhã, e a tensão entre os Três Poderes permanecerá em alta.

ECONOMIA

Índices de confiança da Economia

Amanhã, o Instituto Brasileiro de Economia (FGV IBRE) divulga dois indicadores que mostram como os empresários estão reagindo à pandemia e para onde vai a economia: o Índice de Confiança Empresarial (ICE), que mostra a situação corrente dos negócios da indústria, do Comércio, dos serviços e da construção; e o Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br), que mede as incertezas do mercado em relação a novos tributos e ao governo. A previsão é de que haja queda no ICE e aumento da incerteza em razão da pandemia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.