fbpx
03.03.20

PIB 2019: Consequências para as reformas e para o mercado

Termômetro

O anúncio dos números finais do PIB 2019, amanhã, terão amplo efeito, político e econômico.

Politicamente, serão lidos como a medida do sucesso da equipe econômica no primeiro ano de governo, com implicações diretas na imagem do ministro Paulo Guedes, bem como em sua força junto ao presidente e ao Congresso. Resultado positivo (acima de 1%) impulsionaria o envio da reforma administrativa pelo Planalto e o avanço da tributária em negociações no âmbito de Comissão Mista do Senado e da Câmara.

Em termos econômicos, haverá duas percepções: na superfície, sobre o dado anual; mais profundamente, com olhar voltado para o último trimestre – curva que projeta efetivamente as tendências para 2020. É esse recorte que pode servir de contraponto a temores provocados pelo coronavírus – ou alimentá-los.

Os juros nos EUA e a Selic no Brasil

Paralelamente, a decisão do FED em baixar a taxa de juros dos EUA, hoje, favorecerá, nesta quarta, forte especulação sobre novas reduções da Taxa Selic, pelo Banco Central – que já sinaliza com essa possibilidade.

Votação no Congresso delineará o equilíbrio de forças entre os poderes

O resultado da votação, esperada para a noite de hoje, que delimitará o valor do orçamento a ser executado pelo Congresso, também traçará um duplo panorama: por um lado, de relação do governo federal com a Câmara e o Senado; por outro, do equilíbrio de forças nas duas Casas.

Se prevalecer o acordo proposto pelo governo, com medidas enviadas no final do dia de hoje, o Planalto atingirá espécie de meio termo: o relator do Orçamento na Câmara ficaria com aproximadamente R$ 15 bilhões, mas não os R$ 30 originalmente previstos. Seria vitória parcial em quebra de braço com a Câmara (e algum freio a avanços sobre atribuições do Executivo), mas sem arranhar a posição de Rodrigo Maia. E a composição com Alcolumbre.

Já se o acordo for rejeitado – ou, o que seria mais provável, a votação adiada – a partir de movimento paralelo do Senado para manter o controle total dos R$ 30 bilhões nas mãos do governo, Maia, o Centrão e Alcolumbre sairão derrotados e prerrogativas do Executivo fortalecidas – assim como grupo de senadores que busca se afirmar como polo alternativo de poder no Congresso.

Mas as chances de retaliação não poderiam ser descartadas.

Um moderado contra Bernie Sanders?

Resultados da Superterça nos EUA indicarão as chances reais de que um candidato da ala moderada do partido democrata consiga enfrentar o hoje favorito Bernie Sanders.

A economia real – dados dos EUA

Em meio a turbulências nas bolsas – nacional e internacionalmente –, dois números terão maior significado amanhã, por indicarem possíveis tendências econômicas: Nos EUA, para fevereiro, Emprego no Setor Privado, que deve trazer recuo de postos gerados (de 291 para 170 mil) e PMI (ISM) de Serviços, para o qual também se espera retração (de 55,5 para faixa entre 55,1 e 49,6).

Os números não fogem do previsto, mas devem gerar efeitos negativos nos mercados globais, especialmente se não houver mais nenhuma sinalização de medidas coordenadas de estímulo diante de efeitos do coronavírus.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.