fbpx
06.05.20

Governo mais forte no Congresso X Enfraquecimento de Paulo Guedes?

Termômetro

POLÍTICA

Governo mais forte no Congresso X Enfraquecimento de Paulo Guedes?

Projeto de auxílio aos estados se manterá como pauta política central nesta quinta, agora de volta ao Senado, após novas mudanças na Câmara. O presidente da Casa (e relator do projeto), Davi Alcolumbre, recuou da decisão de reincluir professores no congelamento de salários de servidores públicos por 18 meses, mas iniciativa parece, até o momento, mais ligada a negociações com o próprio governo do que com o presidente da Câmara Rodrigo Maia.

Nesse sentido, os próximos dias serão importantes para definir o equilíbrio de poder no Congresso e o avanço de iniciativa do presidente Bolsonaro, que busca isolar Rodrigo Maia com apoio do Centrão (que já começa a ganhar cargos no governo) e articulação com senadores.

O outro ponto importante serão as consequências de negociações acerca do projeto para o ministro Paulo Guedes. Ele pode perder terreno, novamente, para alas “desenvolvimentistas” do governo, que defendem aumento de gastos e tem como base os ministros militares, articulados com o ministro de Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, e o próprio Centrão.

Paralelamente, aumentará a pressão sobre o presidente Bolsonaro com a curva ascendente de mortes por coronavírus. Pelo segundo dia seguido foram registrados mais de 600 óbitos no país.

ECONOMIA

Juros abaixo do esperado no Brasil; desemprego nos EUA

No Brasil, o dia será marcado pelo efeito – e análises – sobre o corte acima do esperado na taxa de juros, que foi para 3%.

Internacionalmente, terá impacto amanhã a divulgação dos pedidos de seguro desemprego nos EUA para a primeira semana de maio. Ainda que abaixo dos 3,838 milhões da semana passada, número deve se manter alto, na casa dos 3 milhões, o que levará o total de pedidos das últimas semanas a ultrapassar a marca de 30 milhões. Também nesta quinta está prevista a Balança Comercial da China para abril. Estima-se queda na faixa de 12% em importações e entre 12% e 15% em exportações.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.