fbpx
13.03.20

Entre estabilização e incerteza

Termômetro

POLÍTICA E ECONOMIA

Entre estabilização e incerteza

Anúncio do ministro Paulo Guedes, de que apresentará em até 48 horas plano emergencial (com injeção de recursos e crédito, sem abandonar o ajuste fiscal) para enfrentar efeitos econômicos do coronavírus, pode tirar o governo da defensiva e gerar contraponto importante à volatilidade do mercado. A possibilidade ficou clara, hoje, pela forte e rápida reação da bolsa à mudança de tom do ministro.

Se Guedes der continuidade, nos próximos dias, à agenda de medidas específicas, que transmitam coordenação e iniciativa, os parlamentares se verão duramente pressionado a dar uma resposta para a sociedade e para o mercado. Crescerão exponencialmente as chances de que ganhem tração não somente medidas de estímulo como a PEC Emergencial, o processo de privatização da Eletrobras e o novo marco do saneamento. As reformas administrativa e tributária, no momento, devem permanecer na geladeira.

Os ventos positivos devem vir, também, da percepção de maior mobilização dos EUA, com declaração de estado de emergência (e liberação de US$ 50 bilhões anunciados hoje pelo presidente Trump) e da Alemanha (que se comprometeu com “apoio ilimitado” a empresas afetadas). Em segundo plano, boas notícias sobre o combate ao vírus na Coreia do Sul, Japão e China.

Qualquer evolução no cenário, contudo, se dará em avanços e recuos, de acordo com notícias do dia. Na política, o maior risco é o esgarçamento da articulação entre governo e Congresso, que se deteriorou não somente em termos institucionais como pessoais – entre o ministro Guedes e Rodrigo Maia e, sobretudo, entre lideranças da Casa e o presidente Bolsonaro. Nova troca de acusações reporá percepção de paralisia e impactará rapidamente – para pior – as expectativas econômicas.

Psicológica e economicamente, os efeitos negativos virão da expansão por todos os países europeus – e pelos EUA – de medidas duras (ainda que em menor grau que as da Itália) e pela situação no Brasil, cuja população apenas começa a realizar as consequências no cotidiano que se farão sentir, em breve, mesmo com atuação eficiente do Ministério da Saúde. O principal exemplo, nos próximos dias, será o fechamento de escolas e Universidades.

Entre domingo e segunda feira serão divulgados os dados de venda no varejo e da produção industrial na China, no primeiro bimestre de 2020, e o indicador do FED para a indústria de Nova York, em março. Fortes quedas estarão dentro do esperado, em função do coronavírus.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.