01.03.19
ED. 6066

Reforma da Previdência também passa pelo GSI

O Palácio do Planalto acredita que o sucesso na tramitação da reforma da Previdência não é uma missão restrita à base aliada no Congresso, mas também um caso da área de informações. Os ministros do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, e da Secretaria de Governo, general Carlos Alberto dos Santos e Cruz, estão focados na definição de estratégias para a blindagem da família Bolsonaro. O consenso é que a travessia no Congresso não sofrerá percalços. A perda de até R$ 300 bilhões em negociações com os parlamentares já está prevista nos cálculos.

Uma economia de R$ 800 bilhões nos gastos previdenciários em 10 anos é considerada razoável pelo governo. O que pode detonar a tramitação são os vazamentos ou “refogados” de notícias que submergiram. A acumulação patrimonial do presidente, formal ou informal – empréstimos e pagamentos nãocomputados, a exemplo do “caso Queiroz” – é uma área crítica. A imagem de Bolsonaro e da sua família está muito sensível. Dinheiro no bolso, poupança, imóveis, soldo, viagens, pechinchas, tudo isso é material de uso inflamável na reforma da Previdência.

Os militares do setor de informações irão minerar dados no Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), ligado ao Ministério da Justiça, e auscultar o Conselho Federal de Corretores de Imóveis (Cofeci). Não pode sobrar um grão de poeira de dúvida sobre a movimentação financeira e a origem e preços dos bens do clã Bolsonaro, que têm alguns ativos com a propriedade cruzada. A comunicação, com respostas precisas e operações de direcionamento eficaz, precisa estar engatilhada.

No âmbito dos refogados, a título de exemplo e esquecida em algum sopé da história, encontra-se a suspeição do Cofeci de “sérios indícios de lavagem de dinheiro” na aquisição de uma casa por Jair Bolsonaro na Barra da Tijuca. A operação teria se dado por um preço muito abaixo do valor de mercado, após a antiga proprietária ter feito obras no imóvel. A reforma da Previdência é progressiva na tributação da renda. Mas tem suas pegadinhas na redução dos benefícios sociais para os mais pobres e idosos. Imagine se a grana do presidente volta à baila. Vai tudo para o espaço.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.