16.01.18
ED. 5787

“Rebelião societária” atrasa planos da Cemig

A direção da Cemig está com os nervos à flor da pele. A estatal mineira teme que a ofensiva dos acionistas minoritários da Renova Energia inviabilize a venda da sua participação na empresa – operação visceral para a redução de sua dívida. A Brookfield já se dispôs a fazer um aporte de capital de R$ 1,4 bilhão, que diluiria a participação da Cemig. No entanto, fundos acionistas da Renova entendem que o modelo seria uma aquisição direta da participação da distribuidora mineira travestida de capitalização. Por isso, exigem o tag along, com a extensão da proposta a todos os acionistas. Investidores ameaçam, inclusive, entrar na Justiça para barrar a operação. A Brookfield tem todo o interesse em fechar o negócio o quanto antes, mas desde que não tenha de pagar mais pelo ativo. A Cemig, dona de casa, que trate de conter os insatisfeitos para garantir o acordo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.