24.07.17
ED. 5667

O trauma de Maria Silvia

A experiência na presidência do BNDES foi too much para Maria Silvia Bastos Marques. A economista não quer mais saber de setor público. Pagou o pato de ter de elevar o nível de um governo execrável. E foi perseguida pelo lombrosiano Paulo Skaf. Antes dela, somente o saudoso economista Antonio Barros de Castro tinha permanecido tão pouco tempo à frente do banco – outubro de 1992 a março de 1993.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.