04.06.18
ED. 5880

O destino de Parente está traçado

A “Rádio BRF” informa: o ex-presidente da Petrobras, Pedro Parente, não só vai assumir o cargo de CEO da empresa como já teria, inclusive, acertado sua remuneração: um salário anual em torno de R$ 6,8 milhões – o triplo do que recebia na estatal. Esta é a informação que circulava nos corredores da companhia na última sexta-feira, poucas horas após Parente anunciar seu desligamento da Petrobras. O que se dizia, inclusive, na fabricante de alimentos é que, inicialmente, Abilio Diniz teria convidado Parente para assumir a presidência executiva da BRF e não o Conselho de Administração, posto que ocupa hoje. Em tempo: que ninguém acuse o executivo de ter uma atitude pouco ética ao eventualmente aceitar a missão de comandar a BRF. Se há um Brutus nesta história é o próprio governo, que esfaqueou Parente pelas costas. Primeiro, forçou o executivo a engolir uma redução dos preços de diesel; depois, fritou Parente ao jogar sobre suas costas a responsabilidade pela política de preços dos combustíveis da Petrobras, que, em uma última instância, também era sua. O destino de Parente está traçado.

Por falar em Pedro Parente, o RR apurou que Fernando Henrique Cardoso tentou demover seu antigo ministro da Casa Civil da ideia de deixar a presidência da Petrobras. A conversa teria ocorrido no feriado da última quinta-feira. Em vão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.