fbpx
05.01.17

Votorantim e Santander lideram um pelotão eólico

Os ventos estão empurrando a Votorantim, o Santander e os fundos de pensão canadenses Ontario Teacher’s Pension Plan e Public Sector Pension Investment Board em direção à geração de energia eólica. Em tratativas guardadas a sete chaves, o quarteto discute a criação da segunda maior empresa do setor – abaixo apenas da CPFL Renováveis – com ativos de R$3 bilhões e nove parques eólicos no Nordeste. A fonte do RR, próxima de um dos investidores, informou que as gestões começaram no mês passado.

A iniciativa teria partido da família Ermírio de Moraes, interessada em diversificar a carteira de ativos da Votorantim Energia, quase que integralmente concentrada em hidroeletricidade. Procurado, o Grupo Votorantim nega as negociações. Está feito o registro. A Cubico Sustainable Investments, que concentra os ativos de energia eólica do Santander e dos fundos canadenses, não se pronunciou. A nova empresa tem previsão de uma capacidade instalada da ordem de 821 MW – 615 MW referentes às usinas da Cubico e o restante, da Votorantim.

O plano é que os projetos estejam todos operacionais no mais tardar em 2019. Os acionistas prometem colocar o pé no acelerador para atingir uma produção equivalente a 10% da geração de energia eólica do Brasil. A proposta dos Ermírio de Moraes é dividir o controle da nova empresa com a Cubico. O grupo brasileiro aportaria capital, além dos sete parques eólicos no Nordeste.

A associação dos pesos-pesados desata um nó da estratégia da Votorantim: o aumento da escala de geração de energia eólica sem a responsabilidade do investimento total nas usinas. Os planos dessa “empresa vendaval” somente estariam começando com a fusão. Votorantim e Cubico selariam a associação com o compromisso de investir R$ 3 bilhões em novas usinas eólicas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.