03.07.17

Uma locomotiva na direção do TCU

Das duas uma: ou o governo está deliberadamente disposto a bater de frente com o TCU ou tem oferecido a investidores da área de infraestrutura o que não poderá entregar. Para atrair candidatos ao projeto da Ferrogrão, uma das concessões penduradas no PPI, acena com a exclusividade no uso da malha por 30 anos. Nesse período, o operador poderia negociar ou não o direito de passagem com outros concessionários. Não é o que reza a cartilha do TCU, que tem obrigado as concessões ferroviárias a abrir caminho para trens de outras empresas. No fim das contas, o mais provável é que o governo crie juízo e desista de dar uma de “João sem braço”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.