fbpx
20.01.20

Para a InBev, cerveja é substantivo masculino

Recomenda-se a Jorge Paulo Lemann prestar mais atenção às políticas afirmativas que não estão sendo praticadas nas suas empresas. A Brahma, que integra o conglomerado cervejeiro de Lemann, enfrenta uma crise de imagem na Argentina. A marca teve de tirar do ar, às pressas, a campanha publicitária da “Brahma Lime”. No filmete, uma moça na praia é puxada por um grupo de banhistas, predominantemente homens, levada para o mar e forçada a tomar um gole da cerveja. A reação foi imediata.

A cervejeira passou a ser atacada nas redes sociais e criticada por entidades de defesa dos direitos femininos devido ao tom sexista do anúncio. “Misógina”, “ginecófoba” “violenta”, “machista” foram alguns dos termos usados em referência à Brahma. A repercussão chegou a tal ponto que, no último dia 12, a ministra de las Mujeres, Géneros y Diversidad da Argentina, Elizabeth Gómez Alcorta, se manifestou sobre o assunto no Twitter. Ainda que indiretamente, o episódio respinga na reputação das empresas de Jorge Paulo Lemann no setor de bebidas. Lemann é consagrado como o mais influente acionista da AB InBev, maior fabricante de cervejas do mundo. Esta, por sua vez, controla a Cervecería y Maltería Quilmes, fabricante da Brahma na Argentina, e a brasileira AmBev.

Não é a primeira vez que uma das cervejeiras de Lemann é acusada de misoginia. Em 2015, a AmBev lançou uma campanha da Skol com o mote “Esqueci o não em casa”. A frase ressoou como um debochado contraponto ao “Não é não”, palavra de ordem usada por mulheres contra o assédio sexual. À época, as redes sociais foram invadidas por fotos de mulheres protestando em frente a cartazes da Skol com o dedo médio em riste. A AmBev suspendeu a campanha.

O RR consultou a AmBev, braço da holding AB InBev no Brasil. A companhia ressaltou que “a campanha em questão não é da Cervejaria Ambev, mas da Brahma na Argentina”. Mas repassou um posicionamento da cervejaria argentina. Por meio de nota, a Brahma diz que se desculpa pelo comercial da Brahma Lime e informa que já retirou a campanha  do ar. Já a AmBev afirma “que é reconhecida atualmente por fazer campanhas que valorizam a diversidade e o respeito às pessoas”. Só o tempo vai dizer se a nova postura politicamente correta da AmBev não vai ser efêmera como no passado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.