fbpx
05.09.17

O Dia “D” de Rodrigo Janot

A eventual suspensão do acordo firmado com um dos donos da JBS, Joesley Batista, como prêmio pela chamada “mãe de todas as delações”, não é prenúncio de recuo do Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, em suas prometidas flechadas contra Michel Temer. Pelo contrário. A potencial revisão dos termos tratados com os Batistas faz parte de um grand finale em três atos, sendo o primeiro a “autocrítica” realizada ontem publicamente.

O segundo e terceiro atos – o próximo, a denúncia de Temer por obstrução de justiça, conforme apurou o RR viriam com força redobrada. É material suficiente para manter Janot em rede nacional até o dia 17, quando ele deixará o cargo. A possível revogação dos benefícios aos donos da JBS higieniza e propulsiona as novas flechadas de Rodrigo Janot. O áudio que chegou às mãos de Janot na última quinta-feira, supostamente por engano, é o motivo da rearrumação das peças do tabuleiro. Ele aumenta a dimensão pública do procurador.

Mesmo que as gravações contenham barbaridades institucionais, incluindo novos atores, o procurador despacha todo o material para o STF. Janot está focado em Temer e fará novas revelações. Por sua vez, os advogados do presidente da República estão desde já solicitando que o virtual cancelamento do acordo dos Batista torne nulo o conteúdo da delação. Pretendem politizar a ação, trazendo o debate para o centro do Congresso Nacional.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.