fbpx
09.07.18

Eliezer e Conceição: um memorável dueto pelo Brasil

Eram os idos do governo Figueiredo. O engenheiro Eliezer Batista era o todo poderoso presidente da então Vale do Rio Doce. Na ocasião, ele já se debruçava sobre os mapas que posteriormente levaria para a Secretaria de Assuntos Estratégicos do governo Collor. Eram estudos transversais à estrutura federativa do Brasil, que propunham uma correção da divisão do país em estados e municípios, por meio de uma espécie de consolidação que levasse em  vista a logística, a produção, a demografia, o meio ambiente, entre muitas outras variáveis.

Alguns estados e municípios simplesmente seriam objeto de fusão. Eliezer queria dar uma organização mais racional e econômica ao formato bizarro de pé de galinha que via no desenho da federação. Achava que levaria o projeto à frente, pois exigira de Fernando Collor carta branca para aceitar o cargo de manda-chuva da Secretaria. Só se reportaria ao presidente. À época, mais do que nunca, Eliezer era o mago da economia física nacional, consultado pelos maiores empresários do país e do mundo. Distante desse mundo, a professora Maria da Conceição Tavares, um ícone entre os economistas de esquerda, perdeu-se de curiosidade de conhecer Eliezer. Não havia liga entre ambos.

Eliezer achava a portuguesa destemperada e comunista, e Ceiça tinha Mr. Batista como um tecnocrata alinhado com os empresários golpistas de 64. Mas o desejo intelectual foi maior. Conceição pediu a Raphael de Almeida Magalhães que fizesse uma ponte com Eliezer para um encontro. O mesmo pedido foi feito ao jornalista Luiz César Faro, à época assessor informal do barão da Vale. Em uma quinta-feira, por volta das 10 horas, Conceição adentrou a “sala dos mapas” que Eliezer mantinha ao lado do seu gabinete, assistidos por Raphael e Faro, prudentemente calados durante todo o encontro. Foram poucos os minutos de formalidade.

Os dois partiram logo a dissecar os mapas e falar sobre o Brasil que aqueles projetos prometiam, um país de verdadeiros coliseus da infraestrutura. Conceição era matemática, o que facilitou a conversa. Ela dava tapinhas no braço de Eliezer às gargalhadas, que retribuía com seu riso metálico. Pareciam amigos de infância. O saldo daquela reunião de inteligências acuradas foi o compromisso cívico de reunirem suas hostes na academia para produzirem estudos juntos na Secretaria, pois ali estava o futuro do país. E assim ficou acordado entre os dois Titãs. Eliezer se meteu a seguir no imbróglio da gestão Collor. Conceição enveredou na politica. Ao que se saiba, nunca mais se encontraram. Os preciosos mapas de Eliezer se perderam por aí, alguns no Palácio do Planalto, outros na Vale, e uns esquecidos na Firjan. Desperdício de um encontro que tanto poderia emular soluções nacionais quanto, no mínimo, inspirar um libreto de ópera sobre dois personagens estupendos. Nada mais a fazer. Conceição descansa em seu refugio, sem o elã de 30 anos atrás, mas ainda produzindo artigos indignados. Eliezer foi construir catedrais no firmamento.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.