fbpx
07.02.20

Eike só assiste de longe a um projeto que já foi seu

Na sala de reunião do seu primeiro QG na Praia do Flamengo – o segundo seria o Hotel Serrador, na Cinelândia – Eike Batista olhava pelo vidro da janela o verde do Aterro com os olhos esgazeados. As palavras do seu interlocutor soavam como música. O assunto eram minérios, minérios e mais minérios. De repente, não mais que de repente, gritou pouco antes de chegar à porta da sala: “Flavio, manda ver essa Reserva Nacional do Cobre e as áreas indígenas. Temos que sair na frente”. O Flavio é também chamado de Godinho, seu sobrenome. O executivo constava na hierarquia de cargos, formalmente, como advogado de Batista, mas era o faz tudo do empresário.

A Reserva Nacional do Cobre é uma província metalogenética no Pará, mais ou menos similar à do sítio de Carajás. A região seria hospedeira de espetaculares jazidas de molibdênio, manganês, ferro, cobre, nióbio e anatásio entre outros, inclusive o grafito, que tanto encanta Jair Bolsonaro. A Reserva era de propriedade da União, considerada estratégica para o país e ficava pendurada em um estatal em franca decadência: a Companhia de Pesquisas de Recursos Minerais (CPRM). E os aborígenes, o que fazem nesse enredo? Pois bem, Batista, desde os seus tempos de garimpo era useiro e vezeiro na exploração de terras silvícolas.

São lendários seus rasantes de helicóptero sobre moradias indígenas, assim como uma descida atlética de paraquedas da aeronave que sobrevoava a região de Pitinga (PA), onde ele detinha uma joint venture com o empresário Otavio Lacombe para exploração de ouro e cassiterita. Durante parte dessa época, Batista somente beliscava os minérios contidos em área indígena, até porque a exploração estava vedada por Lei. Ele dizia que fincaria o pé nos dois mega-ativos, compraria a Vale – o que bem tentou –, consolidaria tudo e criaria a maior mineradora do mundo. Estamos no primeiro ano do segundo mandato de Dilma Rousseff. Com os pés quase na soleira da porta, ele berra novamente para Flávio Godinho: “Vai fundo porque eu tenho um bizu de que vão abrir tudo, e nós podemos ter a prioridade”.

Eram tempos em que Batista tinha preferencia em tudo. O medo do magnata era que a Vale saísse na frente na disputa. Sabia que moeda de troca era o controle ficar em mãos de grupos nacionais. Na área do ferro, por exemplo, a Vale consolidou todas as empresas não controladas por siderúrgicas. Durante meses teve reuniões com Dilma – e com Lula – para ultimar a liberação dos ativos minerais. As respostas eram a mesma: “Vai sair, aguarde, que tem a burocracia, o desembaraço com a CPRM, os grupos de interesse, os militares etc…”

Batista acabou desistindo e prosseguiu em sua saga de desastres. Hoje, enclausurado devido à prática de meliâncias, Eike Batista assiste a algumas reservas minerais serem colocadas na prateleira para venda e outras prestes a tomarem o mesmo rumo. A Reserva Nacional do Cobre já tem sua fila de interessados. E, na última quarta-feira, Bolsonaro enviou ao Congresso o projeto de lei que regulamenta a abertura de terras indígenas para exploração de minérios, petróleo e geração de energia. Se ameniza as dores do não feito, em alguma coisa, há indícios de que, pelo menos a Reserva do Cobre, não tem aquele manancial todo, durante décadas quase lendário. Mas Eike Batista não tem mais tempo, cabeça e dinheiro para pensar em um negócio desses.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.