Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
16.07.19
ED. 6157

“Foro de Brasília” é uma missão à espera do “03”

A possível indicação de Eduardo Bolsonaro para a Embaixada do Brasil em Washington é apenas parte da girândola de planos de Jair Bolsonaro para a área de relações exteriores. Segundo um estrategista palaciano, há um obsessivo projeto de construção de um arco com a direita internacional que vai além da eventual ida do “03” para os EUA. Na verdade, o papel que está destinado a Eduardo seria a coordenação de uma espécie de “Foro de Brasília”, como o nome pode sugerir um antípoda do satanizado Foro de São Paulo. O deputado passaria a ter formalmente a responsabilidade de conduzir as relações entre o governo brasileiro e o espectro de lideranças da direita mundial, que vai de Donald Trump a Recep Erdogan, na Turquia, passando por Matteo Salvini, na Itália, e Viktor Orbán, na Hungria. Dentro dessa lógica, o determinante é a missão que será dada a Eduardo Bolsonaro e não necessariamente sua posição geográfica. Tanto que a nomeação para a Embaixada em Washington é apenas uma face da moeda que rodopia sobre a mesa de Jair Bolsonaro. De acordo com a fonte do RR, outra hipótese aventada pelo presidente é a ida de Eduardo para o Palácio do Planalto, projeto que chegou a ser cogitado no passado recente – ver RR edição de 23 de abril. Neste caso, o deputado seria uma espécie de Marco Aurélio Garcia com sinal ideológico trocado, em alusão ao assessor especial da Presidência na era PT. E o “Foro de Brasília” seria oficializado dentro da sede do governo. Discípulo de Olavo de Carvalho, Eduardo capturaria de vez o Itamaraty, carregando as Relações Exteriores para o lado do gabinete da Presidência e criando um novo bunker para “olavistas” dentro da estrutura de poder.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.07.19
ED. 6157

Com Bolsonaro, sempre dá factoide na cabeça

O presidente Jair Bolsonaro vai acelerar com a sua agenda de costumes e leis que mistura factoides e a satanização de representações do cotidiano brasileiro. Na contramão do projeto de liberação do jogo que se encontra no Congresso Nacional, Bolsonaro relançará a vilania do jogo do bicho, associando-o ao tráfico de drogas e às milícias. Um verdadeiro bumba meu boi do crime organizado. O presidente quer colocar a parte mais provinciana da contravenção dirigindo os bois, ou seja, jogar sobre os bicheiros a responsabilidade pelo comando das demais ilegalidades.

Tudo como num passado em que a juíza Denise Frossard despontava como um híbrido de magistrada e paladina do Velho Oeste. Bolsonaro deverá seguir seu périplo de estranhezas enquanto sua equipe solta a lenha em reformas e medidas que vão jogando de ponta cabeça as estruturas econômicas e as organizações sociais brasileiras. A fórmula tem dado certo. Quando parece que Bolsonaro é letra morta, ele se reinventa e levanta da falsa cova em que se meteu, na verdade uma trincheira de luta com a qual o país não estava acostumado. Atualmente, os bicheiros, que já representaram a elite do crime, encontram-se “domesticados”.

É esta categoria hoje menos visível que Bolsonaro pretende carimbar como um inimigo de maior relevância. Nunca é demais rememorar que os banqueiros do jogo do bicho têm mil serventias. Em outros idos já tiveram suas imagem e atividades associadas a grupos midiáticos que o presidente elenca entre seus adversários figadais. Se houver algum sentido nessa transfusão de meliantes será encontrar os nomes dos assustadores novos barões do bicho. Os antigos ou já morreram ou estão decrépitos. Mas essa é a parte mais fácil. A árvore genealógica está aí mesmo para isso.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.07.19
ED. 6157

O despertar da Zona Franca de Manaus

Enfim, o ano vai começar para a Zona Franca de Manaus. A primeira reunião do Conselho de Administração da Suframa em 2019 está marcada para o dia 25. Depois de sete meses, o Ministério da Economia vai dar posse aos conselheiros indicados pelo governo, incluindo o próprio ministro Paulo Guedes, a quem caberá a presidência do colegiado. As três cadeiras estão vagas desde janeiro. De lá para cá, a Zona Franca praticamente parou no tempo. Mais de uma centena de projetos – entre novos investimentos e ampliação de fábricas – está encalhada no Conselho. Os pedidos de autorização não foram votados por falta de quórum.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.07.19
ED. 6157

Slow track da diplomacia

A declaração de Davi Alcolumbre de que o Senado jamais vetaria uma indicação do presidente da República para uma embaixada –em resposta a possível ida de Eduardo Bolsonaro para Washington – esbarra nos fatos. Há quatros meses, o pedido de nomeação de Ronaldo Costa Filho como representante permanente do Brasil na ONU está parado no Senado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.07.19
ED. 6157

Aquisição em banho-maria

Aquisição de empresa com a corda no pescoço é prato que se come gelado, reza a cartilha da canadense Nutrien. Dono de 9,5% da Heringer, o grupo vai esperar pacientemente a hora de dar o bote e apresentar uma proposta pela fabricante de fertilizantes brasileira. A aposta da Nutrien é que a família Heringer não terá fôlego financeiro suficiente para tirar a empresa do buraco da recuperação judicial. A companhia carrega uma dívida total de R$ 2 bilhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.07.19
ED. 6157

Atestado de óbito

João Doria não fará qualquer esforço para manter Bruno Covas no PSDB. No partido, com o perdão do trocadilho infame, a leitura é que o prefeito cavou a própria sepultura ao ameaçar deixar a sigla caso Aécio Neves não seja expulso do PSDB.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.07.19
ED. 6157

A fatura chegou

Marcelo Crivella tem sido aconselhado por aliados a estabelecer uma relação mais próxima com a Câmara Municipal, inclusive com uma agenda de audiências semanais com líderes partidários. Os vereadores identificam no prefeito um “quê” de Dilma Rousseff no que diz respeito aos maus tratos dispensados ao Legislativo. Ao contrário da ex-presidente, Crivella escapou de um recente processo de impeachment, mas os vereadores ficaram mais exigentes em relação às contrapartidas do prefeito.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.07.19
ED. 6157

Conexão Moscou

A russa Gazprom desponta como candidata à compra da participação da Petrobras no Gasoduto Bolívia-Brasil. Em acordo firmado com o Cade, a estatal comprometeu-se a vender sua fatia de 51% no negócio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.07.19
ED. 6157

Guerra aérea

A ANAC vai despejar ainda mais munição no imbróglio da Avianca. Já dispõe de parecer da AGU corroborando que o leilão de slots da companhia aérea realizado na semana passada é ilegal. Na sexta-feira, a agência obteve decisão favorável no STJ.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.07.19
ED. 6157

Dinheiro alemão

A chinesa CCCC é vista no Ministério de Infraestrutura como nome certo no leilão do segundo terminal de contêineres do Porto de Suape (PE). O empreendimento, incluído no PPI, deverá ser licitado ainda neste ano. O investimento previsto é de R$ 1,2 bilhão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.07.19
ED. 6157

Chineses em Suape

A chinesa CCCC é vista no Ministério de Infraestrutura como nome certo no leilão do segundo terminal de contêineres do Porto de Suape (PE). O empreendimento, incluído no PPI, deverá ser licitado ainda neste ano. O investimento previsto é de R$ 1,2 bilhão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.07.19
ED. 6157

Ponto final

Os seguintes citados não retornaram ou não comentaram o assunto: Petrobras, Gazprom, Heringer e CCCC.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.