Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
12.07.19
ED. 6155

Ministério Público avança contra os brancos em “pele de negro

O Ministério Público Federal vai lançar uma ofensiva em todo o país para combater as fraudes contra o sistema de cotas das universidades federais. Além de montar uma força-tarefa para investigar o crescente número de denúncias, o MPF pretende fechar o cerco às próprias instituições de ensino. Segundo o RR apurou, o órgão determinará que as universidades publiquem nos editais de seus vestibulares os critérios utilizados para a verificação dos estudantes com direito a vagas no âmbito da política compensatória. O MPF também deverá pedir à Justiça que as instituições sejam obrigadas a criar bancas específicas para avaliar se o vestibulando atende aos requisitos da Lei 12.711/2012, que criou a reserva de vagas para negros, pardos, indígenas ou portadores de deficiência. Os casos de fraude no ensino público se acumulam. No entanto, o trabalho de fiscalização tem sido feito de forma dispersa, a critério das próprias instituições de educação. Mais de um terço das universidades federais registra processos administrativos para averiguar o fornecimento de informações falsas nas autodeclarações de matrícula. Só na UFRJ há cerca de 50 casos sob análise, número confirmado pela própria universidade. A Federal do Rio informa ainda que em junho criou uma “comissão para analisar as autodeclarações de cor.”

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.07.19
ED. 6155

O “Paulo Guedes do Paulo Guedes”

O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, é considerado dentro do BNDES o maior adversário da instituição. Quem lhe grudou a pecha de carrasco do banco foi o ex-presidente da agência de fomento, Joaquim Levy, bombardeado por Sachsida desde o primeiro minuto no cargo. O secretário de Política Econômica foi quem mais cobrou de Levy o pagamento antecipado de R$ 100 bilhões ao Tesouro, a venda da carteira da BNDESPar e a abertura da enigmática “caixa preta” do banco. Sachsida nunca fez segredo de que, entre reestruturar o BNDES e extinguir a instituição, preferia a segunda hipótese. O secretário de Política Econômica é chamado de o “Paulo Guedes do Paulo Guedes”, devido à combinação de racionalidade, ímpeto e radicalismo ideológico. Mas há quem diga, em Brasília, que ele lembra mais, no estilo, o ex-secretário do Tesouro, Arno Augustin, colocadas as enormes ressalvas em relação às preferências políticas de ambos. Augustin era chamado por Dilma Rousseff de seu “malvado favorito”. Quem assistiu ao seriado Game of Thrones vai entender a associação: Sachsida é a “mão” (hand of the king) de Paulo Guedes no Ministério da Economia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Parlamentares do PT e do PSOL articulam a criação de uma bancada pela liberdade de imprensa. A ideia é encabeçada, entre outros, pelos deputados Paulo Pimenta e David Miranda, companheiro de Glenn Greenwald, editor do The Intercept. Seria um gesto simbólico e profilático contra eventuais tentativas da Justiça ou do MPF de impedir a divulgação das mensagens entre Sergio Moro e Deltan Dallagnol e cia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.07.19
ED. 6155

Mando de campo

Confirmada a aprovação da PEC da Previdência em segundo turno, Jair Bolsonaro planeja convidar Rodrigo Maia, Davi Alcolumbre e líderes de bancada para um jantar, domingo, no Palácio da Alvorada. Mais do que mera formalidade, uma maneira de atrair para si o protagonismo da vitória.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.07.19
ED. 6155

Portas fechadas

Cerca de dois mil equipamentos de informática e telecomunicações estão retidos na Alfândega, sem autorização para entrar no Brasil. O Ministério da Economia não publicou as portarias que permitem aos importadores internalizar, com alíquota zero, produtos sem similares no país, o chamado sistema Ex-tarifário. Empresas, notadamente de tecnologia, têm sido obrigadas a adiar investimento por conta do atraso.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.07.19
ED. 6155

Entressafra no crédito rural

A trading chinesa Cofco deverá ceifar em aproximadamente 40% a oferta de financiamento agrícola para a próxima safra de grãos no Brasil. Os cortes atingiriam, notadamente, os empréstimos para os produtores de soja. Os chineses vão adotar uma política de crédito mais cautelosa por conta da onda de recuperações judiciais (RJ) entre pequenos e médios grupos do agronegócio. Neste ano, já houve mais de 50 pedidos de RJ no setor agrícola.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.07.19
ED. 6155

As tempestades de Neeleman

David Neeleman enfrenta turbulências dos dois lados do Atlântico. No Brasil, a Azul pulou fora do atribulado leilão da Avianca; em Portugal o governo, sócio de Neeleman na TAP, tem questionado duramente a política de remuneração da companhia. As autoridades deverão vetar novos pagamentos de bônus a executivos da empresa ao longo deste ano. Em maio, a TAP desembolsou 1,2 milhão de euros em bonificações a 180 funcionários em cargos de gerência e direção. A decisão desencadeou fortes críticas à gestão da TAP, leia-se o CEO Antonoaldo Neves, ex-presidente da própria Azul. Ao se referir a Neeleman, o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, falou em “quebra de confiança” na relação com o sócio privado. Não é pelo 1,2 milhão de euros, cifra que está longe de ser uma fortuna. Ocorre que a remuneração extra aos executivos soa como um elogio ao fracasso. No ano passado, a TAP teve um prejuízo de 118 milhões de euros.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

O parecer do senador Carlos Viana, relator da CPI de Brumadinho, vai estabelecer “jurisprudência”. Segundo o RR apurou, a Comissão Parlamentar da Assembleia Legislativa de Minas Gerais também deverá pedir o indiciamento por crime doloso do presidente afastado da Vale, Fabio Schvartsman, e de outros executivos da companhia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.07.19
ED. 6155

“Medicina preventiva”

Por falar em barragem, a Eletrobras vai passar um pente-fino em suas hidrelétricas. Além da Chesf, Eletronorte e Eletrosul também farão uma ampla revisão técnica dos reservatórios de suas usinas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.07.19
ED. 6155

Aporte do Votorantim

O Banco Neon negocia com o Banco Votorantim, seu parceiro operacional, um aporte financeiro. Os Ermírio de Moraes se juntariam à gestora General Atlantic, que prepara uma injeção de recursos no banco digital.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

12.07.19
ED. 6155

Ponto final

Os seguintes citados não comentaram o assunto: Cofco, Ministério da Economia, David Neeleman e Banco Votorantim.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.