Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
29.05.19
ED. 6124

Moro, um síndico ausente

Talvez Sérgio Moro tenha subavaliado o potencial de combustão do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus. Ainda no último domingo, assessores recomendaram ao ministro que reconsiderasse sua viagem para Portugal. Àquela altura, a rebelião no Compaj já contabilizava 15 mortos. Mesmo assim, Moro embarcou na segundafeira para participar das Conferências do Estoril. Quando desembarcou em Lisboa, o número de assassinatos no complexo penitenciário já era de 55. Consultado, o Ministério não se pronunciou sobre a viagem de Moro. A Pasta informou que “está em contato com o governo do Estado do Amazonas desde o fim de semana”. Disse ainda que Moro enviou a Força-tarefa de Intervenção Penitenciária para Manaus “mesmo sem ter recebido o pedido formal do governador Wilson Lima”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.05.19
ED. 6124

O medo de toga

Procuram-se magistrados dispostos a assumir as novas Varas especializadas no combate ao crime organizado e à lavagem de dinheiro que serão criadas pelo Tribunal de Justiça do Rio – informação antecipada pelo RR na edição de 3 de maio. Alguns juízes consultados pela cúpula do TJ-RJ declinaram do convite e outros fingem que não é com eles, mesmo com todas as garantias de um forte aparato de segurança. Entre outras atribuições, as novas Varas terão a incumbência de julgar processos contra milicianos, neste momento talvez a grande praga na segurança pública do Rio de Janeiro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.05.19
ED. 6124

Down, down, down, no high society

A grave crise financeira do Jockey Club de São Paulo chegou às pistas de competição. O hipódromo vem atrasando sistematicamente o pagamento de prêmios a proprietários de cavalos. Alguns haras já estão, inclusive, retirando seus animais de Cidade Jardim. O Jockey tem encontrado dificuldades até mesmo para honrar apostas de maior valor. Os débitos vão para a conta da gestão de Benjamin Steinbruch, desde 2017 presidente do Conselho de Administração da instituição. A deterioração das finanças do clube avança a galope, sem que a administração Steinbruch consiga segurar as rédeas do endividamento. O passivo total já estaria na casa dos R$ 300 milhões. No ano passado, ressalte-se, o Jockey se desfez de cerca de R$ 100 milhões em imóveis.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.05.19
ED. 6124

Nota alta

A gestora norte-americana CVC Partners, que administra mais de US$ 80 bilhões, estaria em negociações para a compra da Uniasselvi. A rede de ensino, que fatura cerca de R$ 350 milhões por ano, pertence ao trio Carlyle, Vinci Partners e Neuberger Berman. A CVC quer porque quer entrar no mercado brasileiro de educação: recentemente sondou também a Ser Educacional, do empresário Janguiê Diniz.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.05.19
ED. 6124

Gás do BNDES

O BNDES e o governo do Distrito Federal estão prestes a selar um acordo de financiamento para a construção de um gasoduto. O pipeline de aproximadamente mil quilômetros conectará São Paulo a Brasília, permitindo a distribuição de gás boliviano na capital federal e cidades satélites. Hoje, o pouco gás natural que chega ao DF é transportado por caminhão.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.05.19
ED. 6124

Apollo e Starboard avançam sobre a ViaVarejo

Há uma operação em curso que poderá resultar na criação de um grupo varejista com mais de 1,6 mil lojas, faturamento anual próximo dos R$ 32 bilhões e um Ebitda da ordem de R$ 1,5 bilhão. Os artífices do projeto são o Apollo Management e a Starboard Partners, que, segundo o RR apurou, não apenas entraram na disputa pela ViaVarejo, como já pensam no ato seguinte: sua fusão com a Máquina de Vendas/Ricardo Eletro, controlada pela dupla. Antes, Apollo e Starboard precisam vencer o duelo contra a dobradinha Michael Klein e XP Investimentos, também candidata à aquisição da ViaVarejo.

Há nuances distintas entre cada proposta. Klein e XP querem comprar apenas parte das ações em poder do Grupo Pão de Açúcar (GPA). Já Apollo e Starboard estariam dispostas a assumir integralmente a participação do GPA na ViaVarejo, de 36,2%. Tomando-se como base apenas o valor de mercado da rede varejista, o dote seria da ordem de R$ 2 bilhões. As negociações, ressalte-se, têm como pano de fundo a delicada situação financeira do Casino, o controlador do GPA.

Na semana passada, o grupo francês obteve, na Justiça, a aprovação de um plano de proteção contra credores, um expediente similar ao da recuperação judicial. O cenário aumenta a pressão pela venda de ativos, o que deve levar o Casino a concluir a negociação da ViaVarejo a toque de caixa. Em tempo: curiosamente, caso vença a disputa, o dueto Apollo/ Starboard teria a companhia do próprio Michael Klein, um minoritário nem tão minoritário assim da ViaVarejo – o empresário detém 24% do capital.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.05.19
ED. 6124

Fuxicos da Candinha

Ainda que indiretamente, o duelo entre Globo e Record teve um round fora das telas. A emissora de Edir Macedo terá de pagar uma indenização de R$ 50 mil à apresentadora Fernanda Lima, da Globo. Em seu blog, hospedado no R7, portal da Record, a jornalista Fabíola Reipert fez insinuações quanto à fidelidade de Rodrigo Hilbert, marido de Fernanda.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.05.19
ED. 6124

Ato contínuo

No recurso impetrado pela defesa de Flavio Bolsonaro no Tribunal de Justiça do Rio contra a quebra do sigilo bancário e fiscal do senador, um dos argumentos da peça chama a atenção: os advogados alegam que, tão logo sejam levantados, dados financeiros de Flavio serão vazados à mídia. Como se não fosse esse o espírito da coisa…

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.05.19
ED. 6124

Fio desencapado

A Andrade Gutierrez desponta como um entrave à saída da Cemig na Usina de Santo Antônio. A empreiteira estaria impondo uma série de exigências para negociar sua participação em conjunto com a estatal mineira na usina, como quer a chinesa SPIC. Fosse em outros tempos, Sergio Andrade e Aécio Neves resolveriam as pendências num estalo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

29.05.19
ED. 6124

Ponto final

Não retornaram ou não comentaram o assunto: Jockey Club, BNDES, GPA, Starboard, Uniasselvi, Cemig e Andrade Gutierrez.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.