Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
17.05.19
ED. 6116

Souza Cruz costura “PPP” com o governo para voltar à era dos grandes lucros

No biênio de 2016/2017 o lobby da indústria tabagista no Brasil chegou perto de R$ 150 milhões, segundo uma fonte do RR que pertenceu aos quadros da Souza Cruz, empresa responsável por 90% desses gastos. A companhia é uma máquina de lobby. Deixa a indústria armamentista, por exemplo, a ver navios. A decisão de partir para o jogo pesado foi tomada devido ao explosivo descontentamento da British American Tobacco (BAT) com o fechamento de capital da subsidiária brasileira, em 2015.

A direção da empresa no Brasil foi responsabilizada pelo equívoco. A Souza Cruz tinha lucros espetaculares. Em um ano, crescia 40%; no outro, 50%. Era a ação mais rentável do mercado brasileiro. Quase concomitantemente ao fechamento de capital, explodiu o contrabando de cigarros, combinado ao aumento da concorrência na praça de São Paulo e a mais e mais impostos – a recompra de ações se deu justamente em meio à escalada tributária, iniciada em 2013. Em 2017, a invasão do mercado brasileiro pelos cigarros paraguaios bateu recorde – pela primeira vez, o produto contrabandeado chegou a mais de 50% do mercado brasileiro. O fechamento de capital foi avalizado como injustificável pela matriz.

Para pagar o prejuízo somente por meio da parceria com o governo brasileiro. Um jogo ganhaganha. Na Souza Cruz montou-se uma operação internamente chamada “o cigarro é nosso”. O RR enviou uma série de perguntas à companhia, que não quis se pronunciar. Embaixadores dessa “cigarrolândia” foram despachados para convencimento das áreas fiscal, política, fazendária, policial etc. O então ministro da Agricultura, Blairo Maggi, foi atraído para o lobby, no segundo trimestre de 2016, tornando-se um dos principais interlocutores da empresa. Ações de divulgação e seminários foram realizados com o Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial, que tem a subsidiária da BAT como um dos principais financiadores.

O ministro do Desenvolvimento Social do governo Temer, Osmar Terra, foi atraído para palestra contra a legalização das drogas, patrocinada pela companhia. Um encontro liderado pela empresa com a senadora Ana Amelia e todas as entidades do setor – Ampro Tabaco, SindiTabaco, Abifumo, Afubras – reuniu diversos parlamentares para discutir o contrabando no mercado de cigarros. A Souza Cruz é apontada também como “campeã de contribuições ocultas” para o Instituto de Direito Público (IDP), que tem como sócio o ministro do STF Gilmar Mendes. O contrabando do cigarro tornouse um inimigo nacional.

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, que agora analisa a criação de um grupo de estudos sobre a vantagem da redução dos impostos da indústria tabagista, esteve entre as autoridades cortejadas pela Souza Cruz. Se os números especulados sobre a redução tributária estiverem na direção certa, o setor veria de volta perdas da ordem de R$ 7,5 bilhões. Tomando-se como base a sua participação no mercado, na faixa de 80%, a “restituição” à Souza Cruz seria de aproximadamente R$ 6 bilhões, equivalente ao lucro líquido da empresa no último quadriênio. Nesta “Parceria Público Privada” com o objetivo de resgatar os polpudos lucros que ficaram no passado, a BAT responderia generosamente à decisão do governo anunciando a disposição de investir em uma fábrica de cigarros eletrônicos no Brasil, uma das suas apostas no mundo. O pleito ainda está em estudos na Anvisa. Provavelmente a empresa vai usar sua máquina de lobby para que esse investimento, tão benéfico à saúde do brasileiro, mereça incentivos fiscais. O fato é que muita fumaça ainda vai rolar.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Os procuradores do Ministério Público do Rio de Janeiro identificam na empresa Bolsotini Chocolates o mapa das investigações contra Flavio Bolsonaro. Trata-se de uma espécie de holding dos Bolsonaro. Todos no clã já foram sócios ou se valeram da pessoa jurídica. Uma fonte do RR disse que a Bolsotini já deveria ter sido “vendida” há muito tempo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.05.19
ED. 6116

Demissões em série na Ford

A Ford montou uma linha de produção de demissões voluntárias. Já prepara mais um PDV para a fábrica de Camaçari (BA) no segundo semestre. A se confirmar, será o terceiro do ano. Nesta semana, a empresa abriu mais um plano de desligamento, uma vez que o PDV realizado em abril não atingiu a meta esperada. Procurada, a Ford confirmou o programa de demissões aberto nesta semana, mas não se pronunciou sobre o PDV já previsto para o segundo semestre. De acordo com informações filtradas da própria montadora, o excedente na fábrica de Camaçari seria da ordem de mil empregados.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.05.19
ED. 6116

Rumo à Bolsa

A venda de 20% da Wise Up para o Kinea, private equity do Itaú, foi apenas o primeiro ato. Os empresários Carlos Wizard e Flavio Augusto da Silva já pensam em um passo ainda maior: a abertura do capital da escola de idiomas em bolsa. No mercado, há quem vincule a própria chegada do Kinea ao iminente IPO. Consultado, o private equity garante que o investimento não tem qualquer relação com uma possível abertura de capital.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.05.19
ED. 6116

Pepsico “cria” jurisprudência

Um recente veredito do TST contra a Pepsico estabeleceu uma nova e importante jurisprudência na justiça trabalhista. As oito turmas da Corte vão passar a seguir a decisão firmada pela Subseção de Direitos Individuais 1 do TST, que determinou a reintegração e uma indenização de R$ 200 mil por danos morais a um executivo demitido pela fabricante de alimentos. Em sua defesa, a Pepsico atribuiu a dispensa a corte de gastos. No entanto, o executivo conseguiu associar a sua demissão a um diagnóstico de câncer de próstata. O ministro Cláudio Brandão, relator do processo, entendeu que caberia à empresa provar que a dispensa não foi “discriminatória” ou “motivada por preconceito”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.05.19
ED. 6116

Reforma trabalhista

A Americanas “encolhe” para crescer. Das mais de 220 lojas que serão inauguradas neste ano, cerca de 150 seguirão o conceito Express. Os custos de abertura neste modelo de varejo são até 60% mais baixos do que o das lojas convencionais. O número de funcionários, por sua vez, não chega sequer à metade. Os investimentos previstos para 2019 beiram os R$ 800 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.05.19
ED. 6116

Metrô de Brasília

O governo do Distrito Federal deverá marcar a privatização do metrô de Brasília para outubro – o road show será iniciado em julho. É tempo mais do que suficiente para os metroviários se cansarem de fazer greve em protesto contra a licitação – a paralisação já vai para duas semanas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.05.19
ED. 6116

Duelo desigual

A Prefeitura do Rio entrou na disputa para receber o primeiro jogo da NFL em território brasileiro. A partida de exibição da poderosa liga de futebol americano está prevista para 2020. A exemplo da F-1, a cidade de Crivella surge como azarão. São Paulo deve ganhar as duas disputas de barbada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.05.19
ED. 6116

Ponto final

Procurados pelo RR, ois seguintes citados não retornaram ou não comentaram o assunto: Americanas e Wise Up.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.