Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
30.04.19
ED. 6104

Mais um round no custo do frete

A celeuma em torno do custo do frete no país jogou combustível em uma contenda que opõe, de um lado, a indústria e produtores agrícolas, e, do outro, terminais portuários. Um grupo de entidades empresariais, entre as quais a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a Confederação Nacional da Agricultura (CNA), se mobiliza para entrar na Justiça com objetivo de derrubar a cobrança pelo escaneamento de cargas nos portos. O imbróglio se arrasta há quase dois anos, mas, até o momento, ficou restrito à esfera administrativa, especificamente à Antaq. Agora, no entanto, produtores rurais e o setor industrial entendem que a ambiência é propícia para a judicialização do caso, dada toda a discussão em torno do custo do transporte de mercadorias no país. Consultada, a CNI informou que “ingressou com pedidos cautelares junto à Antaq solicitando a eliminação imediata da cobrança adicional”. Disse que ainda, “de acordo com pareceres técnicos da própria Agência, os recursos arrecadados com o escaneamento foram mais do que suficientes para amortizar os aparelhos, pagar os custos operacionais e auferir grande lucro para os terminais.” Perguntada especificamente sobre a judicialização do caso, a CNI não se manifestou. O segmento produtivo prega que a cobrança é ilegal e abusiva. A alegação é que o valor do escaneamento já está incluído no chamado Box Rate – preço cobrado pela movimentação das cargas entre o portão do terminal portuário e o porão da embarcação. Em alguns terminais, o custo de escaneamento de um contêiner, por exemplo, chega a R$ 1.200,00, que acaba pesando na composição do custo do frete. Do lado oposto está a Associação Brasileira dos Terminais Portuários (ABTP), que considera a taxa legítima. Consultada, a ABTP limitou-se a dizer que “a sua expectativa é que haja uma decisão administrativa.”

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.04.19
ED. 6104

Instituto de um associado só

A primeira medida de Wilson Brumer à frente do Conselho Diretor do Instituto Brasileiro de Mineração enfrenta resistências dentro da entidade. A decisão de transferir a sede do Ibram de Brasília para Belo Horizonte foi interpretada por associados como um favorecimento escancarado à Vale. Em vez de representar o setor na capital federal, o Ibram se dedicaria a cuidar dos interesses específicos da companhia em Minas, onde sua atuação foi devastada pelas tragédias de Mariana e Brumadinho. Em tempo: para Brumer, a mudança é uma mão na roda. Ex-diretor financeiro e ex-presidente da Vale, o executivo tem residência em Belo Horizonte.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.04.19
ED. 6104

No radar de Moro

Sabe-se lá o que Sérgio Moro está buscando na Jordânia. Mas o fato é que, somente agora, dez anos após a sua assinatura, o Ministério da Justiça colocou em pleno vigor um acordo de cooperação firmado com o país asiático ainda no governo Lula. O convênio bilateral prevê a troca de informações e documentos no âmbito jurídico, rastreamento e bloqueio de bens e repatriação de ativos mantidos irregularmente.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.04.19
ED. 6104

Dona Beija

Duas décadas após a quebra da emissora, a novela da Rede Manchete continua em exibição no Judiciário. A administração da massa falida espera levar a leilão até junho o prédio que serviu como sede da empresa em São Paulo. É mais um capítulo no arrastado processo de pagamento das dívidas deixadas por Adolpho Bloch e cia. Somente em FGTS, INSS e passivos não tributários, o rombo passa dos R$ 500 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.04.19
ED. 6104

Genebra é um desastre

O ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, vai à Genebra, entre os dias 11 e 19 de maio, para participar da 6ª Plataforma Global para a Redução de Risco de Desastre, evento com a chancela da ONU. O Ministério já foi avisado de que um grupo de brasileiros pretende fazer uma manifestação na porta do evento, por conta da omissão de Canuto quando das enchentes que deixaram dez mortos, no Rio, no início de abril.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.04.19
ED. 6104

Custo Eletropaulo

Aos 48 do segundo tempo, a Enel Americas, braço do grupo italiano Enel, reduziu de US$ 3,5 bilhões para US$ 3 bilhões o valor total da subscrição de ações ordinárias prevista para hoje. O corte se deu por pressão dos minoritários, notadamente fundos internacionais, receosos com o grau de diluição da sua participação societária na companhia. A Enel Americas é a controladora da Enel Brasil. O aporte de capital tem como objetivo pagar empréstimos contraídos pelo grupo para a aquisição da Eletropaulo, no ano passado. A conta é salgada: além dos R$ 5,5 bilhões pagos pelo controle da distribuidora paulista, os italianos já anunciaram investimentos de R$ 17 bilhões até 2021.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.04.19
ED. 6104

A “Sucupira do Judiciário”

O Tribunal de Justiça da Bahia está se tornando uma República dentro da República, com práticas que lembram às de Sucupira, cidade imaginária, onde não vale o que é de bom alvitre nem o que está combinado. A propriedade de terras estaria sendo decidida como se o TJ baiano fosse meio árbitro, meio donatário. A Corregedoria Nacional de Justiça pediu ao Conselho Nacional de Justiça que inspecione essa excessiva liberdade do TJ-BA, por indício de crime. A fraude envolveria uma área de 300 mil hectares, em Formosa do Rio Preto, correspondente a quatro vezes a cidade de Salvador. Algumas medidas questionadas pela Corregedoria parecem saídas do enredo da novela Bem Amado e autorizadas pelo coronel Odorico Paraguaçu, tais como a substituição de 300 matrículas de imóveis por uma. Um Parque Nacional teria evaporado da região, devido a fraude documental. Na República do TJ-BA, os hábitos são extravagantes. Por exemplo: o desembargador viaja ao exterior para acompanhar um evento de três dias; pois recebe seis diárias e meia, a título da eventualidade de atraso do voo de dois dias na ida e dois dias na volta. Os episódios deveriam ser exibidos no horário nobre da TV sob a forma de folhetim eletrônico.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.04.19
ED. 6104

Road show da fé

A ministra Damares Alves pretende percorrer igrejas evangélicas, seu habitat natural, para apresentar um balanço dos programas sociais da Pasta da Mulher e da Família. Entra na cota do esforço do governo Bolsonaro para estreitar ainda mais sua relação com os pentecostais.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.04.19
ED. 6104

Combustível chinês

A PetroChina avança no mercado brasileiro de combustíveis. Donos de 30% da distribuidora TTWorks, os chineses estariam negociando a compra do controle da empresa, pertencente ao grupo pernambucano Total.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.04.19
ED. 6104

Lei de licitações

Um raro sinal de boa vontade de Rodrigo Maia com o Executivo. Maia deve pautar ainda para esta semana a votação em plenário do Projeto de Lei 1.292/1995, a “nova Lei de Licitações”, agenda de interesse do governo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.04.19
ED. 6104

Orient Express

A russa RZD montou um grupo técnico para esmiuçar o modelo de negócio da Ferrovia Integração Oeste-Leste. O leilão está previsto para este ano. Ressalte-se que a RZD chegou a entrar na disputa pela Norte-Sul, mas pulou fora por discordar das regras do jogo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

30.04.19
ED. 6104

Ponto final

Procurados, os seguintes citados não retornaram ou não comentaram o assunto: RZD, PetroChina, TTWorks e Enel.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.