Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
31.01.19
ED. 6045

A Vale entre a integridade e a farsa

A decisão da Vale, anunciada pelo seu presidente Fabio Schvartsman, de desativar 10 reservatórios de rejeitos construídos em Minas Gerais, é um enigma. Perguntaria a esfinge: Schvartsman tomou a decisão com a coragem daqueles que cortam na própria carne – no caso investimentos de R$ 5 bilhões – demonstrando um senso de humanidade à altura da tragédia? Ou o anúncio da desativação das barragens e redução da produção é uma confissão de que o risco estava bem à frente dos seus olhos, e a ganância simplesmente cegou-o, exigindo que um desastre acontecesse para a medida ser tomada? Se vai fazer agora, por que não fez antes? Precisava do estímulo de quase uma centena de mortos? Na verdade há um pouco de marketing institucional na decisão. Basta ver a publicidade do fechamento das barragens. A Vale gastou rios de dinheiro em anúncios institucionais. Deveria também ter informado que em seus planos já estava a transferência das operações de mineração de Minas Gerais para o Norte do país, onde o complexo de ferro S11D sozinho tem um potencial de produção dez vezes maior do que as extrações mineiras conjuntas e com uma economicidade muito superior. Não é incorreto dizer que a companhia estava em Minas Gerais por atraso, ineficiência e falta de velocidade na execução do planejamento. Em nenhum momento, antes da calamidade, pensou no genocídio que Brumadinho e possivelmente outras barragens poderia provocar. Agora, enquanto conta os mortos, diz que fará um esforço de corte da produção. Cartas para a esfinge.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.01.19
ED. 6045

As rendas esgarçadas da aristocracia de Santa Teresa

O Grupo Monteiro Aranha estuda se desfazer de uma leva de ações dos poucos empreendimentos que ainda tem em carteira – Klabin, Ultrapar e Owens-Illinois. A justificativa é que se torna preciso buscar recursos dentro dos negócios da família para a montagem de um  ou mais fundos de investimentos. A julgar pelo andar da carruagem, os Monteiro de Carvalho chamariam gestores de fora e terminariam seus dias como uma administradora de fortuna.

Com todos os recursos imobilizados na holding e a pantagruélica disposição do clã de gastar, os muitos milhões vão virando uma poupança apertada para os padrões da parentada. No ano passado, o Grupo Monteiro Aranha teve um lucro de R$ 146 milhões. Declarou dividendos não pagos da ordem de R$ 2 milhões. Os Monteiro Aranha sentados no Conselho são dezoito. Têm filhos da penúltima geração que não se fazem representar ainda, a exemplo de Sérgio Monteiro de Carvalho Floris, que possui fortuna também da parte de pai, o banqueiro Aldo Floris.

Arnon Afonso de Mello Neto, filho de Fernando Collor com Lilibeth Monteiro de Carvalho, também não comparece. Há ainda casamentos com terceiros a dar com pé (só Lilibeth tem três). E vários netos, tais como as graciosas Ana Maria e Paloma. Para se ter uma ideia de como a situação é diferente dos tempos em que o Grupo era dono da Volkswagen, vale uma simulação grosseira: se o total do lucro líquido for inteiramente distribuído como dividendo, permanentemente, e considerando-se que todos os representados no Conselho da holding tenham a mesma participação no capital, seriam distribuídos R$ 750 mil mensais para cada acionista.

Para a fúria gastadora dos lendários aristocratas, não chega a ser grande coisa. Qualquer jogador de futebol que vai para a Europa ganha mais do que isso. Frente aos fatos “Olavão” Monteiro de Carvalho, patriarca do clã, condecorado Marquês de Salamanca, foi buscar um locatário para o anexo do glorioso Palacete de Santa Teresa. Transformou-o em um hotel boutique. Inimaginável. Fizeram leilões também de móveis e objetos de arte. Vende ativos ali, vende preciosidades lá, das maravilhas da época dourada da família está na fila a mítica mansão de Cap Ferrat. Não deve demorar muito para ganhar novo dono.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.01.19
ED. 6045

Oportuna solidariedade

Jair Bolsonaro pretende aproveitar o “Bem Brasil”, programa de assistência a deficientes físicos que será coordenado pela primeira dama Michele Bolsonaro, para dar uma enquadrada na mídia. A ideia é anunciar logo no início do governo a reversão de parte das verbas de publicidade do Palácio do Planalto para este e outros projetos do Ministério do Desenvolvimento Social. Por menor que venha a ser quantia, Bolsonaro vai surfar no valor simbólico e no apelo popular da medida, independentemente das suas motivações colaterais.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.01.19
ED. 6045

Dosimetria

Com o fim do programa dominical de José Luiz Datena, e a demissão da equipe da atração, a Band teria chamado o apresentador para renegociar seu contrato. Seria um ajuste à nova realidade.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.01.19
ED. 6045

Pílulas de veneno

O empresário Daniel Mendez, fundador da Sapore, e o presidente da International Meal Company (IMC), Newton Maia, têm disparado duras acusações um contra o outro nos bastidores. O fel escorre pelo canto dos lábios dos contendores. As duas empresas do setor de alimentos estiveram perto de uma fusão no fim do ano passado. Mas, na hora H, os acionistas da IMC aprovaram uma pílula de veneno travando a associação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.01.19
ED. 6045

Cheirinho de M&A

AJequiti,  a marca de perfumes de Silvio Santos, prepara o lançamento de uma nova plataforma de e-commerce. Mais uma fragrância para atiçar o interesse dos grandes grupos globais que rondam a empresa, como Coty e Avon.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.01.19
ED. 6045

“Safratech”

O Banco Safra resistiu, resistiu, mas acabou cedendo e está minerando fintechs. O banco é uma instituição de aristocratas judeus, notórios por preservar práticas bancárias tradicionais e deter uma clientela tradicionalíssima. Agora também terão startups no seu portfólio de investimentos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.01.19
ED. 6045

Vem cá, Luiza…

Segundo o RR apurou, o Casino teria oferecido a ViaVarejo à Magazine Luiza. Enquanto Luiza Helena Trajano não diz nem sim, nem não, os franceses seguem vendendo uns punhados de ações em bolsa. Em tempo: a empresária tem rondado os Ministérios da área econômica do governo Bolsonaro. Nunca dantes Luiza Helena esteve tão carente de acesso ao poder.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.01.19
ED. 6045

Os drones estão no ar

Maior fabricante de drones do mundo, a chinesa DJI vai abrir sua primeira loja em São Paulo neste ano. Ainda em 2019, deverá se instalar também no Nordeste. A empresa já tem duas lojas próprias no país – no Rio e no Paraná. Seus brinquedinhos voadores são coqueluche. E não precisam nem de decreto presidencial para liberar a posse.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.01.19
ED. 6045

Edson Queiroz

Donos de distribuidora de gás, universidade e empresas de comunicação, os herdeiros do Grupo Edson Queiroz estão olhando startups do Nordeste. Procurado, o grupo disse que “está sempre atento a oportunidades, mas não responde pelas atividades individuais de seus herdeiros”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.01.19
ED. 6045

O bispo e a bola

Sai CEF e pode entrar Edir Macedo. O Banco Renner, do qual o líder religioso detém 49%, quer patrocinar clubes de futebol. Está em conversações com um grande de São Paulo e outro de Minas Gerais.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.01.19
ED. 6045

Ao pé do ouvido

Os irmãos Moreira Salles até chegaram a trocar ideias quanto às suas possibilidades na Editora Abril. O clã tem intimidade com o setor. Fernando foi sócio da IstoÉ e João é dono da Piauí.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.01.19
ED. 6045

Ponto final

Os seguintes citados não retornaram ou não comentaram o assunto: Magazine Luiza, Banco Safra, Jequiti, Sapore, IMC e Band.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.