Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
18.12.18
ED. 6017

Política interna será o termômetro para o “Itamaraty de Jair Bolsonaro”

O incomum desconvite aos chefes de estado e de governo de Cuba e da Venezuela para a posse de Jair Bolsonaro foi uma decisão de fora para dentro do Itamaraty. Não houve qualquer tipo de recomendação do ministério das Relações Exteriores nessa direção; nem agora, nem em nenhum momento anterior. A medida partiu do próprio núcleo duro de Bolsonaro e, mais do que qualquer outro significado no âmbito internacional, teve como objetivo principal atender as bases eleitorais domésticas. Com a decisão, o presidente eleito corrobora o discurso de campanha e avança no processo de “vilanização” dos governos socialistas dos dois países. Trata-se de um gesto que pode ser interpretado, desde já, como uma avant première da condução da área de Relações Exteriores no governo Bolsonaro.

Mesmo antes de Ernesto Araújo assumir o Ministério, a linha já está sendo ditada e imposta ao Itamaraty: tudo leva a crer que a política externa brasileira será, em grande parte, indexada e condicionada à política interna. A partir deste entendimento de que as relações internacionais do Brasil serão guiadas com um olho na opinião pública, já existem preocupações no corpo diplomático do Itamaraty quanto aos possíveis desdobramentos desse primeiro movimento de agravo a Cuba e Venezuela. Não são pequenas as chances de que a medida descambe para atos ainda mais contundentes como a retirada do embaixador brasileiro de Havana e Caracas ou, em um caso mais extremo, no rompimento das relações diplomáticas com os dois países.

Ressalte-se que a eventual ruptura diplomática não precisaria ser automaticamente acompanhada de um rompimento das relações comerciais, não obstante os dois países terem participação pouco relevante na balança brasileira. Há antecedentes nesta direção na própria história brasileira. Durante o governo de Juscelino Kubitschek, mais precisamente em 1958, o Brasil retomou os negócios com a União Soviética embora o Senado tenha vetado o reatamento das relações diplomáticas com o país, suspensas em 1947 pelo então presidente Eurico Gaspar Dutra. Em um primeiro momento, o atípico movimento em relação a Venezuela e Cuba poderia soar como uma espécie de oferenda ao governo Trump, um ponto de alinhamento extremo à política diplomática norte-americana.

Não que inexistam sinais nesta direção. Muito pelo contrário. Mas, segundo informações auscultadas do próprio Itamaraty, eles não passam pelos dois países latino americanos. Basta lembrar que representações diplomáticas de ambas as nações socialistas estiveram presentes à própria posse de Trump, em janeiro de 2017. O governo de Donald Trump certamente veria com bons olhos sinais de distanciamento do Brasil em relação ao Irã, que tem sido alvo de seguidas e pesadas sanções econômicas impostas pelos Estados Unidos.

Do ponto de vista pragmático, no entanto, trata-se de um afago mais custoso de ser feito pela gestão Bolsonaro. O Brasil tem um superávit comercial alto com os iranianos. Entre janeiro e setembro deste ano, por exemplo o saldo foi de aproximadamente US$ 4,5 bilhões, impulsionado, sobretudo, pelo aumento de mais de 520% nas exportações de milho. No mesmo período, este número só foi superado pelo superávit com a China (US$ 20 bilhões). Em outro front, existe a já notória questão de Israel. Tudo indica que Jair Bolsonaro cumprirá a promessa de transferir a Embaixada brasileira de Tel-Aviv para Jerusalém, seguindo os passos do governo Trump. Um gesto ainda mais bem-visto pelos Estados Unidos seria o reconhecimento pelo Brasil da cidade santa como a capital de Israel, algo que dependeria de um ato executivo da Presidência da República.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.12.18
ED. 6017

Neeleman não acerta o relógio em Portugal

Se, no Brasil, David Neeleman desponta, por meio da Azul, como candidato à compra da Avianca, do outro lado do Atlântico o empresário vive um momento conturbado. A TAP, de sua propriedade, tem sido alvo de duras críticas do governo, entidades da área de turismo e passageiros pelo crescente índice de atrasos de seus voos. Em setembro apenas 51% das decolagens da companhia saíram no horário previsto – o índice médio de pontualidade da aviação civil no mundo gira em torno de 80%. No mesmo mês, a TAP ocupou a vexatória posição de 186º lugar em um ranking de 198 empresas aéreas em relação ao cumprimento dos horários. A falta de compromisso com o relógio tem custado caro a Neeleman e ao próprio governo de Portugal, sócio da companhia. No ano passado, os gastos da TAP decorrentes de atrasos em seus voos cresceram 40 milhões de euros.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.12.18
ED. 6017

Um aliado a menos para o Cencosud Brasil

A operação da varejista Cencosud no Brasil perdeu um importante aliado. No fim de semana, Rodrigo Larraín deixou o cargo de CFO. Na cúpula do Cencosud, Larraín era um dos principais defensores dos investimentos da empresa no Brasil. Conforme noticiado pela própria mídia chilena, há uma pressão dos acionistas para que o grupo – dono das bandeiras Prezunic e GBarbosa – deixe o mercado brasileiro devido às seguidas perdas financeiras. Consultada, a Cencosud negou “qualquer intenção de deixar o país”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.12.18
ED. 6017

Teste de audiência

O PT costura com o PCdoB uma série de atos nas principais capitais brasileiras em janeiro, logo após a posse de Jair Bolsonaro. A bandeira das manifestações será a defesa da CLT – Bolsonaro tem pregado uma flexibilização ainda maior das leis trabalhistas. Em tempo: os protestos teriam a função colateral de testar a capacidade do PT de ainda elevar a temperatura das ruas.

Por ora, no entanto, o PT não consegue mobilizar sequer as centrais sindicais. A CUT, apêndice histórico do partido, está dentro. No entanto, Força Sindical, UGT e CTB relutam em participar das manifestações.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.12.18
ED. 6017

Aposta redobrada

A gestora britânica Actis, que administra US$ 8 bilhões, trabalha na captação de um novo fundo para a América Latina, em 2019. Parte expressiva dos recursos será destinada ao Brasil. Os ingleses também pretendem reinvestir no país o dinheiro arrecadado com a iminente venda da rede de supermercados CSD, no Paraná.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.12.18
ED. 6017

Os mocinhos

A Netflix estaria acelerando o passo para antecipar de maio para abril a estreia da segunda temporada de “O Mecanismo”. O objetivo é não descolar em demasia a atração da posse de Jair Bolsonaro, Sérgio Moro e cia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.12.18
ED. 6017

Desacelera, Doria…

Até mesmo aliados de João Doria acham que ele está passando um pouco do limite em sua ofensiva contra os tucanos “cabeças brancas”. Nem mesmo o delicado estado de saúde de Alberto Goldman, 81 anos, tem inibido a movimentação de Doria para expulsá-lo do PSDB;

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.12.18
ED. 6017

Será fogo amigo?

O deputado Delegado Waldir (PSL-GO) ganhou pontos junto aos Bolsonaro pelo seu trabalho na articulação política. Seu nome já desponta como favorito ao posto de líder do partido na Câmara. O inusitado, neste caso, é o fato de a família Bolsonaro aparentemente estar satisfeita com um parlamentar do PSL.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

18.12.18
ED. 6017

Ponto final

Procurada pelo Relatório Reservado, a seguinte empresa não retornou até o fechamento da edição: Actis.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.