Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
16.11.18
ED. 5995

Bozano antecipa seu primeiro ano letivo pós-Paulo Guedes

A Bozano Investimentos ensaia sua primeira operação após a saída de Paulo Guedes. A companhia estaria em negociações para a compra da Unigranrio. As cifras no quadro-negro giram em torno dos R$ 600 milhões. As tratativas envolvem a transferência dos dez campi da universidade carioca. Há cerca de dois meses, a Ser Educacional, do empresário cearense Janguiê Diniz, esteve perto de fechar a aquisição da Unigranrio. O negócio, no entanto, teria esbarrado na discordância em relação a valores e no passivo fiscal da empresa – a dívida seria da ordem de R$ 100 milhões. Consultada, a Unigranrio confirmou o encerramento das conversas com a Ser e informou que não há qualquer negociação em curso “neste momento”. A Bozano, por sua vez, não foi tão assertiva: “Por questões de confidencialidade não podemos nos manifestar de forma positiva nem negativa sobre negociações”. Para bom entendedor… A área de educação, não custa lembrar, está no centro das denúncias que pairam sobre o futuro ministro da Economia. O Ministério Público investiga supostas irregularidades em aplicações feitas por fundos de pensão na BR Educacional, private equity que era gerido por Paulo Guedes na Bozano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.11.18
ED. 5995

Propina engarrafada

Um dos mais notórios políticos brasileiros, que virou vinagre nas mãos da Justiça, colocou à venda sua cobiçada adega. Está pedindo cerca de R$ 12 milhões por uma das mais conceituadas e valiosas coleções de rubiáceos do país. Entre outros rótulos, o acervo reúne safras míticas de Chateau Latour e Romanée Conti.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.11.18
ED. 5995

Ozires ajuda no plano de voo de Bolsonaro

O coronel Ozires Silva, que vinha hibernando há alguns anos, foi resgatado pelos assessores militares de Jair Bolsonaro. Ozires, cuja história se confunde com a criação da Embraer, tem sido consultado sobre a fusão da companhia com a Boeing. Não se sabe se foi por sua influência, mas o general Mourão já se mostrou simpático ao negócio. Ozires tem dado conselhos também sobre projetos estruturantes de economia física. Como se sabe, ele foi ministro da Infraestrutura no governo Collor. Sua gestão, porém, foi considerada morna, não deixando legado ou nada de relevante a relembrar. O eterno presidente da Vale e polivalente ministro de vários governos, Eliezer Batista, dizia que era “melhor deixar o Ozires lá na Embraer, porque a infraestrutura já estava complicada o suficiente”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.11.18
ED. 5995

Diplomacia quatro estrelas

Jair Bolsonaro manifestou a aliados a intenção de ter um conselheiro da área de Relações Exteriores ao seu lado no Palácio do Planalto. O cargo pode ser ocupado por um general. Mal comparando, seria algo similar à figura de Marco Aurelio Garcia no governo Lula. A ideia não desperta simpatias no Itamaraty, que teme um duplo comando na Pasta.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.11.18
ED. 5995

Educativa

A ideia de transformar as emissoras da EBC em rádios educativas entrou na frequência de Jair Bolsonaro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.11.18
ED. 5995

Facebook entra em campo

O Facebook vai disputar a compra de direitos de transmissões esportivas no Brasil. Um dos alvos seria a Copa do Nordeste, nas mãos da Turner. Consultada, a empresa não se pronunciou sobre planos para o país. Em relação à Copa do Nordeste, declarou não ter “nenhuma informação a respeito para compartilhar”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.11.18
ED. 5995

A morte e a morte de Virgulino Ferreira

Os snipers – ou algo que o valha – já batiam ponto no sertão dos anos 30. Em livro que será lançado nos próximos dias, o historiador Frederico Pernambucano jogará luz sobre um dos episódios mais obscuros do passado brasileiro. Em “Apagando o Lampião: vida e morte do Rei do Cangaço” (Global Editora), ele revela que Virgulino Ferreira da Silva não perdeu a vida em combate, mas executado com um único tiro disparado a cerca de oito metros de distância, na grota do Angico, por Sebastião Vieira Sandes, soldado da PM de Alagoas, em 28 de julho de 1938. Ao longo das 400 páginas, Frederico Pernambucano descreve, entre outros feitos, como Lampião criou o “Cangaço S.A.”: em 1917 foi servir na Vila da Pedra com o coronel Delmiro Gouveia, militar que introduziu o capitalismo no sertão. Lampião, ao morrer, tinha dez “franqueados”, atuando em diferentes pontos do Nordeste onde, entre outras atividades, se exercia a agiotagem no sentido mais perverso do negócio, com juros escorchantes e agressões aos maus pagadores. “Lampião quando morreu tinha mil contos de réis. Para se ter ideia do que isto representa, o bilhete máximo da loteria federal à época era de 300 contos. Lampião ainda possuía 5 kg de ouro, sendo que 70 peças do metal estavam presas em sua roupa, bom alfaiate que sempre foi”, concluiu o autor.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.11.18
ED. 5995

Tem Bolsonaro na linha

O governo Bolsonaro comprou o barulho das empresas de telefonia. Onyx Lorenzoni, futuro ministro da Casa Civil, tenta um acordo com o presidente do Senado, Eunício de Oliveira, para que a Casa vote em regime de urgência o projeto de lei 79/2016, que altera a Lei Geral das Tele-comunicações. O ponto de maior interesse das companhias do setor é a permissão para que as concessionárias de telefonia fixa passem a operar sob o regime de autorização. Trata-se de um pleito antigo do setor.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.11.18
ED. 5995

PSL toma um banho de loja

De volta ao comando do PSL, o deputado eleito Luciano Bivar vai conduzir um plano de reestruturação da legenda. O objetivo é apagar a pecha de partido de aluguel e montar uma organização à altura da sigla que elegeu o presidente da República, 53 deputados e quatro senadores. A prioridade no “business plan” de Bivar é estruturar os 27 diretórios estaduais. A maioria está instalada em imóveis temporários e tem direções interinas. Além disso, a bancada do PSL será submetida a uma espécie de “intensivão” sobre o funcionamento do Congresso. Uma parte expressiva dos eleitos é marinheiro de primeira viagem, que embarcou no fenômeno Bolsonaro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.11.18
ED. 5995

GP lustra seus talheres

A GP Investimentos pretende trazer para o Brasil, em 2019, ao menos uma das duas redes de restaurantes que controla no exterior – a inglesa Leon ou a norte-americana Bravo Brio.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.11.18
ED. 5995

Boca do caixa

O grupo português Sonae deverá cravar em breve uma aquisição na área de shopping centers.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.11.18
ED. 5995

A conferir

A Rádio Lava Jato informa que novos trechos da delação de Antonio Palocci deverão ganhar o mundo nos próximos dias. Desta vez, ao menos, não será em semana de eleição.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.11.18
ED. 5995

Ponto final

Procuradas, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: GP Investimentos e Sonae Sierra.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.