Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
16.10.18
ED. 5974

Laureate avança sobre as salas de aula da Ilumno no Brasil

Há mais uma grande operação de M&A se desenhando na área de educação no Brasil. A Laureate – dona, entre outras redes, da Universidade Anhembi Morumbi – estaria em negociações para a compra dos ativos da também norte-americana Ilumno no país. A operação giraria em torno dos US$ 600 milhões. A joia da coroa é a Universidade Veiga de Almeida, no Rio de Janeiro.

Com a aquisição, a Laureate saltaria de 270 mil para quase 330 mil alunos no Brasil, entre cursos a distância e presenciais. O faturamento do grupo, por sua vez, sairia de R$ 1,7 bilhão para aproximadamente R$ 2,3 bilhões. Mais do que isso: a Laureate se consolidaria como o quarto maior conglomerado de ensino superior do país, credenciando-se a ser um dos grandes adversários da dupla Kroton e Estácio, líderes do setor. A Ilumno, por sua vez, colocaria um ponto final na sua errática trajetória no mercado brasileiro.

Em 2014 o grupo chegou a vender todas as suas operações no país para a Anima Educação, mas o negócio foi misteriosamente desfeito poucos meses depois. De lá para cá, os norte-americanos já ensaiaram sua saída do Brasil em pelo menos duas ocasiões. A mais recente ocorreu, no início do ano, após uma frustrada tentativa de venda dos ativos para a Ser Educacional, do empresário cearense Janguiê Diniz.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.10.18
ED. 5974

Risco jurisdicional ronda renovação de concessões

Algumas consultorias internacionais estão avaliando com certo temor os contratos de renovação das concessões feitos pelas agências reguladoras ou, quando não raras vezes, pelo Palácio do Planalto. A preocupação é que as ações do governo Temer sofram alguma suspeição, notadamente em relação às prorrogações acertadas sem licitação. A cobrança viria mais à frente.

O governo tem trocado investimento futuro por alargamento dos prazos das concessões. A priori, tudo é feito como se deveria, com estudos técnicos e documentos submetidos ao Tribunal de Contas da União (TCU). Ocorre que as renovações em troca de investimento não passam pela clivagem de um leilão prévio, que poderia medir a disposição de outro agente privado em ofertar valores maiores.

Problemas já ocorreram na área portuária, onde prorrogações foram suspensas e outras politizadas. Agora mesmo, em sua corrida desenfreada para tocar concessões para frente, o governo acelerou a permanência por mais 30 anos da Malha Paulista, que vai de Santa Fé do Sul (SP) até o Porto de Santos. É o primeiro caso de prorrogação antecipada de uma concessão ferroviária no país. As consultorias não discutem lisura, mas o ambiente político, no qual mesmo correções pontuais podem ser vistas como ameaça de recrudescimento do risco jurisdicional. O momento é delicado para quem renova ou para quem teve sua concessão renovada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.10.18
ED. 5974

Fio de esperança

A Uralkali, uma das maiores fabricantes de fertilizantes da Rússia, manifestou à Petrobras interesse na compra das fábricas de nitrogenados da Bahia, Sergipe e Paraná. Os ativos mofam sobre o balcão há mais de um ano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.10.18
ED. 5974

Abate de ativos

A BRF está penando para vender seus ativos na Tailândia. A empresa pede cerca de US$ 500 milhões pela operação, mas as melhores ofertas não chegam sequer a US$ 400 milhões. A subsidiária Golden Foods Siam foi adquirida em 2016, por US$ 350 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.10.18
ED. 5974

Country club eleitoral

O fundo partidário público é privilégio para poucos: dos 54 eleitos para o Senado apenas nove tiveram acesso aos recursos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.10.18
ED. 5974

ESPECIAL – Christian Lynch, jurista e cientista político – Um conservadorismo popular?

Tudo ainda muito nebuloso e temeroso. Mas, se a nova direita for capaz de ser domesticada pelas instituições, deixando de lado a caricatura fascista, será possível pensá-la como a contraparte conservadora do processo de democratização ou massificação da política que já havia acontecido à esquerda em torno do PT. Por muito tempo a esquerda, em âmbito nacional, também esteve essencialmente em setores de classe média, enraizando-se mais de 15 anos para cá em segmentos populares. O atual abandono do PSDB pelo eleitorado conservador de classe média, engrossado agora por setores populares evangélicos e outros, bem como a identificação do Bolsonaro como o Lula de um espalho invertido, podem indicar esse processo de constituição de um “conservadorismo popular” – e não apenas elitista ou tecnocrático como ele existiu até hoje. Mas ainda é cedo para saber.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.10.18
ED. 5974

Bimbo come o pão que o Brasil amassou

O Brasil está perdendo caloria na operação mundial da mexicana Bimbo, maior fabricante de pão industrializado do mundo. Neste ano, as vendas da subsidiária brasileira deverão corresponder a menos de 3% da receita global do grupo. Há quatro anos, esse índice era superior a 6%.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.10.18
ED. 5974

“Partido da CBF” busca novos filiados

Uma das missões do presidente eleito da CBF, Rogério Caboclo, será remontar a “base aliada” no Congresso. Com a derrota do deputado federal Darcisio Perondi (MDB-RS), que não conseguiu se reeleger, a entidade perderá o seu mais fiel interlocutor na Câmara. O diretor de assuntos legislativos da CBF, Vanderbergue Machado, fi gurinha carimbada nos corredores do Parlamento, já trabalha na construção das novas pontes.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.10.18
ED. 5974

O “furo” de Joice Hasselmann

A deputada eleita Joice Hasselmann (PSL-SP) conseguiu a proeza de levar uma descompostura tanto de Jair Bolsonaro quanto de João Doria. Partiu da jornalista a desastrada iniciativa de arrastar Doria para o encontro com o Capitão no último sábado, que não aconteceu. De Bolsonaro, recebeu um pito por tentar impor uma agenda que não estava previamente combinada. De Doria, uma reprimenda por lhe vender uma “mercadoria falsa”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.10.18
ED. 5974

Pouso programado

Uma rara boa notícia para o combalido Rio de Janeiro: a iFly, empresa do ramo de entretenimento que oferece simuladores de saltos de paraquedismo, vai abrir uma unidade na cidade em 2019. Com sede no Texas, a companhia tem 34 parques nos Estados Unidos e opera ainda em outros seis países. No Brasil, já aterrissou em São Paulo e Brasília.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.10.18
ED. 5974

Segundo turno europeu

Nem Haddad nem Bolsonaro. O ex-presidenciável Joaquim Barbosa deverá aceitar o conveniente convite para uma palestra na Europa na semana do segundo turno.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.10.18
ED. 5974

Maquiagem borrada

O disse me disse em torno de uma eventual investida para a aquisição da Avon não tem feito bem à pele e ao bolso dos acionistas da Natura. No intervalo de quatro meses, a empresa já perdeu quase 20% do seu valor de mercado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

16.10.18
ED. 5974

Ponto final

As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Laureate, Ilumno, BRF, Petrobras e Bimbo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.