Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
17.09.18
ED. 5954

Henrique Meirelles cola em Temer para propagandear seu “governo de transição”

Os vídeos de Michel Temer nas redes sociais com críticas a Geraldo Alckmin e Fernando Haddad são apenas as primeiras cenas da colaboração velada entre o Palácio do Planalto e a campanha de Henrique Meirelles. Há um esforço conjunto e coordenado no sentido de alavancar a candidatura do emedebista. A priori, Temer continua sendo uma presença infectocontagiosa para a imagem de qualquer candidato e, para todos os efeitos, seguirá a léguas de distância de Meirelles. No entanto, o ex-ministro da Fazenda acredita ter encontrado um veio na relação com o presidente que só ele pode explorar.

Meirelles é o único dos concorrentes ao Planalto capaz de trazer para si a negociação com o governo de soluções antecipadas para alguns dos dramáticos problemas a serem enfrentados pelo futuro presidente. Mais do que qualquer outro candidato, Meirelles pode dizer com autoridade que o “governo de transição” começa antes mesmo da eleição. É sintomático, por exemplo, que o atual titular da Fazenda, Eduardo Guardia, uma extensão de Meirelles no cargo, tenha surgido em cena na semana passada resgatando a reforma da Previdência, com a proposta de um mutirão no Congresso para a aprovação do projeto logo após as eleições.

Quase que simultaneamente chama a atenção também a movimentação do ministro em torno da elaboração de proposta para a redução do Imposto de Renda para Pessoa Jurídica (IRPJ). Ninguém, a bem da verdade, acredita que o Congresso Nacional aprove qualquer medida polêmica ou impopular nesse período. Mas Henrique Meirelles poderia trazer para si a resolução do problema orçamentário do Bolsa Família e do Benefício de Prestação Continuada (BPC), programas sociais que tiveram parcela expressiva de verbas diferidas para aprovação futura pelos congressistas. A saída está dada – ver RR edição de 13 de setembro – e tem sido objeto de discussão entre o candidato emedebista e seus ex-companheiros de equipe econômica.

O expediente não passa pelo Congresso. Os recursos seriam providos do lucro do Banco Central, uma artimanha fiscalmonetária condenada à extinção, que transfere para a instituição a rentabilidade das reservas cambiais sem que elas tenham sido vendidas. Conseguindo ou não êxito em suas demandas, o importante na campanha é o discurso e o espaço no noticiário. A reaproximação do governo e do presidente da República que o próprio Henrique Meirelles renega em sua campanha eleitoral é uma desesperada tentativa de içar uma candidatura pregada no chão. Com 3% nas últimas pesquisas do Ibope e do Datafolha, o solitário emedebista tem de inventar algo diferente, mesmo correndo o risco de levar um tombo.

Michel Temer é um chapéu de dois bicos: tanto atrapalha quanto ajuda. A estratégia de usar o próprio Temer para satanizar Geraldo Alckmin nas redes sociais foi elaborada a partir de uma “joint venture” entre Elsinho Mouco, o marqueteiro da Presidência da República, e os publicitários Chico Mendez e Paulo Vasconcellos, responsáveis pela comunicação de Meirelles. Outras peças deverão ser produzidas e disseminadas nos próximos dias. Enquanto isso, Meirelles analisa se vale a pena posar como o “candidato-estadista” que convenceu o presidente da necessidade de resolver parte dos graves problemas do futuro governante, seja ele quem for.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.09.18
ED. 5954

Tema na Febraban

A desconstrução de Ciro Gomes tem sido um tema frequente nas reuniões da Febraban.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.09.18
ED. 5954

Bolsonaro já ganhou a eleição

Alertado por partidos como PT e PSDB, o TSE está investigando o site www.urnadigital.com. Nova coqueluche no WhatsApp e redes sociais, a ferramenta simula a eleição de outubro, recolhe votos dos internautas e disponibiliza a apuração online. O que mais intriga é o desempenho do clã Bolsonaro no escrutínio cibernético. O patriarca aparece com 61% dos votos, mais do que o dobro do seu melhor resultado nas pesquisas. Ou seja: “vence” no primeiro turno. Flavio Bolsonaro, que disputa vaga no Senado pelo Rio de Janeiro, surge com 39% – na última pesquisa do Ibope, tinha 19%. Em São Paulo, a lista dos quatro mais “votados” para deputado federal é encabeçada – adivinhem só – por Eduardo Bolsonaro. A seguir, Joice Hasselmann, Alexandre Frota e o príncipe Luiz Philippe de Orleans e Bragança, todos correligionários de Bolsonaro. Convenientemente, o site disponibiliza ferramenta que permite disseminar os resultados por WhatsApp. Por falar em Bolsonaro e internet, seus advogados estão entrando com uma ação para obrigar o Facebook e o Twitter a tirar do ar posts com comentários ou insinuações de que o atentado ao Capitão foi uma farsa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.09.18
ED. 5954

BR Pharma x BTG

Paulo Remy, dono da BR Pharma, está disposto a brigar na Justiça contra o BTG, maior credor da empresa, caso o banco não aprove a venda da Farmais. Trata-se da última sobrevivente entre as redes de drogarias que compunham a holding. A briga é antiga. Remy acusa o BTG, ex-controlador da BR Pharma, de ter passado o negócio adiante cheio de “pílulas” fora da validade.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.09.18
ED. 5954

República de Curitiba

Alvaro Dias, o presidenciável que mais santifica a Lava Jato, agora tem se contorcido por causa dela. Em petit comité, joga na conta do seu partido, o Podemos, a responsabilidade pela escolha do empresário Joel Malucelli como seu suplente no Senado. A proximidade da eleição permite tudo, até  renegar uma amizade de longa data. Malucelli foi preso, acusado de participar de um suposto esquema de corrupção montado no governo de Beto Richa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.09.18
ED. 5954

Pole position

Talvez seja só um folguedo de dois milionários em um fim de tarde em Dubai, mas Luciano Huck e Rubens Barrichello ensaiam uma dobradinha para assumir o Autódromo de Interlagos. Nesse cockpit haveria espaço ainda para um grupo de investidores dos Emirados Árabes.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

Paulo Guedes vem tentando cooptar Jorge Gerdau para a campanha de Jair Bolsonaro. Pensando bem, o duet entre o Capitão e o Kaiser faz todo o sentido.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.09.18
ED. 5954

Lusco-fusco

O nº 1 da AES Brasil, Julian Nebreda, tenta arrancar da matriz um aporte extra para garantir a execução dos projetos da empresa em geração renovável. Procurada, a AES limitouse a dizer que sua estratégia “contempla o crescimento de fontes não hidráulicas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.09.18
ED. 5954

E-commerce

O fundo californiano Redpoint Ventures, que administra pouco mais de US$ 4 bilhões, está garimpando ativos na área de e-commerce no Brasil

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

17.09.18
ED. 5954

Ponto final

Procuradas, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: BTG Pactual e BR Pharma.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.