Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
15.08.18
ED. 5932

Bolsonaro teme inimigos infiltrados na sua campanha

O comando da campanha de Jair Bolsonaro está paranoico com o risco de infiltração de subversivos entre os seus eleitores. A preocupação não é só com os eventos e aglutinações, mas também com ações de baderna ou destruição isoladas feitas por pequenos grupos de falsos militares; elementos vestidos com uniforme das Forças Armadas e plantados entre seus apoiadores somente para denegrir a imagem de Jair Bolsonaro. Os palanques das principais candidaturas são o alvo potencial que mais causa apreensão.

O temor é de que confrontos sejam estimulados em comícios com os pseudo bolsonaristas. Até mesmo as recepções de milhares de bolsonaristas à chegada do capitão aos gritos de “mito, mito” são vistas com cautela. Um atentado em qualquer um dos encontros dos candidatos adversários seria facilmente atribuível à militância do capitão, mesmo que sem pistas tão evidentes.

O alto comando da campanha de Jair Bolsonaro acredita que a popularidade do candidato vai crescer bastante ainda, na medida em que seu estilo vai se tornando “pop”. O medo é que ocorra um terrorismo reverso ao dos anos de chumbo, com os bandidos saindo supostamente em seu nome para afrontar a sociedade. Pode ser fantasia conspiratória ou simples pânico. Mas é fato que Bolsonaro já viu esse filme do outro lado da cerca.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.08.18
ED. 5932

Partido Novo e dos ricos

Nada é por acaso em política. O barulho em torno da declaração de bens do presidenciável João Amôedo virou munição eleitoral para o Partido Novo. Em uma estratégia arriscada, pelas mais diversas circunstâncias, a sigla pretende fazer da exibição da fortuna de seus principais candidatos uma bandeira de campanha. A ideia é explorar o discurso do disclosure e da transparência e usar a exposição das cifras como um diferencial em relação aos “políticos profissionais”. Além dos R$ 425 milhões apresentados por João Amôedo ao TSE, o candidato ao governo do Rio e ex-presidente da CVM, Marcelo Trindade, declarou um patrimônio de R$ 82 milhões. Já o ex-líder do Vem pra Rua, Rogério Chequer, que disputará o governo de São Paulo, é o “remediado” do Partido Novo: R$ 9 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.08.18
ED. 5932

Tríplice aliança

As negociações entre a Avianca e a United Airlines não apenas foram retomadas, como contam com um terceiro tripulante. Segundo o RR apurou, a panamenha Copa Airlines também deverá aterrissar na parceria estratégica que vem sendo costurada entre German Efromovich e a companhia norte-americana.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.08.18
ED. 5932

Lula livre, de dívidas

Além do “Lula livre”, o slogan “dívida zero” também ecoa entre os petistas. Aliados históricos do ex-presidente, como o ex-ministro Gilberto Carvalho, articulam com grupos e partidos da esquerda internacional uma campanha com o objetivo de angariar recursos para o Instituto Lula. A situação é bastante delicada. Somente as dívidas fiscais acumuladas pela entidade somam mais de R$ 30 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.08.18
ED. 5932

Maquininha popular

A Rede, credenciadora do Itaú, está adotando uma estratégia agressiva para vender sua recém-lançada maquininha de cartão de crédito e ganhar mercado rapidamente. Foi na fronteira da economia informal, oferecendo mil e um benefícios para pequenos comerciantes e ambulantes.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.08.18
ED. 5932

Cemig e ISA em campos opostos

A colombiana ISA e a Cemig são duas correntes elétricas em sentido contrário no controle da Taesa. O distanciamento diz respeito ao fôlego financeiro de cada uma e aos planos para a empresa de transmissão. A ISA prega uma política de expansão mais agressiva. Na alça de mira, a compra de cinco linhas de transmissão da Eletrobras e a entrada no próximo leilão da Aneel. Já a Cemig está em outra sintonia, premida pelas circunstâncias. Só pensa em vender ativos – vide a recente negociação da Cemig Telecom – e reduzir sua dívida de quase R$ 13 bilhões. Sinal de divórcio à vista? A Cemig afirma que “o seu relacionamento com a ISA, na condição de acionistas da Taesa, é completamente alinhado”. Está feito o registro. A ISA, por sua vez, não quis se pronunciar. Mas, segundo informações filtradas da própria Taesa, os planos dos colombianos para o Brasil passariam ao largo da estatal mineira. Em um mundo ideal, a ISA, controladora da CTEEP, promoveria a fusão da companhia com a Taesa, dando origem à maior holding privada de transmissão do país.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.08.18
ED. 5932

Apetite redobrado

Warburg Pincus e Gávea Investimentos, acionistas do Grupo GPS, começam a tracejar o IPO da holding, que engloba desde serviços na área de segurança empresarial ao negócio de refeições coletivas. O prato deve ser servido no primeiro semestre de 2019. Com faturamento na casa de R$ 2,8 bilhões, a GPS tem se notabilizado pelo apetite aquisitivo, notadamente no segmento de refeições: só no ano passado comprou quatro concorrentes.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.08.18
ED. 5932

Cartas marcadas na Embrapa

A sucessão na presidência da Embrapa deverá mostrar, mais uma vez, a permeabilidade da Lei das Estatais. À luz do sol, a companhia está seguindo a liturgia, com a abertura do processo seletivo interno, no qual qualquer funcionário poderá se inscrever. Na penumbra da noite, no entanto, o ministro Blairo Maggi e o deputado Luiz Carlos Heinze, líder da bancada ruralista, já discutem a escolha de um nome do agrado do agronegócio. O atual presidente, Mauricio Lopes, deixa o cargo em outubro.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.08.18
ED. 5932

Primeira semente

A AgriBrasil, do empresário Frederico Humberg, tem se aproximado de grupos agrícolas chineses. Em pauta, uma parceria para a produção de sementes de soja não transgênica, com a garantia de mercado cativo na Ásia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.08.18
ED. 5932

Conta dividida

A EDP, que comprou parte da Celesc, pretende concentrar nessa parceria seus novos projetos em geração de energia no Brasil. Ou seja: a chinesa Three Gorges, controladora do grupo português, vai convenientemente dividir o risco do negócio com o erário de Santa Catarina.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.08.18
ED. 5932

À caça

A corretora sul-coreana Mirae, que já administra mais de R$ 12 bilhões no mercado brasileiro, saiu à caça de aquisições no país.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.08.18
ED. 5932

Imagem e semelhança

Tão ou mais insondável do que o pensamento econômico de Jair Bolsonaro é o posicionamento de seu partido, o PSL, sobre questões fulcrais. Os deputados da sigla não fecharam questão sobre os projetos de lei da cessão onerosa da Petrobras e da privatização das distribuidoras de energia administradas pela Eletrobras, ambos em tramitação no Congresso.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

15.08.18
ED. 5932

Ponto final

As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Avianca, Rede, EDP, GPS, Warburg e Gávea.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.