Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
07.06.18
ED. 5883

State Power descarrega bilhões para ser nº 1 do setor de geração

A venda da Eletropaulo para a Enel ainda reluz nas manchetes e já existe outra grande operação de M&A em gestação no setor elétrico. O RR apurou que a chinesa State Power Investment Corporation (SPIC) costura sua entrada no capital das usinas de Santo Antônio e de Jirau, dois dos maiores projetos hidrelétricos da Amazônia. No primeiro caso, o ingresso se daria com a compra da participação da Cemig (10%) e de parte das ações em poder de Furnas, detentora de 39%. A Eletrobras, por sinal, é o ponto de interseção entre as duas operações. A porta de entrada da SPIC em Jirau seria a aquisição de um naco das ações pertencentes à Chesf e à Eletrosul, que, juntas, detêm 40% da Energia Sustentável do Brasil, consórcio controlador da hidrelétrica.

Para atar todos esses fios societários, estima-se que o desembolso dos chineses ultrapasse os R$ 12 bilhões. Procuradas pelo RR, SPIC, Eletrobras e Cemig não quiseram se pronunciar. A operação parece feita sob medida para as circunstâncias e as pretensões de seus três protagonistas. A SPIC, que recentemente pagou R$ 7 bilhões para comprar a hidrelétrica de São Simão junto à Cemig, se tornaria o maior grupo privado de geração de energia do Brasil. A empresa passaria a ter em sua carteira um colar de usinas com capacidade de produção de mais nove mil MW, superando a franco-belga Engie e a conterrânea Three Gorges – hoje as duas principais empresas do segmento.

A Cemig, por sua vez, está no meio de uma tour de force para alienar ativos e reduzir sua alavancagem financeira. Desde o ano passado, busca um comprador para a sua participação na Usina de Santo Antônio. A operação também aliviaria o torniquete da Eletrobras. A venda de uma parcela das respectivas participações de Chesf, Eletrosul e Furnas nas duas hidrelétricas geraria caixa em um momento de notória fragilidade financeira do grupo.

O próprio governo enxerga a operação com bons olhos, mesmo porque, a esta altura, ninguém mais em Brasília acredita na venda das distribuidoras federalizadas e muito menos na privatização da Eletrobras. Ressalte-se ainda que não é de hoje que a Eletrobras tem reduzido gradativamente sua participação no segmento de geração de energia elétrica. Em 2011, a companhia era responsável por 36% da capacidade instalada no país; hoje, esse índice beira os 30%. E tende a cair. Na década passada, a Eletrobrás respondeu por 28% da expansão da geração no Brasil. De 2011 para cá, entrou apenas com 15% dos novos projetos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.06.18
ED. 5883

Operação bombeiro

O Palácio do Planalto escalou o ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, para uma rodada de entrevistas emergenciais à mídia nordestina, notadamente emissoras de rádio. O objetivo é debelar os boatos sobre possíveis cortes ou até mesmo o cancelamento do Bolsa Família que têm espocado na região nos últimos dias. Henrique Meirelles – para todos os efeitos, o pré -candidato de Michel Temer – agradece

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.06.18
ED. 5883

Apenas o início

A aquisição da fabricante de celulose paulista Lwarcel foi só o início, A Royal Golden Eagle, de Cingapura, já reservou algo em torno de R$ 1 bilhão para a compra de ativos florestais no Brasil.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.06.18
ED. 5883

“Chuchu” fora do sério

O lançamento do programa de Geraldo Alckmin para a área de segurança, ontem, no Rio de Janeiro, causou enorme estresse nos bastidores da campanha tucana. Alckmin fez duras cobranças ao seu staff diante do fiasco em que o evento se transformou. Embora aberta ao público, não havia mais do que 25 pessoas na apresentação.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.06.18
ED. 5883

O apelo dos Yunes

O Planalto monitora, com alta dose de apreensão, os “batimentos” de José Yunes, o amigo de Michel Temer. Informações que circulam no Palácio dão conta de que o advogado estaria sendo pressionado pela família a fechar um acordo de delação premiada. O pedido da Polícia Federal de quebra do sigilo telefônico do próprio Temer, e também dos ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco, deve aumentar o tom dos apelos familiares. A PF investiga a venda de um imóvel de Yunes à primeira-dama, Marcela Temer.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.06.18
ED. 5883

Terra chinesa

A chinesa Chongqing Grain Group estaria comprando hectares e mais hectares no Centro-Oeste. O alvo principal é a exportação de soja para o mercado asiático. A Chongqing já tem operações no Brasil: é controladora da Universo Verde Agronegócios. No início desta década, o grupo asiático chegou a anunciar um investimento de mais de US$ 2 bilhões na Bahia, englobando a produção de grãos, instalação de um centro de armazenagem e a construção de uma ferrovia, mas a maior parte dos projetos não saiu do papel.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.06.18
ED. 5883

PCdoB escolhe “vice de festim”

O anúncio do nome do sindicalista Adilson Araujo como vice na chapa de Manuela D’Ávila é tratado dentro do próprio PCdoB como um factoide da cúpula do partido. O real objetivo seria valorizar o “passe” de Manuela, já visando uma eventual aliança com o PT, seja quem for o seu candidato, ou com Ciro Gomes

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.06.18
ED. 5883

Eternit sofre com atritos societários

A decisão da Eternit de comprar os 40% restantes da Companhia Sulamericana de Cerâmicas (CSC) acirrou a contenda entre os dois mais importantes acionistas da empresa. A medida foi uma vitória de Lírio Parisotto sobre seu antípoda, o também investidor ativista Luiz Barsi Filho. Parisotto tem sido ferrenho defensor da diversificação de negócios da fabricante de telhas. Os choques entre ambos se espraiam pela gestão da companhia: Parisotto estaria pregando mudanças na diretoria, a começar pela substituição do presidente Luis Augusto Barbosa, indicado por Barsi – ver RR de 18 de abril. Enquanto seus acionistas duelam, a Eternit vive delicada situação financeira. A empresa acena aos credores que até meados de julho apresentará seu plano de recuperação judicial

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.06.18
ED. 5883

Mando de campo

A francesa Lagardère, que quase assumiu o Maracanã no ano passado, está entrando em campo para disputar a licitação do Pacaembu. O resultado da “partida” será conhecido na primeira semana de julho, quando a Prefeitura de São Paulo abrirá os envelopes com as propostas

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.06.18
ED. 5883

Memórias da Lava Jato

Vem aí a “terceira denúncia” contra Michel Temer. Rodrigo Janot, que está escrevendo um livro sobre os bastidores da sua passagem pela PGR, já tem proposta para transformar as memórias da Lava Jato em filme

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.06.18
ED. 5883

Gato mestre

FHC apoiou a distância o lançamento do Polo Democrático, manifesto que prega uma candidatura única de centro – do qual é o mais reluzente signatário. Em cima da hora, avisou que não compareceria ao evento, na última terça-feira, em Brasília, por conta de uma indisposição.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

07.06.18
ED. 5883

Ponto final

Procuradas, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Eternit e Royal Golden Eagle.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.