Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
03.05.18
ED. 5859

NC Farma prescreve a compra do laboratório Medley

O empresário Carlos Sanchez, controlador da NC Farma, joga duas cartadas simultâneas nas negociações com a Sanofi . De um lado, fez uma oferta pela Zentiva, a divisão de genéricos do grupo na Europa; do outro, avança sobre o laboratório brasileiro Medley,
também controlado pelos franceses. Se, na Europa, a briga é bem mais acirrada – a imprensa francesa crava o fundo Advent como favorito para a aquisição da Zentiva -, no Brasil a NC Farma teria exclusividade nas tratativas com a Sanofi . O Medley, um dos maiores fabricantes de genéricos do país, estaria avaliado em aproximadamente US$ 500 milhões. Procurada pelo RR, a NC Farma não quis se pronunciar. A Sanofi , por sua vez, confirmou as tratativas para a negociação da sua unidade de genéricos da Europa, mas nega que a Medley esteja à venda. Está feito o registro. No entanto, a fonte do RR garante o interesse de Sanchez pelo laboratório e lembra que a NC Farma já assumiu uma fábrica da Medley em Brasília. Por sinal, desde que adquiriu a companhia, em 2009, o grupo francês jamais conseguiu colocar o negócio no prumo. Trocou a direção da controlada e impôs um draconiano processo de corte de custos. Não surtiu o efeito esperado. O Medley, que, em 2013, era o terceiro maior fabricante de genéricos do país, caiu para o sexto posto. Carlos Sanchez em nada lembra o empresário que há cerca de dois anos chegou a ser atormentado pela Lava Jato por conta de seu relacionamento com José Dirceu. Entrou no segmento de mídia e tem investido em energia eólica ao mesmo tempo em que vem comprando ativos na indústria farmacêutica no Brasil e no exterior. Com a aquisição da Medley, a NC sairia de R$ 16 bilhões para quase R$ 18 bilhões em faturamento e ampliaria sua liderança no mercado brasileiro, distanciando-se de Hypera, Aché e da própria Sanofi.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.05.18
ED. 5859

Pressão sobre Barbosa

Enquanto Joaquim Barbosa segue com seus rodeios e evasivas, a direção do PSB tenta antecipar os fatos. Além de vazar na mídia propostas atribuídas a Barbosa, está montando uma agenda de viagens do pré-candidato a estados governados pelo partido, incluindo São Paulo, do “alckmista” Marcio França. O ponto alto, no entanto, seria a visita a Pernambuco e um encontro com a família de Eduardo Campos, que comanda a sigla no Nordeste. Ao mesmo tempo, o PSB já tem até marqueteiro escolhido para Barbosa: o argentino Diego Brandy, o mesmo que coordenou a campanha de Marina Silva em 2014.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.05.18
ED. 5859

Pouso forçado

German Efromovich, dono da Avianca, está vendo a parceria com a United Airlines escapar entre seus dedos. As negociações entre as duas companhias teriam esfriado nas últimas semanas. A United está mais interessada em aumentar sua participação na Azul, por meio da compra da participação da chinesa HNA. A suspensão do processo de fusão da Avianca Holdings com a Avianca Brasil também teria pesado no recuo dos norte-americanos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.05.18
ED. 5859

Eletrocutado

A relação entre Moreira Franco e o secretário executivo de Energia Elétrica, Fábio Alves, entrou em curto-circuito. Ligado ao ex ministro Fernando Coelho Filho, Alves deve ser eletrocutado em breve.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.05.18
ED. 5859

Rocha Loures

A norte-americana Mondelez já teria apresentado uma oferta pela fabricante de alimentos Nutrimental. Os valores giram em torno dos R$ 500 milhões. A cifra ainda está bem abaixo do que a família Rocha Loures – do notório deputado afastado Rodrigo Rocha Loures – pedia originalmente: algo próximo de R$ 900 milhões.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.05.18
ED. 5859

Coteminas põe água em fervura societária

Por recomendação da área jurídica da Coteminas, o empresário Josué Gomes da Silva recolheu os flaps. No último dia 26 de abril, o Conselho de Administração da Companhia Tecidos Santanense, também controlada pelos herdeiros de José Alencar, decidiu cancelar a compra da Tropical Agroparticipações. Assim como as duas empresas têxteis, a Tropical pertence à família Gomes da Silva, o que deflagrou a reação dos minoritários da Santanense. Conforme o RR informou na edição de 12 de abril, investidores entraram com uma representação na CVM contra os acionistas controladores, acusando-os de abuso de poder econômico e de sangrar o caixa da companhia, transferindo recursos da tecelagem para a própria holding. A compra da Tropical Agroparticipações custaria à Santanense R$ 175 milhões. A cifra equivale a dois terços de todo o seu patrimônio (R$ 263 milhões). Apesar do passo atrás de Josué Gomes da Silva e demais acionistas da Coteminas, a contenda com os minoritários da Santanense ainda está longe de terminar. Os investidores questionam também empréstimos de R$ 107 milhões que teriam sido feitos pela tecelagem para a holding a taxas inferiores às praticadas no mercado.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.05.18
ED. 5859

UTC contesta decisão do Cade

A contenda entre a UTC Engenharia e o Cade deverá parar nos tribunais. A empresa, uma das figurinhas carimbadas da Lava Jato, pretende acionar o órgão antitruste na Justiça. Na semana passada, o Cade suspendeu o acordo de leniência firmado com a empreiteira e reabriu o processo que investiga sua suposta participação em um cartel na construção da Usina Angra 3. A UTC descumpriu sua parte no acordo ao não quitar a multa de R$ 139 milhões. Procurada pelo RR, a empresa confirma “o atraso no pagamento”, atribuindo-o ao fato de estar em “recuperação judicial, sem acesso aos seus recebíveis”. Sobre a decisão de acionar o Cade, a UTC não se pronunciou.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.05.18
ED. 5859

Renan, um petista de carteirinha

Renan Calheiros, talvez o mais “lulista” dos emedebistas, promete arrastar uma parcela do seu partido para os palanques de Camilo Santana e Rui Costa, ambos do PT, que disputam a reeleição, respectivamente, para os governos do Ceará e da Bahia. Isso, mesmo que o MDB venha a ter candidato próprio nos dois estados.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.05.18
ED. 5859

Laços de família

Divergências entre os próprios herdeiros de Cecilio do Rego Almeida estariam dificultando a venda do controle da EcoRodovias à italiana Gavio. Os atritos dizem respeito à participação que a família manterá após a operação: uma parcela do clã se contenta com 15%; outra exige 20%.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.05.18
ED. 5859

Rumo a presidência

João Doria guarda no bolso do colete uma pesquisa mostrando que seus eleitores aprovam que ele deixe a disputa pelo governo de São Paulo para concorrer à Presidência.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.05.18
ED. 5859

Inseparáveis

Mauro Arce, que acaba de deixar a presidência da Cesp, deverá se unir à equipe de campanha de Geraldo Alckmin. Será a ponte entre o presidenciável e o setor elétrico. Velho colaborador de Alckmin, Arce ocupou diversos cargos na administração do tucano.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

03.05.18
ED. 5859

Ponto final

As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Mondelez, Nutrimental, Avianca, United e Santanense.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.