Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
20.04.18
ED. 5851

China Railway e RZD exigem que Norte-Sul desvie da Lava Jato

A China Railway e a russa RZD Railways, apontadas como as principais candidatas à concessão da Norte-Sul, ameaçam ficar de fora do leilão. A dupla exige mudanças no modelo da licitação. Da forma como o script está montado, há o risco de a Norte-Sul arrastar seu futuro concessionário para dentro da Lava Jato. O motivo é a obrigatoriedade de que o investidor privado assuma antigos contratos firmados pela estatal Valec – boa parte deles alvo de investigações do Ministério Público e do TCU.

Segundo o RR apurou, China Railways e RZD consideram como caso de maior risco o acordo de R$ 166 milhões com a Constran, leia-se UTC, e a Carioca Engenharia para a construção de um trecho de 140 quilômetros da via férrea, o chamado Lote 4. No ano passado, o TCU determinou o bloqueio de bens da Constran devido a fraudes e superfaturamento na montagem de outro trecho da ferrovia – na ocasião o Tribunal ainda puniu a empresa, um de seus executivos e dois ex-dirigentes da Valec a ressarcir os cofres públicos em cerca de R$ 70 milhões. O governo chegou a reduzir o preço de outorga da Norte-Sul em 30% como contrapartida à transferência dos contratos e demais obrigações da ferrovia ao futuro concessionário.

China Railway e RZD, no entanto, entendem que não há desconto que pague o risco potencial das ossadas guardadas na Valec. Para os investidores a estatal deveria suspender os antigos contratos – a maioria deles firmada na gestão de seu antigo presidente, José Francisco das Neves, o “Juquinha”, já condenado por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. Por sinal, se há alguém que, por dever de ofício, conhece os labirintos da Valec e as ameaças embutidas na Norte-Sul é Bernardo Figueiredo, representante da RZD no Brasil e principal interlocutor entre os investidores e os ministros Moreira Franco – que, mesmo nas Minas e Energia, mantém um pé nas PPIs – e Valter Casimiro, titular da Pasta dos Transportes. Ex-presidente da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), Figueiredo foi o homem-forte da área de logística do governo Dilma I.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.04.18
ED. 5851

Terra cobiçada

A Terra Santa Agro é assediada por grandes grupos internacionais, a exemplo da chinesa Cofco. A empresa, que fatura quase R$ 1 bilhão por ano, tem como principais acionistas o investidor Silvio Tini, a Laplace e o Gávea, de Armínio Fraga. Quem ficar com essa colheita leva 150 mil hectares de áreas agrícolas, além de sete unidades de produção de grão e ativos de armazenamento.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.04.18
ED. 5851

Regra de ouro

As operadoras de telefonia estão silentes, mas incomodadas com os planos do governo de usar o Fistel para cumprir a “Regra de Ouro”. A priori os recursos deveriam voltar para o setor.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.04.18
ED. 5851

Senhor Eletrobras

O deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA) cerca a Eletrobras por todos os lados. Relator do projeto de privatização da companhia, trabalha para fincar a engenheira Araciba Rocha na diretoria de Administração da estatal.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.04.18
ED. 5851

Parente e Bendine, tão perto, tão longe

Parece haver um irresistível magnetismo entre a Petrobras e a BRF. Caso se confirme sua nomeação como chairman da empresa  de alimentos, curiosamente Pedro Parente seguirá os passos de seu antecessor, Aldemir Bendine, tornando-se o segundo presidente da estatal no board da companhia. A coincidência não poderia unir personagens tão distintos e de biografias tão díspares. Bendine dispensa comentários. Já Parente é, há muito, um dos mais bem cotados executivos do país. A julgar pelo seu histórico, ele levará a concórdia à BRF. Parente tem como tradição tocar a gestão de forma harmoniosa mesmo quando o cenário exige decisões mais contundentes, vide a própria Petrobras.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.04.18
ED. 5851

Conexão França

Publicamente, o governador de São Paulo, Marcio França, não se cansa de reafirmar o apoio a Geraldo Alckmin. Intramuros, segundo uma fonte presente no encontro entre líderes do PSB e Joaquim Barbosa ontem, França tem sinalizado que seu é junho. Se, até lá, a insossa campanha de Alckmin não decolar, ele e o PSB paulista seguirão outro caminho, aceitando embarcar na virtual candidatura de Joaquim Barbosa. Puro pragmatismo. O que França não quer é afundar junto com o tucano e colocar em risco sua própria reeleição ao governo de São Paulo. O último Datafolha ajudou a minar as convicções do governador paulista: Alckmin segue estacionado nos 7%; e Barbosa, sem qualquer esforço, já apareceu com 9%.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.04.18
ED. 5851

Um coquetel molotov para as montadoras

Há um fato novo que deverá esquentar a temperatura da Operação Zelotes. O lobista Mauro Marcondes Machado teria retomado as negociações para um acordo de delação. As revelações de Marcondes somadas a uma eventual confissão de Antonio Palocci teriam o condão de colocar fogo na indústria automobilística. O lobista foi condenado a 11 anos e oito meses de prisão por participar de um esquema de corrupção para a venda de Medidas Provisórias que beneficiariam, notadamente, montadoras. O “toma lá dá cá”, segundo as investigações, se deu durante a gestão de Palocci no Ministério da Fazenda. Marcondes teria atuado, sobretudo, em favor do Grupo Caoa e da Mitsubishi. Dois executivos ligados a esta última já foram condenados no âmbito da Zelotes. Com 82 anos e cumprindo prisão domiciliar, Mauro Marcondes tem um bom motivo para abrir o capô das suas memórias. Ele e sua mulher, Cristina Mautoni Marcondes, também condenada, são réus em outra ação, que investiga tráfico de influência e lavagem de dinheiro na compra dos caças Gripen, da sueca Saab. No dia 21 de junho, ambos têm um depoimento marcado na 10ª Vara Federal de Brasília. Na ilustre companhia do ex-presidente Lula, réu no mesmo processo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.04.18
ED. 5851

Desvio de rota

O fundo inglês Apax avalia vender uma parcela da sua participação na Tivit, associação com a família Mattar. Trata-se de um caminho alternativo diante das duas frustradas tentativas de realizar uma oferta de ações da empresa de TI no ano passado. Ambas foram canceladas por falta de demanda pelos papéis, que somavam quase R$ 1,5 bilhão. Os britânicos detêm pouco mais de 92% da Tivit.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.04.18
ED. 5851

Aliados

Os aliados de ACM Neto no DEM não perdoam: propalam que o prefeito desistiu de concorrer ao governo da Bahia para não perder o foro privilegiado. O “Anão” da lista da Odebrecht ficaria, ao menos, oito meses na chuva. Faz sentido.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.04.18
ED. 5851

Homem de fé

O pastor evangélico Marcos Pereira, ex-ministro do Desenvolvimento e presidente do PRB, é um homem sincrético. Embora seu partido tenha candidato próprio à Presidência, o empresário Flavio Rocha, Pereira conversou nos últimos dias com Michel Temer e Henrique Meirelles. Disse que o PRB e a Igreja Universal estão abertos para os dois candidatos.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

20.04.18
ED. 5851

Ponto final

Procuradas, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: RZD, China Railway, Apax, Terra Santa Agro e Cofco.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.