Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
09.12.16
ED. 5513

Trump não é Reagan. Pena!

O diretor do Centro de Estudos FGV – Crescimento e Desenvolvimento, Roberto Castello Branco, bateu um papinho rápido com o RR sobre a “Trumpmania”. Ele colocou no lugar certo as elucubrações que o RR insistia em fazer sobre pontos em comum entre Donald Trump e Ronald Reagan. São palavras do economista:

“Reagan, antes de ser presidente, foi governador da Califórnia por oito anos, onde fez uma boa gestão. Apesar de muito firme em suas ideias, era um conciliador. A evidência disso é que atraia simpatizantes do Partido Democrata. Uma arma para ganhar eleições se constituía nos chamados ‘Reagan Democrats’.

Trump, por sua vez, não tem qualquer experiência política ou na gestão pública. Mesmo sua trajetória como homem de negócios é no mínimo controvertida e, como sabemos, desperta ódio até mesmo no Partido Republicano. Trump é protecionista; Reagan era a favor do livre comércio. Quando Reagan e Gorbachev se encontraram pela primeira vez, Reagan chamou o russo para um bate papo informal. Disse que ambos haviam nascido em cidadezinhas cujos nomes não se sabia e que, na juventude, ninguém daria nada pelos dois. No entanto, naquele instante estavam ali como homens com poder para destruir o mundo. Então, propôs Reagan, era hora de ambos voltarem a serem homens simples e chegarem a um acordo razoável para seus países.

Faço essas miúdas reflexões, relembrando o almoço de que participei em 1990 no The Plaza, em Nova York, com a presença de Fernando Collor e Trump. Ele já era um empresário famoso, mas nunca pensei que fosse dar tanto o que falar…”

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.12.16
ED. 5513

Axa avança sobre seguradora da Vinci Partners

Um ano e meio após a aquisição da carteira de apólices de grandes riscos da SulAmérica, a francesa Axa estaria em negociações para a compra da seguradora Austral. A operação envolveria a transferência dos 80% pertencentes à Vinci Partners, de Gilberto Sayão – o IFC, leia-se Banco Mundial, detém o restante das ações. A Austral está avaliada em aproximadamente R$ 300 milhões – ou seja, um múltiplo de quase quatro vezes o patrimônio líquido, na casa dos R$ 80 milhões, segundo o balanço de junho.

As negociações para a venda da Austral têm sido conduzidas pelo JP Morgan. Há cerca de três meses, o grupo chinês Fosun, o mesmo que comprou a gestora de recursos Rio Bravo, de Gustavo Franco, chegou a abrir conversações com a Vinci, mas as tratativas perderam temperatura. Com foco no segmento de grandes riscos, notadamente seguro garantia, a Austral fechou 2015 com cerca de R$ 750 milhões em prêmios. Com ativos da ordem de 1,3 trilhão de euros em todo o mundo, a Axa tem se notabilizado por uma agressiva estratégia de aquisições globais: foram 20 nos últimos cinco anos, boa parte na Europa.

A investida sobre a Austral deixa claro o especial interesse dos franceses pelo mercado brasileiro de seguros de grandes riscos. O segmento de seguro garantia, que movimentou cerca de R$ 5 bilhões no ano passado, deverá ter um novo impulso com o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). O pacote de 34 concessões de infraestrutura anunciado pelo governo para 2017 é promessa de aumento da demanda pela cobertura de grandes obras de engenharia. Não custa lembrar que o projeto de lei 559/2013, que está em tramitação no Congresso, prevê o aumento dos limites para a contratação de seguro garantia.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.12.16
ED. 5513

A citricultura dos Cabral

Os procuradores do Ministério Público Federal estão levantando os bens de funcionários e ex-funcionários das empresas e residências da família Cabral. Há fortes suspeitas de que o laranjal plantado por Sergio Cabral e sua esposa, Adriana Ancelmo, vá muito além do motorista do casal que, segundo as investigações, “comprou” mais de R$ 4 milhões em jóias.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.12.16
ED. 5513

Bernardo Pactual

Bernardo Cerveró está voltando para o Brasil. Já procura, inclusive, projetos teatrais para 2017. Ator, o filho do ex-
diretor da Petrobras Nestor Cerveró ficou famoso por sua interpretação nas reuniões com Delcídio do Amaral. A gravação das conversas levou o então senador e o banqueiro André Esteves para a prisão. Depois da peça, Bernardo partiu para uma prudente temporada no exterior.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.12.16
ED. 5513

RHI engole a Magnesita

A definição do alto comando da maior fabricante de refratários do mundo confirmará o que já se sabia: a associação entre a Magnesita e a RHI não passa de uma aquisição em pele de fusão. O presidente da nova companhia será indicado pelo grupo austríaco, que nomeará também a maioria esmagadora do board. A GP, controladora da velha Magnesita, deverá ter apenas um assento no Conselho de Administração.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.12.16
ED. 5513

Out of records

O episódio Marcelo Calero abriu mais uma ferida na relação entre o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, e o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Laiello. Moraes foi cobrado pelo Planalto por só ter tomado conhecimento das gravações entregues por Calero à PF após o vazamento na imprensa.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.12.16
ED. 5513

Operário padrão

Os futuros secretários de João Doria estão penando para se acostumar aos seus hábitos. Notório insone, Doria costuma enviar mensagens e cobrar documentos a altas horas da madrugada. Seu nome é trabalho.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.12.16
ED. 5513

Tempos românticos

Aos 85 anos, Paulo Maluf está inclinado a não disputar a reeleição para a Câmara dos Deputados. Acha que a política não é mais para amadores como ele.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.12.16
ED. 5513

Presente de Natal

A Abengoa Bioenergia deverá apresentar até o dia 20 um novo plano de renegociação de sua dívida, de R$ 1 bilhão. Impacientes, alguns credores já estariam pedindo o arresto de equipamentos e estoques de cana.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

09.12.16
ED. 5513

Ponto final

As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Axa, Vinci, Abengoa e GP.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.