Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
25.11.16
ED. 5503

A nova matriz econômica aguarda Temer na esquina

 O presidente Michel Temer já deve ter marcado na sua agenda o mês de março de 2017. É tempo mais do que suficiente para mostrar que tem autoridade para aprovar as reformas prometidas na primeira hora do seu governo. Ou não! Nesse caso o “estadista” sem medo de tornar-se impopular viraria uma fraude. Restaria a ele adotar alguma política gêmea da “nova matriz econômica”, que foi uma das causas da condenação do governo anterior ao índex da História. Temer, então, se tornaria um duplo traidor, tendo enganado os antigos aliados e a base de apoio que o levou ao poder. O enredo pode parecer um tanto quanto barroco, mas não briga com os fatos. Temer perdeu o timing para afirmar sua autoridade e passar ao menos as PECs do Teto e da Previdência quando sua popularidade estava inflamada pelo impeachment e a deterioração do cenário econômico era ofuscada pela perseguição ao PT. A estratégia de anunciar um “ajuste” com resultados somente no longo prazo, condicionando a credibilidade à franqueza, não trouxe os louros almejados. Pelo contrário: aumentou a dúvida sobre sua virilidade fiscal.

 Na realidade, até o momento não houve sequer tentativa de ajuste, e, sim, uma série de enunciados sem prazo de votação pelo Congresso e com perspectiva de implementação cada vez mais distante. Nessa toada, mesmo se aprovadas, as medidas não trariam efeitos concretos antes do início da próxima década. No meio do caminho havia outra pedra: a quebradeira dos estados, que vem sendo tratada generosamente de indutora do “pacto do ajuste”, em mais uma simplificação grosseira feita pelo presidente. A crise federativa será um empecilho ainda maior para a aprovação das reformas e o aumento da arrecadação. O próprio presidente, como se tivesse jogado a toalha, reafirmou no Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social “que sair de uma recessão leva tempo”. Ainda mais quando ela aumenta a cada rodada dos indicadores. Rezava a malfadada “nova matriz econômica” que o problema do país era de arrecadação e que os empresários não se mexeriam para fazer os novos investimentos sem o empurrão do governo. Na idealizada gestão Temer, o espírito animal do empresariado seria despertado pela melhora das expectativas. Ledo engano.

 Já podem ser vistas as sementes da velhíssima “nova matriz econômica” renascendo lá e cá. Os empresários e economistas reunidos no “Grupo Reindustrialização” clamam por menores taxas de juros reais e pelo ativismo do BNDES. Não estão sós. O pato da Fiesp voltou a pedir redução de impostos ou desonerações. Já antecipando que essa história de redução dos juros pode sobrar para ele, o presidente do Banco Itaú, Roberto Setubal, solicitou que o governo libere as amarras dos recursos bancários, quem sabe diminuindo o recolhimento compulsório sobre os depósitos. Esse filme todos já viram. O mais curioso é que a presidente afastada largou a condenada matriz para praticar uma política econômica muito próxima da adotada por Temer e Henrique Meirelles, a “Levyeconomics”. Se Temer der dois passos atrás no tempo, haverá algo de comédia no ar. De qualquer forma, e pelo bem de todos, tomara que ele tenha mais sucesso do que sua antecessora.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.11.16
ED. 5503

Primeira dama

A 1ª Turma Especializada do Tribunal Regional Federal deverá analisar na sessão da próxima quarta-feira o segundo pedido de prisão de Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador Sergio Cabral. A primeira solicitação feita pelo Ministério Público Federal foi negada na semana passada.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

O que mais tem chamado a atenção dos empresários que participam de audiências no Ministério da Indústria e Comércio é a forma como os próprios secretários da Pasta se referem ao ministro Marcos Pereira: “Bispo Marcos”. Nem em seu próprio partido, o PR, o religioso da Igreja Universal é chamado dessa maneira.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.11.16
ED. 5503

Santo forte

O deputado e diretor de ética e transparência da CBF, Marcelo Aro, parece ter o corpo fechado. Os próprios parlamentares davam como certo seu indiciamento no relatório da CPI do Futebol. Mas, para espanto geral, seu nome ficou de fora da lista. Ao contrário de Marco Polo Del Nero e outros três dirigentes da CBF.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.11.16
ED. 5503

Tanque cheio

 A norte-americana Enterprise Holdings, que comprou 20% da locadora de veículos Unidas, deverá injetar o equivalente a R$ 200 milhões na companhia. Um dos grandes grupos do setor nos Estados Unidos, a Enterprise é dona das bandeiras Alamo e National e fatura mais de US$ 20 bilhões.

• Procuradas, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Unidas.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.11.16
ED. 5503

Fumaça

 Mais da metade dos R$ 4,5 bilhões que a Invepar conseguiu com a venda de seus ativos no Peru já evaporou. Foi consumida no pagamento de credores, notadamente debenturistas.

• Procuradas, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Invepar.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.11.16
ED. 5503

Brasil que dá certo

Depois do susto da quebra da safra de grãos no início deste ano, a expectativa do Ministério da Agricultura é que o PIB da agropecuária tenha altas superiores a 6% nos três próximos trimestres.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.11.16
ED. 5503

A maior fatia

Além dos US$ 800 milhões que receberá da Three Gorges pela venda da Geração Paranapanema, a Duke Energy ainda vai colocar um trocado no bolso antes de deixar o Brasil. Os acionistas da distribuidora aprovaram o pagamento de dividendos de R$ 178 milhões até o fim do ano. Por acionistas, leia-se basicamente a própria Duke Energy, que tem direito a 95% do bolo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.11.16
ED. 5503

Sinopec

 A Sinopec entrou em cena como a mais nova candidata à compra da BR Distribuidora. O grupo, que atua no Brasil na área de exploração e produção, tem mais de 30 mil postos de combustíveis na China.

• Procuradas, as seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Sinopec e Petrobras.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

25.11.16
ED. 5503

Seu general

O presidente do IBGE , Paulo Rabello de Castro, está sendo chamado de “general” pelos funcionários. O epíteto se deve a um discurso do economista revelando sua saudade dos militares.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.