Atenção!

As notícias abaixo são de edições passadas.

Para ter acesso ao nosso conteúdo exclusivo, assine o RR.

Planos
31.10.16
ED. 5486

Marcelo e Bernardo, os irmãos corsos às avessas

  As famílias Odebrecht e Gradin sempre foram indissociáveis. Seus principais acionistas, Norberto Odebrecht e Victor Gradin, somariam 180 anos cravados se o fundador do grupo estivesse vivo – Norberto faleceu em 2014. Ambos esbanjaram sabedoria, ambição e lealdade mútua. Até os 91 anos, Norberto dirigia, ao lado de Victor, a Mercedes Benz, modelo C1, que lhe foi presenteada pelo sócio no seu aniversário de 81 anos. Em 1974, quando Victor foi convidado por Norberto a fazer parte daquela construtora em ascensão, não havia sequer nada parecido com a Lava Jato. A “partidarização das comissões” era residual: a molhadela, espórtula ou gratificação ficava nas mãos da burocracia ou do próprio tubarão.  Norberto e Victor foram amigos elevados à enésima potência. Victor levou a Odebrecht para o front petroquímico, a industrialização e a modernização de processos. Era um estrategista. Norberto enxergava longe, criou uma cultura corporativa, prezava o capital humano. Era um sacerdote. Se estivesse vivo e não tivesse ocorrido o grande cisma das famílias, os dois duelariam juntos, lado a lado, no front da Lava Jato. A terceira geração dos Odebrecht e a segunda do Gradin sepultaram essa história de fraternidade. Marcelo e Bernardo, os dois eleitos para gerir o império, criaram o seu “Lava Odebrecht”. Jovens, preparadíssimos, ambos conviveram como amigos desde a infância. Ninguém diria que se tornariam uma versão reversa dos irmãos corsos, de Alexandre Dumas, em um processo de desunião crescente com o passar do tempo. Marcelo mandava na construtora e na área de novos negócios. Bernardo, na petroquímica e projetos industriais. Sim, ainda há Miguel Gradin, com quem Marcelo compartilhou o curso de preparação de oficiais da Reserva em Salvador, em 1987. Posteriormente trabalharam juntos na inglesa SLP Engineering, de óleo e gás. Mas Miguel nunca foi um “irmão corso”.  No ano da discórdia de 2010, Marcelo convenceu seu pai, Emílio, e o avô, já afastado das decisões empresariais, sobre uma revisão do acordo de acionista com os Gradin, detentores de 20% do grupo. Estão até hoje em um contencioso pestilento em torno de valores de compra e venda das participações. A partir daí, Marcelo tirou Bernardo das funções executivas da Odebrecht – Miguel também foi afastado. E veio o pior tormento, soprado com fúria pelos procuradores e juiz de Curitiba. Como se sabe, os Odebrecht estão pagando o preço. Já os Gradin “não dominaram o fato”.  Consta que Paulo Roberto Costa denunciou, em julho, Bernardo Gradin por ter negociado com ele, em condições vantajosas, a compra de nafta da Petrobras para a Braskem. Há menções a Bernardo também em episódio de “convencimento” da Petrobras a entrar como sócia da petroquímica da Odebrecht em uma fusão com a Quattor. Digamos que a cota de delações sobre Bernardo seja o correspondente ao percentual de ações que os Gradin têm no grupo e querem vender caro. Mesmo assim o clã passou ao largo da Lava Jato. É curioso! Houvesse a fidalguia de outrora, talvez Bernardo estivesse batalhando pelo amigo de infância como faziam os cavalheiros instituídos de honra e tradição. A têmpera com que foram forjados Norberto e Victor ficou restrita a uma geração.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.10.16
ED. 5486

Sugadouro

 Previ, Petros e Funcef, donas de 75% da Invepar, discutem a necessidade de um novo aporte emergencial na companhia. O mais recente se deu no início deste ano: a tríade de fundos subscreveu metade dos R$ 2 bilhões emitidos pela Invepar. A holding de concessões de infraestrutura caminha para fechar o ano com uma dívida líquida superior a R$ 10 bilhões, ou mais de seis vezes o Ebitda. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Invepar.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.10.16
ED. 5486

Pressurização

 Os credores de German Efromovich, a começar pelo fundo norte-americano Elliot Management, pressionam pela fusão da Avianca Brasil e da Avianca Holdings, sediada na Colômbia. Vocalizam os interesses do empresário Roberto Kriete. Com a fusão, o empresário colombiano, que é acionista apenas da Holdings, passaria a ter participação em todos os negócios dos irmãos German e José Efromovich no setor aéreo. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto: Avianca.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.10.16
ED. 5486

Carcará

 A Statoil sinalizou à ANP que vai participar da licitação de parte do campo de Carcará prevista para o ano que vem. Expectativa de bom ágio. Ninguém tem mais a ganhar com a concessão do que os noruegueses, que recentemente compraram da Petrobras a área restante de Carcará. Procurada, a Statoil diz que “está sempre avaliando oportunidades”. Para bom entendedor…

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.10.16
ED. 5486

Hora do tucano

 Os procuradores de Curitiba não apenas avançam sobre o PSDB como estão juntando diversos pontos que ligam a Lava Jato ao escândalo de corrupção em contratos do metrô de São Paulo.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.10.16
ED. 5486

Mãos dadas

 Na sua coreografia contra o Judiciário, não há um passo de Renan Calheiros que não seja meticulosamente ensaiado com o presidente Michel Temer.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.10.16
ED. 5486

Usucapião

 João Doria vai continuar como o “dono” dos horários dos programas que apresenta na Band, o “Show Business” e o “Face a Face”. Com novos apresentadores, as atrações seguirão sob a tutela do Grupo Doria , responsável pela venda da publicidade. Consultado, o grupo confirmou que os dois programas “continuam sendo uma coprodu-ção com a Bandeirantes”.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.10.16
ED. 5486

Chinatown

 A chinesa Hunan Dakang, que adquiriu 57% da trading mato-grossense Fiagril, pretende comprar também participações em empresas de propriedades agrícolas. Na recente visita de Michel Temer a Pequim, o grupo chinês assinou um protocolo para investir US$ 1 bilhão no Brasil. Cerca de US$ 200 milhões já saíram da conta para a entrada no capital da Fiagril.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.

31.10.16
ED. 5486

Banco Pine

 A revoada de bancos médios da bolsa de valores deverá ganhar mais um integrante: depois do Sofisa e do Paraná Banco, o Pine também prepara uma oferta para a recompra dos seus papéis. No mercado, a iminente operação reacendeu a expectativa de venda da instituição, controlada pelo banqueiro Noberto Pinheiro. • As seguintes empresas não retornaram ou não comentaram o assunto:  Banco Pine.

Para poder comentar você precisa estar logado. Clique aqui para entrar.